Contábeis o portal da profissão contábil

13
Dec 2017
01:21

Tributário

Como recuperar créditos de PIS e COFINS de Atualização Monetária

O serviço de Revisão de Tributos possibilita a recuperação dos créditos de pagamentos indevidos ou a maior e beneficia o contribuinte com a atualização monetária desses valores

24/03/2016 10:26

2.551 acessos

Caracterizada por ser um benefício para a pessoa jurídica, a atualização monetária ocorre quando há a apropriação mensal da Receita Financeira de Atualização de Créditos quando considerados como pagamentos indevidos ou a maior ou nos casos de saldo negativo de IRPJ e saldo negativo de CSLL. Segundo a alínea 2° do art. 66 da Lei n° 8.383/91, a opção pelo pedido de restituição desses pagamentos é facultada ao contribuinte. 

Salienta-se que segundo o art. 39 da Lei n° 9.250/95, a compensação dos valores de pagamento indevido ou a maior de tributos e contribuições federais, somente poderá ser efetuada com o recolhimento de importância correspondente a imposto, taxa, contribuição federal ou receitas patrimoniais de mesma espécie e destinação constitucional, apurado em períodos subsequentes. 

Na alínea §4° do artigo supracitado, consta que a partir de 1° de janeiro de 1996, a compensação ou restituição passa a ser acrescida de juros equivalentes à taxa referencial do Sistema Especial de Liquidação e de Custódia - SELIC para títulos federais, acumulada mensalmente, calculados a partir da data do pagamento indevido ou a maior até o mês anterior ao da compensação ou restituição e de 1% relativamente ao mês em que estiver sendo efetuada. 

Assim, o aproveitamento desses valores é feito via PERDCOMP para compensar débitos de quaisquer tributos e contribuições administrados pela Receita Federal vencidos ou vincendos. Os valores com nome de multa e juros pagos indevidamente ou a maior também poderão ser corrigidos pela SELIC e compensados. 

Confira exemplos de atualização monetária pela SELIC: 

EXEMPLO 1: 

Uma empresa apurou o valor de R$ 5.000,00 de PIS a pagar e calculou que poderia tomar R$ 2.000,00 de crédito sobre a operação. Aproveitando o crédito, recolheu a diferença de R$ 3.000,00. Entretanto, um serviço de Revisão de Tributos contratado posteriormente identificou que o valor correto de seus créditos era de R$ 2.900,00 e não apenas de R$ 2.000,00. 

Assim, o valor apurado de R$ 5.000,00 de PIS a pagar, menos o valor correto de créditos a compensar de R$ 2.900,00, mostrou que o valor que deveria ser recolhido seria de (5.000,00 (-) 2.900,00) = R$ 2.100,00. 

Observado que a empresa deveria ter recolhido R$ 2.100,00 ao invés de R$ 3.000,00, entende-se que foi pago R$ 900,00 a mais do que o devido. Salienta-se que esse valor corresponde à diferença entre R$ 3.000,00 (valor incorreto pago) e R$ 2.100,00 (valor correto, que deveria ter sido pago). Nesse momento, à necessidade de retificar a DCTF informando o valor correto do débito apurado (R$ 2.100,00). 

EXEMPLO 2:

Uma empresa considerou indevidamente uma receita como receita tributável quando na verdade era sujeita a alíquota zero. Por esse fato, a empresa recolheu PIS e COFINS a maior. Ressalta-se que o valor pago indevidamente está sujeito à atualização monetária pela Selic em favor da empresa. Essa atualização deverá ser reconhecida contabilmente mensalmente como Receita Financeira.

O aproveitamento desses valores dar-se-á através do preenchimento de PERDCOMP, como Compensação com quaisquer tributos e contribuições administrados pela Receita Federal ou pedindo restituição, conforme previsto no art. 74 da Lei n° 9.430/96 e art. 41 da IN RFB n° 1.300/2012.

Por fim, conclui-se que tal atualização gera um ganho para a empresa que efetuou pagamentos indevidos ou a maior. Isso porque a empresa que for submetida ao trabalho de Revisão de Tributos onde sejam identificadas tais situações terá como benefício, além dos créditos de pagamentos a maior, a atualização monetária desses valores.

Escrito por

José Carlos Braga Monteiro

Advogado formado pela universidade Unisinos, pós-graduado em Gestão Empresarial pela FGV e Presidente Fundador do Grupo Studio, rede com mais de 18 anos de expertise na área tributária, detentora dos modelos de negócio Studio Fiscal, Studio E-Fiscal, Studio Brokers e Studio Law.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.05 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César