Contábeis o portal da profissão contábil

14
Aug 2018
19:56
DIA 13 SEGUNDA

O Maior Evento Online Brasileiro de Contabilidade

Gratuito 100% online

VEJA AS PALESTRAS DE HOJE

DIA 13 SEGUNDA

13 a 17 de agosto de 2018

www.conbcon.com.br

O Maior Evento Online Brasileiro de Contabilidade

100% online Gratuito
Jesse Gerva

Jesse Gerva

Empreendedorismo

16:00 - ao vivo - A arte da Influência

Luiz Fernando Nóbrega

Luiz Fernando Nóbrega

Normas Contábeis

O que é Compliance e como usá-lo na mitigação de riscos profissionais

Gabriel Manes

Gabriel Manes

Tecnologia

Metodologia de Contabilidade Digital: como conquistar produtividade, satisfação do cliente e crescimento

José Augusto Picão

José Augusto Picão

Tributário e Trabalhista

EFD-Reinf Escrituração Fiscal Digital de Retenções e Outras Informações Fiscais

Domingos Vasco

Domingos Vasco

Tributário e Trabalhista

Aspectos Legais e Gerais do eSocial

Adriano Vermolhem

Adriano Vermolhem

Gestão Empresas Contábeis

Marketing Digital na prática para Escritório Contábeis

Divane Alves

Divane Alves

Normas Contábeis

Normas Contábeis - Surgimento e Aplicação

Vanildo Veras

Vanildo Veras

Empreendedorismo

Excelência ou sorte, eis a questão

Gilberto Cunha

Gilberto Cunha

Empreendedorismo

Quero comprar de você

Fátima Roden

Fátima Roden

Tributário e Trabalhista

Alterações a partir de 2018 em relação ao ISS e ISS fixo no Simples Nacional

Fernanda Rocha

Fernanda Rocha

Empreendedorismo

Contabilidade Consultiva: o Caminho da Riqueza e da Prosperidade

Cláudio Miranda

Cláudio Miranda

Formação Profissional

Turnover de pessoal e qualidade de vida no trabalho nas Empresas de Auditoria Externa

Marcelo Voight Bianchi

Marcelo Voight Bianchi

Gestão Empresas Contábeis

Empresa Contábil: Um Grande Negócio do Século XXI

Christiano Santos

Christiano Santos

Normas Contábeis

CPC/IFRS 17 Contratos de Seguros

Hélio Donin

Hélio Donin

Tecnologia

Contabilidade e as ferramentas tecnológicas da atualidade

Gilmar Duarte

Gilmar Duarte

Gestão Empresas Contábeis

Honorários Contábeis: Segredos da precificação

José Luiz Fondacaro

José Luiz Fondacaro

Tributário e Trabalhista

Fim do Emissor do Cupom Fiscal - E Agora?

Alizete Alves

Alizete Alves

Tributário e Trabalhista

16:00 - eSocial - Impactos e ações para uma entrega de sucesso

Paulo Vaz

Paulo Vaz

Gestão Empresas Contábeis

Contabilidade Digital e on-line: Aspectos de Estratégicos

Vinicius Roveda

Vinicius Roveda

Tecnologia

Transformação do mercado contábil: de 2015 a 2020

Simoní Pechebela

Simoní Pechebela

Tributário

Código GTIN validação e obrigatoriedade aplicada a NF-e e NFC-e

Isis Abbud

Isis Abbud

Empreendedorismo

Contadores conseguem inovar?

Fernando Almeida

Fernando Almeida

Formação Profissional

Como elaborar um projeto de pesquisa?

Mauro Negruni

Mauro Negruni

Tributário

Resultados do novo modelo da DCTFWeb

Rogério Fameli

Rogério Fameli

Gestão Empresas Contábeis

Marketing Digital de Performance e Captação de Clientes de Contabilidade

Ricardo Rios

Ricardo Rios

Normas Contábeis

IFRS 16 - Contratos de Arrendamento Mercantil - Leasing

PERDEU AS PALESTRAS DE ONTEM? CLIQUE AQUI

MAIS PALESTRAS DE HOJE

« »

artigo

Desencontros do eSocial

O Brasil vive um momento único. Estudo do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2012 aponta a existência de 36 milhões de empreendedores no Brasil. A mesma pesquisa mostra que o sonho de 43,5% dos brasileiros é ser dono do próprio negócio...

01/10/2013 10:46

3.166 acessos

O Brasil vive um momento único. Estudo do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2012 aponta a existência de 36 milhões de empreendedores no Brasil. A mesma pesquisa mostra que o sonho de 43,5% dos brasileiros é ser dono do próprio negócio, sendo o terceiro colocado na lista de desejos. À frente disto só mesmo a vontade de viajar pelo Brasil (50,2%) e comprar a casa própria (48%).

Entretanto, a complexidade do nosso sistema tributário coloca os empreendedores em um verdadeiro inferno, matando o sonho antes mesmo que ele se torne realidade. Dos 36 milhões envolvidos em atividades empreendedoras, apenas 8,5 milhões são formalizados. 

O Banco Mundial confirma esse  cenário ao posicionar o Brasil na “lanterna” do custo de conformidade tributária e trabalhista. Em um estudo realizado há 10 anos, o resultado brasileiro é o mesmo para medida de  tempo gasto para preparar, registrar e pagar impostos e cumprir as obrigações tributárias e trabalhistas. Ou seja, 2.600 horas/ano despendidas nessas atividades, o que representa um valor nove vezes superior à média mundial.

A instituição internacional também nos revela o caminho para resolvermos a questão. Em 10 anos, 180 economias implementaram cerca de 2.000 reformas. Dois terços delas concentraram-se na redução da complexidade e do custo dos processos regulatórios. As pesquisas evidenciam a clara relação entre a regulamentação mais simples e resultados econômicos, tais como crescimento de empregos e criação de novas empresas.

O Sistema Público de Escrituração Digital (SPED) , instituído oficialmente em 2007, mas em implantação desde 2005, é um instrumento desenvolvido pela Receita Federal e autoridades tributárias estaduais, com o objetivo inicial de combater a sonegação e, simultaneamente, reduzir o peso dessa burocracia sobre as empresas. Mesmo com toda essa tecnologia tributária, não conseguimos baixar as fatídicas 2.600 horas. 

Pois surge agora, no cenário das tecnologias tributárias, o eSocial. Previsto para 2014, esse novo componente do SPED abrangerá a folha de pagamento e as obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais relativas aos vínculos trabalhistas. Além de atender às demandas de informação da Receita Federal, esse projeto inclui o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) , a Caixa Econômica Federal (CEF), o Conselho Curador do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS) e a Justiça do Trabalho. Em suma, o eSocial pode ser entendido como uma forma de registro digital dos eventos trabalhistas.

No dia 18 de julho de 2013 foi publicado no Diário Oficial da União, o Ato Declaratório Executivo nº 5/2013, que declarou “aprovado o leiaute dos arquivos que compõem o Sistema de Escrituração Fiscal Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) , que será exigido para os eventos ocorridos a partir da competência de janeiro de 2014.” O mesmo Ato define que a escrituração deverá ser transmitida “em meio eletrônico pela empresa, empregador ou por outros obrigados a eles equiparados, nos prazos a serem estipulados em ato específico”.

As 6 milhões de empresas e 7,2 milhões de empregadores domésticos afetados pelo projeto serão monitorados eletronicamente por todos esse órgãos do governo. A nossa legislação trabalhista não será modificada pelo eSocial. A principal consequência é que empregadores e empregados terão que respeitar a CLT, a legislação do FGTS, dos empregados domésticos, e diversas outras normas e instrumentos de regulamentação coletiva de trabalho. 

“Jeitinhos” nessa área estão com os dias contados. Férias sem aviso antecipado de 30 dias, motivado pelo empregador ou empregado, nem pensar. E esse é somente um exemplo dentre milhares de “acochambramentos” praticados na esfera trabalhista.

Por incrível que pareça, ainda não há norma que regulamente a obrigatoriedade de participação dos empregadores. Tampouco o leiaute oficial foi publicado. O portal oficial do projeto informa que os leiautes “estão sendo disponibilizados em versão inicial e sua divulgação tem caráter informativo aos setores da sociedade. Será disponibilizado em breve ato normativo dos órgãos competentes contendo as regras de obrigatoriedade para transmissão.”

Mais bizarro ainda é o adiamento ou “flexibilização” do cronograma do eSocial, que tem sido anunciado. Como, pode-se adiar algo que ainda não teve norma publicada? Por que o Ato Declaratório Executivo nº 5/2013 aprovou em julho um leiaute que ainda não foi publicado oficialmente?

A resposta foi dada em uma declaração do representante da própria autoridade tributária federal, que garantiu o prazo mínimo de 6 meses entre a publicação do leiaute e o início da obrigatoriedade, como vem acontecendo com outros projetos do SPED.

Outra declaração do coordenador do eSocial, no início de 2013, confirmou que a determinação para implantação do eSocial em 2014 é da Presidência da República, e “quem está falando é a chefe... e, para a chefe, nós temos que entregar o produto”. Grosso modo, se poderia dizer que a meta do Poder Executivo é substituir a carteira de trabalho em papel por um cartão eletrônico.

Dessa forma, somente a publicação do ADE nº 5, em julho de 2013, seria possível iniciar o eSocial em janeiro de 2014. Um “jeitinho” para manter a carência de meio ano entre a publicação de leiaute e o início de obrigatoriedade.

Apresentações mais recentes da Receita Federal mostram novo cronograma, obrigando as empresas do Lucro Real a realizar os cadastramentos iniciais até 30 de abril de 2014. Esse mesmo segmento, a partir de maio, deverá enviar os eventos de mensais de folha e apuração dos tributos. E depois de julho substituirão a GFIP.

Para o Microempreendedor Individual (MEI) e o pequeno produtor rural a inclusão no projeto se dará no final do 1º semestre de 2014.

Já as empresas do Lucro Presumido e Simples Nacional farão seus cadastramentos iniciais até 30 de setembro de 2014; e a partir de outubro enviarão os eventos de mensais de folha e apuração dos tributos. A substituição da GFIP, nesses casos, será em novembro de 2014.

A substituição da DIRF, RAIS, CAGED e de outras informações acessórias está prevista para início de 2015, juntamente com o módulo da reclamatória trabalhista.

No caso do empregador doméstico, a obrigatoriedade de prestar a informações via eSocial se dará 120 dias após a publicação da regulamentação da EC 72/2013, que ampliou os direitos trabalhistas dos empregados domésticos.

Por outro lado, pesquisa feita pela Thomson Reuters com duas mil empresas mostrou que 70% delas ainda não possuem nenhum projeto interno para atender o eSocial. E, dentre as que têm projetos, apenas um quarto diz tê-los efetivamente em andamento. Um índice tão baixo não chega a surpreender, uma vez que existem tantas informações desencontradas e apenas um ato normativo efetivamente publicado.

Contudo, o eSocial deixa sérias dúvidas quanto ao real potencial para a redução da burocracia brasileira, uma vez que, após esses anos todos de existência, o SPED ainda não conseguiu mostrar resultados efetivos nesse quesito. Sem leiaute definitivo, sem regulamentação publicada, 13 milhões de empregadores são compelidos a um processo de adaptação baseado em apresentações, declarações e notícias oficiosas.

Reformas que viabilizem o crescimento e distribuição da renda tendo como base o empreendedorismo, e, consequentemente do PIB e do emprego, parecem passar longe do governo brasileiro. Enquanto isso, temos que sobreviver, aos trancos e barrancos, com a caótica legislação tributária e a anacrônica trabalhista.

E, como bem resumiu o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro João Oreste Dalazen: “A CLT cumpriu um papel importantíssimo no período em que foi editada, na década de 40 do século passado, na transposição de uma sociedade agrícola e até escravocrata para o nível industrial. Mas hoje deixa muito a desejar. Primeiro, porque é uma regulação rígida e fundada na lei federal, que praticamente engessa toda relação entre patrão e empregado; segundo, é excessivamente detalhista e confusa, o que gera insegurança jurídica, e, inevitavelmente, descumprimento, favorecendo o aumento de ações na Justiça; e terceiro, está cheia de lacunas. O mundo e a sociedade evoluíram. Tudo mudou, exceto a legislação trabalhista.”. E completou: “Não surpreende que o Brasil seja o campeão mundial em processos trabalhistas. Só no ano passado, a Justiça recebeu 2,15 milhões de novos processos. Esse modelo já se esgotou e mostrou-se insatisfatório.”

Resumindo, o eSocial está cheio de boas intenções. Será que isso basta, ou ele será apenas mais um exterminador de sonhos a se instalar entre nós?

Escrito por

Roberto Dias Duarte

Sou administrador de empresas, empresário, professor, autor da série de livros “Big Brother Fiscal” (o primeiro livro sobre SPED no Brasil). Mentor e conselheiro em empresas do setor de tecnologia da informação. Sócio da NTW Contabilidade, a primeira e maior rede brasileira de franquias contábeis. Realizei mais de 700 palestras, em mais de 100 cidades nos 27 estados. Mantenho um blog com mais de 7 milhões de acessos. Publiquei 6 livros e dezenas de artigos em jornais e revistas: Valor Econômico, O Globo, Estado de São Paulo, DCI/SP, Diário do Comércio/SP, Jornal do Comércio/RS, Estado de Minas, dentre outros. Lecionei em MBA’s e cursos de pós-graduação com foco em SPED, segurança da informação e empreendedorismo. Fui diretor e conselheiro da Mastermaq Softwares, sócio da DATASUL CRM em Minas Gerais e analista de sistemas na ATT/PS e na siderúrgica Mannesmann (atualmente Vallourec & Mannesmann Tubes).

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César