Contábeis o portal da profissão contábil

25
Jun 2017
09:03
você está em:

Conteúdo » Artigos

Produtores Rurais Pessoas Físicas podem diminuir 2,5 % da folha de salários

O presente trabalho tem por objetivo, expor o tratamento dado, pela Justiça no âmbito federal e pela legislação, no que se refere ao Salário educação, quando recolhido por produtores rurais pessoas fisicas que mantém empregados

postado 29/05/2013 11:32:11 - 3.172 acessos

Há algum tempo, os produtores rurais pessoas físicas, ou seja, aqueles que exercem a atividade rural em nome próprio estão discutindo judicialmente a exigibilidade da contribuição social do salário-educação, com alíquota de 2,5% sobre a folha de salário.

Acontece, que o judiciário desde as Varas Federais até o Supremo Tribunal Federal estão acolhendo a tese dos produtores rurais, que por sua vez, se ampara no art. 212º, §5 da CF/88 que traz claramente a indicação da contribuição do salário educação, porém, obrigando apenas os empresários devidamente constituídos na Junta Comercial a tal recolhimento.

Contribuindo para esse entendimento a Lei 9424/96 trouxe a regulamentação dessa contribuição dizendo que é alíquota será de 2,5% sobre a folha de salário das empresas, diferente de produtores rurais pessoas físicas com empregados.

Posteriormente, foi publicado o Decreto 3.142/1999 que manteve o mesmo sujeito passivo   e na sequencia foi publicado o Decreto 6.003/2006 que trouxe a seguinte definição para o sujeito passivo da contribuição do salário educação (quem deve pagar) art.2º do Decreto. 6.003/2006 “São contribuintes do salário-educação as empresas em geral e as entidades públicas e privadas vinculadas ao Regime Geral da Previdência Social, entendendo-se como tais, para fins desta incidência, qualquer firma individual ou sociedade que assuma o risco de atividade econômica, urbana ou rural, com fins lucrativos ou não, bem assim a sociedade de economia mista, a empresa pública e demais sociedades instituídas e mantidas pelo Poder Público, nos termos do art. 173, § 2o, da Constituição.” Ou seja, para ser contribuinte, o produtor rural deverá ser constituído na forma de empresa devidamente registrada na Junta Comercial da Região.

No entanto, apesar de ser claro e evidente, o flagrante de cobrança ilegal do salário educação dos produtores rurais pessoas físicas, o INSS vem a um longo tempo efetuando a cobrança de 2,5% sobre a folha de pagamento dos produtores rurais, recolhidas mensalmente através da “GPS”.
Tendo em conta as decisões do Poder Judiciário e porque essa cobrança dos produtores é um flagrante de ilegalidade, os produtores que tiverem interesse em diminuir a folha de pagamento mensal referente aos seus empregados segurados, devem procurar um advogado competente para ajuizar ação na Justiça Federal requerendo a devolução dos últimos cincos do salário educação (2,5%) corrigida pela taxa SELIC e a imediata suspensão da cobrança, para que nos próximos meses obtenham uma redução de encargo tributário no importe de 2,5% sobre a folha de pagamento.

Por fim, pode concluir-se que os produtores rurais pessoas físicas que mantém empregados, que tiverem interesse em ajuizar a ação, basta juntar as “GPS” pagas e cópias da SEFIP (declaração feita pelo contador, mensalmente)  e requerer a imediata suspensão da cobrança, que vem sendo, em grande volume, concedida na forma de liminares a curto prazo.
Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

WebContábeis Conteúdo contábil atualizado e de qualidade em seu site.

Desconto de 10% na mensalidade dos planos básicos de conteúdo.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César