Contábeis o portal da profissão contábil

21
Aug 2017
01:27
você está em:

Conteúdo » Artigos

IRPF – ajustes, saldo à restituir ou saldo à pagar?

Por que salários iguais tem orientações diferentes com o saldo? Porque a Declaração de Ajuste Anual do IRPF é feita de acordo com perfil do contribuinte.

postado 23/03/2015 12:54:38 - 2.022 acessos

Uma pergunta que sempre me fazem é: por que fulano ganha a mesma coisa que eu e teve restituição e eu não?

A resposta para isso é que a Declaração de Ajuste Anual do IRPF é feita de acordo com perfil do contribuinte e não de forma genérica.

São analisados:

  • Os tipos de rendimentos recebidos
  • A origem dos rendimentos
  • Os tipos de despesas dedutíveis
  • A possibilidade do desconto simplificado

Após avaliação desses fatores, decide-se pelo modelo da Declaração a ser adotado: Simplificado ou Completo e então apura-se o saldo.

Dois contribuintes com mesmo volume de rendimentos poderão ter resultados de IRPF completamente diferentes, dependendo da análise de cada perfil.

No modelo simplificado, opta-se por um desconto de 20% sobre o valor bruto dos rendimentos e não se considera mais nenhuma despesa. Esta opção pode ser interessante quando não há despesas médicas ou com educação e dependestes que somem mais de 20% dos rendimentos.

No modelo Completo de IRPF, opta-se por considerar todas as despesas médicas e as demais despesas dedutíveis a fim de alcançar maior restituição.

O valor a restituir ou a pagar será o saldo entre s rendimentos e a dedução das despesas. Ou no caso do modelo simplificado, será o saldo depois da apuração dos rendimentos menos 201% de desconto simplificado.

É conveniente que as pessoas que tenham mais de uma fonte de renda, façam apurações mensais do quanto deveriam pagar como complemento ou mensalão – um imposto que se recolhe para minimizar saldos a pagar na IRPF anual.

Em caso de saldo a pagar, poderá ser parcelado em até 8 vezes, desde cada parcela não seja inferior a 50,00. Neste caso, as parcelas serão corrigidas pela SELIC. As regras de correção são assim:

  • 1ª. Parcela – venc. 30/4 – sem acréscimos
  • 2ª. Parcela – venc. 31/5 – acréscimo de 1%
  • 3ª. Parcela e posteriores – venc. No ultimo dia de cada mês, acréscimos de 1% + SELIC

É importante avaliar a real necessidade de parcelamentos muito longos. Ideal é não parcelar, mas se preciso for, que seja no mínimo de parcelas possíveis.

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.05 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César