Contábeis o portal da profissão contábil

22
Aug 2017
11:53
você está em:

Conteúdo » Artigos

A pressão para o fim do adicional da multa do FGTS deve continuar.

“A discussão sobre a extinção do adicional da multa do FGTS não é meramente financeira, mas sim, de natureza moral”.

postado 31/07/2013 09:44:35 - 2.028 acessos

Em 2001, quando o governo chamou os trabalhadores e empresários para fecharem o acordo para cobrir as perdas do FGTS com os planos econômicos, houve um compromisso de que a contribuição seria exigida até que o dinheiro do fundo fosse reconstituído.

A solução encontrada foi a seguinte: a multa paga pelas empresas em caso de demissão sem justa causa foi elevada de 40% para 50% do saldo atualizado do FGTS do funcionário, sendo que os 10% a mais ficam no fundo.

Segundo a Confederação Nacional da Indústria, o equilíbrio das contas ocorreu em 06/2012. Ou seja, estamos pagando uma dívida que já foi quitada há um ano atrás. Todos nós estamos pagando porque, indiretamente, essa conta acaba compondo o preço final dos produtos que consumimos. Para você ter uma ideia, a manutenção deste adicional representa um ônus mensal de R$ 270 milhões para as empresas, segundo a entidade.

Para quem não lembra, fato semelhante ocorreu com a famigerada CPMF, que também era para ser provisória, sendo extinta somente após muita pressão da sociedade.

No caso da CPMF, a desculpa para a perpetuação da cobrança era que o valor arrecadado estava sendo investido no sistema de saúde. Já no caso atual, a justificativa do governo para vetar o projeto que prevê o fim do adicional da multa do FGTS, é que geraria perda anual superior a R$ 3 bilhões ao FGTS e prejudicaria investimentos em programas sociais e de infraestrutura.

O fato é que o governo não poderia manter essa cobrança sem um novo acordo com a sociedade. Simples assim. Diante disso, fica incoerente desonerar alguns setores da economia e ao mesmo tempo descumprir um acordo firmado anteriormente. Pior ainda é dizer que haverá perda de arrecadação, enquanto nossa carga tributária figura entre as mais altas do planeta.  

O resultado disso tudo é que ficamos numa improdutiva queda de braço, cientes de que a extinção do adicional da multa do FGTS (que vai ocorrer em algum momento) gerará a criação de outra fonte de arrecadação, que deve ser através da desaceleração do programa de desoneração da folha de pagamento para setores ainda não abrangidos.

Em resumo, o veto do governo ao projeto que prevê o fim do adicional da multa do FGTS é incompatível com os anseios da sociedade, que clama por mais transparência e respeito aos compromissos assumidos.
Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

WebContábeis Conteúdo contábil atualizado e de qualidade em seu site.

Desconto de 10% na mensalidade dos planos básicos de conteúdo.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.05 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César