PARTICIPE

O Maior Evento Online Contábil do País - Inscrições gratuitas

19 a 23 de junho de 2017

www.conbcon.com.br
x

Contábeis o portal da profissão contábil

23
Jun 2017
21:06
você está em:

Conteúdo » Artigos

Como funciona as Notas Fiscais de transferência no EFD- Contribuições?

Consideramos transferência todas as operações de mercadorias que transitam de uma empresa para outra do mesmo titular, ou seja dono da mesma empresa. Nesse artigo estaremos explicando como funciona o PIS e COFINS das notas e geração do EFD.

postado 15/08/2016 13:03:41 - 2.611 acessos

Na semana recebi dúvidas de diversas pessoas sobre o funcionamento de notas de transferências no SPED Contribuições, sendo assim resolvi abordar um pouco o assunto.

Consideramos transferência todas as operações de mercadorias que transitam de uma empresa para outra do mesmo titular, ou seja dono da mesma empresa. Para essa operação tem algumas informações que temos que aprender:
 
  1.  O fato de efetuar uma saída de transferência de matriz para filial não se caracterizar como venda ,(É uma transferência de propriedade e continuará sob propriedade da mesma empresa). 
  2. Havendo despesas de fretes nessas transferências, esses valores não darão direito a crédito de PIS e COFINS, pois não decorrerão da venda.
  3. Também não gera crédito de PIS e COFINS os recebimentos de mercadorias em transferência.
Obs: É importante consultar sempre a legislação estadual.
 
Como já conhecemos um pouco sobre alguns detalhes sobre transferências de mercadorias entre filiais, podemos afirmar que a mesma não caracteriza operação de receita e tampouco de crédito, então quando fizer estas operações poderão utilizar para as saídas a CST 49 (outras operações de saída) e nas entradas a CST 98 (outras operações de entradas).
 
Para recapitularmos falamos um pouco sobre Pis e Cofins que não geramos crédito, utilização da CST de "outras operações", confirmamos que transferência não geram nenhuma receita pois é de propriedade já da empresa, e agora vamos detalhar o motivo por não ser obrigatório especificar na EFD PIS/COFINS as notas de transferências.
 
Quando falamos de notas fiscais de saídas de transferências normalmente é utilizada as CFOP's  5.151/6.151, 5.152/6.152.  Para este fim só precisamos referenciar no SPED as notas fiscais que referente a receitas, então logo entendemos que as movimentações que não caracterizam transações comerciais (geradores de receitas) não precisam ser escrituradas..
 
RESUMINDO: Documentos de transferências não precisam ser informados na EFD-CONTRIBUIÇÕES
 
No Guia Prático informa somente obrigatoriedade sobre informações de receitas, segue abaixo informações:
 
  • Como regra geral, se existir a informação relativa a documentos ou operações geradoras de receitas ou de créditos das contribuições, o contribuinte está obrigado a prestá-la. A omissão de informações poderá acarretar penalidades e a obrigatoriedade de reapresentação do arquivo integral, de acordo com as regras estabelecidas pela Secretaria da Receita Federal do Brasil - RFB.
(Transferência não é gerador de receita)


No Site da RECEITA SPED. RFB em PERGUNTAS poderão procurar as questões 12 e 46 que transferências.
 
Qualquer dúvida entrem em contato pelo e-mail: caioplago.analista@gmail.com
 
Agradeço a atenção,
Caio Portugal

Caio Portugal Copyright© 2016

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César