PARTICIPE

O Maior Evento Online Contábil do País - Inscrições gratuitas

19 a 23 de junho de 2017

www.conbcon.com.br
x

Contábeis o portal da profissão contábil

25
May 2017
15:05
você está em:

Conteúdo » Artigos

Lucratividade e Rentabilidade: um estudo de caso em um escritório Contábil.

A presente pesquisa tem por objetivo um estudo sobre a Lucratividade e Rentabilidade, que demonstram a capacidade de gerar lucro e o retorno sobre investimentos. Portanto, a partir das demonstrações contábeis, em especial BP e D.R.E.

postado 29/11/2016 15:01:46 - 2.508 acessos

1 INTRODUÇÃO

A presente pesquisa tem como propósito demonstrar os índices de Lucratividade e Rentabilidade de uma empresa do setor contábil, analisando a sua capacidade de gerar lucros, e se a mesma possui retornos satisfatórios sobre seus investimentos.

Devido às diversas áreas abrangentes da contabilidade, o escritório acaba se tornando uma opção para o profissional recém-formado. Mesmo sabendo da grande responsabilidade e complexidade, vários profissionais optam por abrir um escritório, visando tornar-se empresário do setor. Estes profissionais precisam entender que essa autonomia de trabalho dependerá muito de seu esforço e sua capacidade. Segundo o SEBRAE-NA (2016), no Brasil existem 6,4 milhões de empresas, sendo que 99% são Micro (ME) e Pequenas Empresas (EPP). Por não ser viável manter um contador dentro da empresa, pelo alto custo salarial, muitas optam por contratar o serviço de um escritório de contabilidade.

O presente trabalho tem como objetivo analisar diante das demonstrações contábeis de 2014, a real situação econômico-financeira da empresa localizada no município de Ponta Grossa-PR, onde será analisado se é viável manter um escritório de contabilidade aberto. O problema de pesquisa está relacionado à eficiência das análises das demonstrações contábeis e na exatidão das informações nelas contidas, que foi realizada pelo contador responsável do escritório.

A pesquisa abordará sessões pertinentemente aos índices de Lucratividade e Rentabilidade, de forma separada, para facilitar o entendimento do leitor, procurando ser clara e objetiva. Contará com um referencial teórico desde o princípio das demonstrações até os cálculos dos índices abordados em foco neste trabalho, que foi estruturado conforme livros bibliográficos, artigos da internet, sites de pesquisas, entre outros. Após será apresentado um estudo de caso, com base nas informações fornecidas pelo Escritório Contábil Renovo, que disponibilizou o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício do ano de 2014, que serão analisados e demonstrados em gráficos, provendo assim o claro entendimento.

2 MÉTODOS DE PESQUISA

Esta pesquisa tem como fins e objetivos, demonstrar os índices de Lucratividade e Rentabilidade de uma empresa prestadora de serviços contábeis. O presente trabalho foi enfatizado em pesquisas bibliográficas, artigos e sites de pesquisas.

Caracteriza-se como um estudo exploratório e explicativo, que devem ser analisados em todos os tipos de empresas. Segundo Gil (2016, p. 57) “pesquisas exploratórias são desenvolvidas com o objetivo de proporcionar visão geral, de tipo aproximativo, acerca de determinado fato”. Desta forma concretiza-se a importância do tema abordado, pois a partir de seus resultados que os sócios e administradores devem tomar decisões. Mediante isso a pesquisadora desenvolveu um estudo de caso que de acordo com Yin (2005, p. 32) “é um estudo empírico que investiga um fenômeno atual dentro do seu contexto de realidade”. O estudo permitiu ainda a análise documental com dados primários, de uma empresa real, privada, que foram obtidos com o próprio proprietário da empresa.

Percebe-se que a pesquisa abordará fatos que as empresas, não somente no setor contábil, mas em todas as áreas deveriam seguir no seu dia a dia, que é analisar seus índices, para o bom andamento financeiro e operacional a fim de levar a empresa à continuidade, e não à falência. 

3 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

A análise das demonstrações contábeis, que estuda a situação patrimonial de uma empresa, segundo Marion (2005) é tão antiga quanto à própria contabilidade, pois desde a época dos primitivos, já existia a necessidade e a preocupação de se avaliar a variação de sua riqueza, pois, naquela época os inventários eram demonstrados pelos pastoreios em rochas. A análise das demonstrações além de gerar informações precisas para os interessados externos da entidade exala com a contabilidade financeira gerando informações para os usuários como: sócios, acionistas, administradores, fornecedores, clientes, entre outros, apontando os reais problemas e se manuseadas de forma correta, constituem-se em poderoso aliado da administração. Já os bancos e outras entidades, como fornecedores, começaram a exigir as demonstrações para análise de crédito a partir do século XIX. Neves e Viceconti (2005) explicam que o estudo da situação patrimonial da empresa, as informações analíticas através das decomposições, interpretações e comparação do conteúdo das demonstrações são precisas para saber a real situação da entidade.

Verificando-se as demonstrações contábeis, trabalhando com dados que após serem analisados tornam-se informações para as tomadas de decisões dos usuários, tanto internos como externos, as demonstrações assim como as informações extraídas devem ser claras, com uma linguagem simples para que pessoas leigas no assunto possam entender, para não haver dúvidas na hora de tomarem as decisões. Pode se diferenciar os dados de informações das seguintes maneiras:

Dados:

ü  São informações qualitativas.

ü  É o que alimenta o sistema antes de processar a informação;

ü  É um conteúdo que por si só não haverá compreensão do assunto;

ü  São conteúdos de forma bruta, especificados entre números e descrições.

Informações:

ü  É a organização dos dados, após um processamento;

ü  Relatórios, após os dados serem analisados;

ü  Conjunto de dados analisados para uma tomada de decisão;

ü  Relação de comunicação para com usuários externos, internos ou interessados na empresa.

O Balanço Patrimonial (BP) é uma das demonstrações suscetíveis de análise, pois, são demonstrados os valores de ativo (bens e diretos) e passivo (obrigações) que a empresa possui num determinado período, Padoveze (1997) traz o conceito que a análise de Balanço é um processo de meditação que a empresa realiza sobre as demonstrações contábeis e que tem por finalidade avaliar as situações econômicas, financeiras e patrimoniais da empresa, porém, é dada maior ênfase junto com a Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) , que por sua vez especifica os ganhos da empresa, as perdas e o quanto ela gastou.

Entre outros relatórios suscetíveis de análise estão as Demonstrações das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR), Demonstração de Lucros ou Prejuízos Acumulados. (ou mutação do PL), Demonstração do Valor Adicionado (DVA) e a Demonstração dos Fluxos de Caixa.

Para a análise das demonstrações citadas acima, visando à interpretação e preparação dos dados estatísticos, são utilizados os quatros tipos de análises:

3.1 ANÁLISE VERTICAL

A análise de Estrutura, Vertical ou de Composição mostra a importância de cada conta ou grupo de contas, dentro do total de Ativo, Passivo e Receita de Vendas. Segundo Neves e Viceconti, (2005) declaram que é preciso fazer a comparação caso exista mais de um período, e medir percentualmente em relação ao todo cada componente. E para Padoveze (1997) a análise vertical, é uma análise da estrutura das Demonstrações do Resultado do Exercício (DRE) em conjunto com Balanço Patrimonial (BL), que evidencia as participações das composições patrimoniais e de resultado, devendo ser interpretada com muito cuidado, dentro do total.

3.2 ANÁLISE HORIZONTAL

A análise de Evolução, Horizontal ou de Crescimento, é medida com períodos anteriores, pois revela a evolução das contas e proporciona a visão de tendências. Diante disso Neves e Viceconti, (2005) em uma determinada série de exercícios, esta análise permite saber o resultado patrimonial de uma empresa. Já para Padoveze (1997) calcula a variação em percentual realizada de um período para o outro, evidenciando o crescimento ou o decrescimento do período analisado especificando a evolução de cada item no decorrer do tempo.

3.3 ANÁLISE POR DIFERENÇAS ABSOLUTAS

 Visa à comparação de um grupo de contas ou uma mesma conta para avaliar sua diferença monetária levando em conta a deterioração da moeda. A análise por diferenças absolutas, segundo Neves e Viceconti (2005) a análise por diferenças absolutas irá avaliar os novos recursos injetados na empresa, tanto qualitativamente, quantitativamente e a forma de como foram aplicados.

3.4 ANÁLISE DE QUOCIENTE OU RAZÃO

Compara valores do mesmo grupo ou de grupos diferentes como: Ativo Circulante/Passivo Circulante.  Neves e Viceconti, (2005) trazem conceito que em função da existência de dois elementos é analisado para saber quantas vezes um contém o outro, a proporção entre ambos.

4 ANÁLISES ATRAVÉS DOS ÍNDICES

A análise através dos índices que são calculados a partir dos demonstrativos financeiros de uma entidade tem por objetivo medir seu desempenho avaliando suas condições perante as obrigações, sua estrutura de capitais, e sua capacidade de gerar lucro a curto e longo prazos. Depois de calculados e interpretados, os índices podem ser comparados com períodos anteriores ou com outras empresas, preferencialmente do mesmo ramo, independente do porte, pois irá mostrar em percentuais e não em montantes. Dentro desta linha de pensamento, Matarazzo (1995, p.154) declara o seguinte: "O importante não é o cálculo de grande número de índices, mas de um conjunto de índices que permita conhecer a situação da empresa, segundo o grau de profundidade desejada na análise". Essas análises podem ser feitas por meio dos índices descritos a seguir.

4.1 ÍNDICE DE ENDIVIDAMENTO

Índices de endividamento demonstram a estrutura de capital de uma empresa. Mediante isso Neves e Viceconti (2005) indicam o montante utilizado de recursos de terceiros, para gerar lucro na empresa, o grau de endividamento é muito preocupante, juntamente com a capacidade de pagamento da empresa, pois se o grau de endividamento for alto, pode ser que a empresa não consiga cumprir com suas obrigações.

4.2 ÍNDICE DE ROTAÇÃO

Índices de Rotação determinam a velocidade do giro da empresa, dos valores em si aplicados, sendo que quanto maior o índice, melhor será o aproveitamento dos recursos naquele determinado período. Deste modo Silva (2010) evidencia que o índice de rotação está ligado em duas situações: O alto índice de rotação pode indicar baixo investimento no estoque, causando perda e consequentemente, diminuição no lucro. Em contra partida o baixo índice de rotação está associado ao excesso de investimento no estoque, elevando os custos com manutenção (Silva 2010).

 4.3 ANÁLISE DE LIQUIDEZ

Avaliar a Liquidez de uma empresa significa identificar através de índices, a capacidade de pagamentos da empresa, ou seja, se possui capacidade de cumprir com suas obrigações. Segundo Assaf Neto (2010) revela, ainda, o equilíbrio financeiro e sua necessidade de investimento em capital de giro.

4.4 ANÁLISES DE AÇÕES

A análise de ações projeta os resultados futuros da empresa e determina o preço justo pelas ações, ajudando o investidor a melhor hora para entrar e sair do mercado acionário, possibilitando identificar as tendências.

Após os conceitos sobre os índices entende-se que um balanço fechado de forma correta, bem estruturado, com as devidas classificações das contas, assim que calculados os índices é uma importante ferramenta para seus usuários nas tomadas de decisões ou para uma profunda e ampla análise sobre a situação da empresa. É aconselhável que sejam analisados todos os índices, pois assim teremos uma visão real da situação da mesma, ou seja, se está gerando lucro, retorno e se conseguirá cobrir as devidas obrigações.

5 LUCRATIVIDADE E RENTABILIDADE

Estes índices visam avaliar o rendimento da entidade em um determinado período, devendo ser calculados com base nas vendas, ativos, patrimônio líquido e ao valor da ação. Este índice permite à empresa saber quanto de Lucro está sendo obtido sobre suas vendas e quanto de retorno terá sobre o capital investido em um determinado período.

5.1 LUCRATIVIDADE

A lucratividade é medida por meio das vendas, relacionando com o saldo que a empresa possui após subtrair de seu faturamento os custos e despesas obtidos no mesmo período. É a capacidade em percentuais que a empresa possui em gerar lucro. A lucratividade está ligada em três situações:

ü  Primeiro, se os lucros obtidos não estão sendo suficientes para cumprir com suas obrigações;

ü  Segundo, os lucros obtidos estão sendo gerados apenas para cumprir com suas obrigações;

ü  Terceiro, se os lucros obtidos estão sendo gerados para cumprir com suas obrigações e se possui capacidade para reinvestir em seu crescimento.

 Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, conforme matéria publicada por Anay Cury e Cristiane Caoli (2016, NÃO PAGINADO) “as vendas despencaram 4,3% em 2015, e quase 100 mil lojas fecharam”. Os dados fornecidos pela Confederação Nacional do Comércio demonstram que foram 13% das lojas brasileiras. Empresas que não possuem uma ampla visão da sua situação econômica, que ao primeiro momento de crise não possuíam recursos suficientes para se manter no mercado. Um dos erros mais comuns é não seguir o princípio da entidade imposto pela contabilidade que separa o patrimônio da empresa com o patrimônio dos sócios, e acaba ficando sem recursos pois a decisão de encerrar suas atividades acaba se tornando uma decisão difícil a ser tomada pelo proprietário, pois até para encerrar ele terá custo e obrigações com empregados, mesmo com a lei 11.598/2007 dada pela lei complementar 147/14 que alterou as regras para que os empresários consigam dar baixa na empresa com dívida, porém acabam recebendo os débitos em seu CPF.

Existem vários fatores que influenciam sobre o lucro, desde o conhecimento total dos custos e despesa para a elaboração dos preços, como também métodos de divulgação, e demanda de mercado, pois se o produto está em alta com muita procura, o proprietário deve reduzir sua margem de preço para aumentar a margem de saída. Já se o produto está com uma margem mais baixa em relação às vendas, o correto seria aumentar o preço.

            É muito importante se destacar em relação aos concorrentes, e destinar 5% dos lucros para marketing, pois o consumidor não irá até sua loja se não conhecê-la, pois métodos de publicidade influenciam muito em relação às vendas, seja com promoção ou produtos diferenciados, tentando chamar a atenção de vários públicos. Mas o que faz o cliente levar o seu produto/serviço muitas vezes não está relacionado somente ao preço da mercadoria, mas sim ao atendimento e à qualidade fornecida pelo estabelecimento.

5.1.1 Fórmula da Lucratividade

Lucratividade = Lucro líquido / Receita Bruta X 100 = %


5.2 RENTABILIDADE

A análise da Rentabilidade de uma empresa, independente da atividade exercida e deve ser projetada antes mesmo do ato de constituição. Como todo empreendedor pensa na continuidade e em um retorno viável para seu negócio, esse poderoso indicador irá demonstrar em percentual o retorno sobre o investimento inicial. Para constituir uma empresa sabe-se da necessidade de um investimento inicial, conhecido como capital social, que corresponde ao seu patrimônio líquido inicial integralizado pelos sócios ou proprietários, podendo ser alterado somente quando houver aumento de capital, que para ser realizado, conta com duas possibilidades:

ü  Capital próprio são ganhos que foram obtidos pela empresa através da sua própria atividade, após destinar parte das reservas de capital ou reservas de lucro para o aumento do Capital e patrimônio ou integralizado de origem física dos sócios ou proprietário.

ü  Capital de terceiros são os investimos através dos recursos de terceiros, investindo na empresa, para ter participação dos lucros.

Muitas empresas não entendem a importância deste índice, não buscam saber se o retorno está sendo satisfatório, optando pela primeira forma de investimento que aparece, perdendo a oportunidade de fazer comparações, expondo a empresa a vários riscos que podem levar à insolvência.  Segundo Marion (2009) a Rentabilidade é analisada através do investimento, que pode ser com capital de terceiros, pessoas externas da empresa e o capital próprio integralizado pelos sócios e proprietários, e que quanto mais eficaz a administração, melhor será seu retorno. Para uma ampla visão dos retornos investidos pode ser calculada a rentabilidade nos seguintes índices: Rentabilidade do Patrimônio Líquido (ROE), Rentabilidade sobre o Investimento (ROI), Rentabilidade sobre o ativo (ROA), Giro do Ativo, Margem Líquida e Margem operacional.

5.3 RENTABILIDADE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (ROE)

Demonstra se o capital próprio investido na empresa está sendo rentável. Mostra o quanto seus proprietários estão tendo de retorno sobre o Patrimônio Líquido e o desempenho da empresa.

5.3.1 Fórmula da Rentabilidade do Patrimônio Líquido:

Rentabilidade do Patrimônio Líquido = Lucro Líquido / Patrimônio Líquido x 100 = %

 

5.4 RENTABILIDADE SOBRE O INVESTIMENTO (ROI)

Demonstra o quanto de retorno o investimento está tendo, ou seja, sobre o ativo através dos lucros no valor investido, contando com os elementos Margem Líquida e Giro do Ativo.

5.4.1 Fórmula da Rentabilidade sobre o investimento

Rentabilidade sobre o investimento = Lucro operacional / Investimentos x 100 = %

 

5.5 RENTABILIDADE DO ATIVO

O quanto à empresa obteve de rentabilidade sobre a aplicação de recurso, ou seja, se a empresa está com percentual rentável em relação ao ativo, trazendo o quanto de lucro a empresa possui no total.

5.5.1 Fórmula da rentabilidade do ativo

Rentabilidade do Ativo = Lucro Líquido / Ativo total X 100 = %

 

5.6 GIRO DO ATIVO

            Demonstra o quanto a empresa vendeu para cada um real do total investido. Quanto maior o Giro do Ativo melhor será para a empresa, pois mostrará o volume de venda em relação do investimento do capital total, além de mostrar com eficiência se a empresa utiliza de seus ativos para gerar venda.

5.6.1 Fórmula do giro do ativo

Giro do Ativo = Venda Líquida / Ativo total = %


Com o percentual do capital investido o gestor ou administrador que fará o acompanhamento da rentabilidade, poderá utilizá-lo como uma importante ferramenta para a tomada de decisão, desde alterar o sistema de gestão, investir em aumento de vendas, cortar gastos, decidir abrir filiais ou até mesmo fechar a empresa. Para Matarazzo (2003) a rentabilidade é gratificante para a economia da empresa, pois mostra o quanto renderam seus investimentos.

5.7 MARGEM LÍQUIDA

Esse índice é um indicador usado para uma análise econômica das empresas, expressa a relação entre o lucro líquido e a receita líquida das vendas.

5.7.1 Fórmula da margem líquida

Margem líquida = Lucro Líquido / Vendas Líquidas X 100 = %


5.8 MARGEM OPERACIONAL

Medindo a eficiência operacional da empresa, a margem operacional demonstra o quanto das receitas líquidas teve origem nas atividades operacionais.

5.8.1 Fórmula da margem operacional

Margem operacional = Lucro Operacional / Vendas X 100 = %

 

6 ESTUDO DE CASO

6.1 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA

O Escritório Contábil Renovo iniciou suas atividades em Março de 2013 sendo sucessora da empresa ACCOUNTING SERVIÇOS CONTÁBEIS LTDA a qual já estava no campo contábil desde 1992, ou seja, 20 anos de trabalhos prestados à comunidade pontagrossense e região.

 Tem hoje como contador e fundador o Sr. Dirney Cruz de Souza, que desde 1991 já assinava como responsável pela empresa GRAFICA PLANETA LTDA, passando em 1992 a ser o contador responsável da empresa contábil ACCOUNTING, sempre procurando prestar um serviço ético e profissional. Está no mercado de trabalho há 22 anos. Bacharel em Ciências Contábeis, graduado pela UEPG em Junho de 1993, pós-graduado em MBA em Gerência Contábil Perícia, Auditoria e Controladoria em 2010 pela FACINTER, procura sempre atualizar-se por meio de cursos e palestras, a fim de assegurar a qualidade e transparência na prestação de serviços.

O quadro de colaboradores é composto por 2 (dois) funcionários profissionais da área contábil e 1 (um) contador. Para que os mesmos possam aliar a prática à teoria e assim dinamizar a prestação de serviços, procuram sempre se aperfeiçoar ao máximo em cada setor em que estiverem atuando.

O escritório é totalmente informatizado e com capacidade para atender pequenas e grandes empresas. O sistema utilizado garante total segurança, alto índice de conectividade e produtividade com filosofia de assegurar confiabilidade e atendimento personalizado ao cliente.

Com um quadro de 20 (vinte) clientes atualmente com empresas ativas e 12 (doze) inativas os serviços prestados pelo escritório Contábil Renovo são:

ü  Assessoria contábil, trabalhista e societária;

ü  Atendimento a empresa comerciais, industriais, prestadores de serviços (inclusive na construção civil), entidades sem fins lucrativos, isentas, imunes e organizações não governamentais;

ü  Aberturas, alterações, assessoria contábil e encerramento de empresas;

ü  Assessoria tributária, fornecendo orientação segura sobre a melhor forma de tributação para as empresas (Lucro Real, Lucro presumido ou simples nacional) ;

ü  Apresentação regular de relatórios oficiais e gerenciais do setor pessoal, fiscal e contábil, podendo os mesmos serem enviados de forma eletrônica (e-mail) e segura (leitura em PDF);

ü  Recálculo de impostos em qualquer dos segmentos da legislação, certidões negativas nas áreas federal, estadual, municipal, dentre outros;

ü  Atendendo rapidamente a qualquer fiscalização que vier sofrer a empresa e as necessidades que estão sujeitas.

ü  Prestação de Serviços para pessoas físicas, como Imposto de renda pessoa física (IRPF) e contratos de aluguel, compra e venda, dentre outras.

6.2 EXPOSIÇÃO DAS CONTAS

Neste estudo de caso serão apresentados o Balanço Patrimonial e a Demonstração do Resultado do Exercício (D.R.E) do Escritório Contábil Renovo. Os dados apresentados foram coletados com o sócio fundador, com total consciência dos objetivos, sendo encaminhados por ele através de e-mail.

A seguir serão apresentadas as demonstrações contábeis referentes ao exercício 2014, disponibilizadas pela empresa, e que servirão de base para o estudo de caso.

 

QUADRO 1: Balanço Patrimonial

 

 

Escritório Renovo

 

 

 

Balanço Patrimonial

 

 

 

31/12/2014

 

 

 

 

 

 

   

2014

Ativos

   

87.071,92

Ativo circulante:

 

79.985,87

Disponibilidade

 

        58.518,13

Caixa

   

        54.504,50

Bancos com movimento

          4.013,63

Direitos realizáveis a curto prazo

        21.467,74

 

 

 

 

 

   

 

Ativos não circulante:

          7.086,05

Imobilizado

 

          7.188,57

Bens e Direitos em uso

          8.503,25

(-) Depreciação Acumulada

         (1.314,68)

 

 

 

 

 

   

 

Ativo intangível

 

            (102,52)

Amortização acumulada

            (102,52)

 

 

 

 

 

   

 

Passivo

   

        87.071,92

Passivo circulante:

 

        18.373,51

Fornecedores Nacionais

             762,40

Fornecedores Diversos

             762,40

Obrigações Trabalhistas

        13.113,03

Folha de Pagamento de Empregados

          3.369,12

Folha de Pagamento de Dirigentes

          3.446,00

Encargos sociais a pagar

          6.297,91

Obrigações Tributárias

          4.498,08

Imposto Retido a Recolher

             255,84

Impostos e contribuições s/Receitas

          4.242,24

 

 

 

 

 

   

 

Patrimônio líquido

 

        68.698,41

Capital

   

        65.000,00

Capital social

 

        65.000,00

Resultado

 

          3.698,41

Resultado do exercício

          3.698,41

         

FONTE: Autoria própria com base nos dados do Escritório Contábil Renovo (2014).

 

QUADRO 2: Demonstrações do Resultado do Exercício D.R.E

Receita Operacional Bruta

128.100,48

(-) Deduções das Receitas c/ vendas e serviços

(5.337,52)

(-) Devolução de vendas

-

(-) Impostos e Contribuições incidentes sobre a venda

(5.337,52)

(-) Descontos

-

(-) Abatimentos

-

(=) Receita Operacional Líquida

122.762,48

(-) Custos produtos vendidos

-

(-) Custo das Mercadorias Vendidas

-

(-) Custo dos Serviços Prestados

-

(=) Lucro Operacional Bruto

122.762,48

(-) Despesas

(124.402,07)

(-) Despesas Operacionais

(123.317,77)

(-) Despesas Trabalhistas

(78.160,10)

(-) Despesas com encargos sociais

(2.619,39)

(-) Despesas Gerais

42.538,28

(+/-) Variações Cambiais

-

(+/-) Outras receitas ou (despesas)

-

(=) Lucro Líquido Antes do I.R. e da CSLL

3.698,41

(-) Provisão para I.R. e da CSLL

-

(=) Lucro Líquido pós-provisão e antes das Participações

3.698,41

(-) Participações de Debêntures

 

(-) Participações de Empregados,

 

(-) Participações de Administradores

 

(-) Participações de Partes Beneficiárias

 

(-) Fundo de Assistência e Previdência de Empregados

 

(=) Lucro Líquido do Exercício

3.698,41

FONTE: Autoria própria com base nos dados do Escritório Contábil Renovo (2014).

 

As distribuições dos grupos e suas contas estão devidamente apresentadas como determina a legislação. As informações contidas no Balanço e D.R.E são de extrema importância e necessidade para a elaboração do presente estudo de caso.

6.3 APONTAMENTOS INICIAIS

Sabendo-se que o presente estudo de caso analisará os índices de Lucratividade e Rentabilidade do Escritório Contábil Renovo, percebe-se que a empresa possui caráter primário em relação aos dados, ou seja, as informações foram fornecidas diretamente pelo sócio proprietário e que o mesmo é o contador responsável pela empresa.

Os índices analisados são referentes ao ano de 2014, com a finalidade de demonstrar se é viável manter um escritório de contabilidade, avaliando-se com negócio, diante do cenário de crise atual.

           Em uma primeira análise, verifica-se que apresentou um lucro de R$ 3.698,41 no referido exercício. Trata-se apenas de uma informação primária, que após avaliações poderá servir para outros cálculos relevantes, como por exemplo, a avaliação do retorno sobre seus investimentos.   

Nós próximos tópicos serão abordados detalhadamente os índices de Rentabilidade e Lucratividade, expondo a real situação da empresa conforme análise do Balanço Patrimonial e da Demonstração do Resultado do Exercício.



6.4 ÍNDICES DE LUCRATIVIDADE

Esse índice demonstra se a empresa está gerando lucro, ou seja, se as vendas ou serviços prestados estão sendo suficientes para cobrir os custos e despesas e ainda gerar lucro. A lucratividade é medida através do Lucro Líquido dividido pela Receita Bruta, que é esperado um percentual de 5% a 10% anual. Aplicando-se os valores encontrados nas demonstrações contábeis reais do Escritório Contábil Renovo, temos o seguinte:

 

Lucratividade = Lucro Líquido X 100 = R$     3.698,41     X 100 = 2,89%

                            Receita Bruta               R$ 128.100,48


Por meio disso, percebe-se que no exercício 2014, a empresa obteve R$ 2,89 para cada R$ 100,00 de serviço prestado.

Desta forma, é possível entender que a empresa, no exercício de 2014, gerou um pequeno lucro, porém, deve-se atentar para que não o diminua mais nos próximos anos, para não comprometer o bom andamento da empresa.

 

6.5 ÍNDICES DE RENTABILIDADE

6.5.1 Rentabilidade do Patrimônio Líquido (ROE) 

O ROE, rentabilidade sobre o Patrimônio líquido demonstra o quanto de lucro está sendo gerado pela empresa após o investimento dos sócios e acionistas.

O percentual esperado pelas empresas de micro e pequeno porte é de 10% a 15% de retorno anual. Para calcular esse percentual divide-se o Lucro Líquido pelo Patrimônio Líquido. Ao se aplicar os respectivos valores das demonstrações na fórmula temos o seguinte resultado:

ROE = Lucro Líquido           X 100 = R$ 3.698,41    X 100 = 5,38%

            Patrimônio Líquido                R$ 68.698,41


 Percebe-se que o percentual de retorno sobre o Patrimônio Líquido no ano de 2014 foi de 5,38%, ou seja, para cada R$ 100,00 de capital próprio investido obteve R$ 5,38.

6.5.2 Rentabilidade sobre ativo (ROA)

Considerado um dos mais importantes índices, o ROA mede o retorno total sobre o ativo, depois dos impostos e juros. Tem por objetivo demonstrar a lucratividade do investimento total.

Para saber o quanto a empresa obteve de retorno sobre o investimento no ativo, basta dividir o Lucro Líquido obtido pela Receita Bruta como demonstrado a seguir:

ROA = Lucro Líquido X 100 = R$ 3.698,41   X 100 = 2,89%

                        Ativo                      R$ 128.100,48


Sabe-se que quanto maior o índice de Rentabilidade para a empresa melhor. No caso da empresa Renovo seu percentual foi baixo de 2,89% sobre o investimento, ou seja, para R$ 100,00 de investimento total ela obteve R$ 2,89.

6.5.3 Giro do ativo

O Giro do ativo é a capacidade que a empresa utilizou dos seus ativos para gerar vendas ou prestar serviços, ou seja, o quanto a empresa produziu somente com o ativo.

Para calcular o giro que a empresa possui em um determinado período, divide-se a Venda Líquida pelo Ativo Total. Sabendo-se que uma empresa prestadora de serviço tende dificuldade para calcular seu giro do ativo, por não possuir estoque seu índice após análise é encontrado da seguinte maneira:

 

            GIRO DO ATIVO = Venda líquida = R$ 128.100,48 = 1,47

                                               Ativo Total        R$ 87.071,92


 Esse índice corresponde à eficiência em relação ao uso do ativo, que no caso da empresa em questão obteve o índice 1,47.

6.5.4 Margem líquida

A margem líquida irá medir cada real de venda que resultou em lucro. Corresponde à sobra que é dividida entre os sócios e acionistas. Para Calcular a Margem líquida do presente estudo de caso é dividido o Lucro Líquido pelas Vendas Líquidas que possui os valores extraídos do Balanço Patrimonial e D.R.E como nas análises acimas que será calculado pela fórmula a seguir:

 

            MARGEM LÍQUIDA = Lucro líquido      X 100 = R$ 3.698,41    X 100 = 2,89%

                                      Vendas Líquidas             R$ 128.100,48


O Percentual encontrado da empresa é de 2,89% no ano de 2014, isso significa que a empresa obteve R$ 2,89 para cada R$ 100,00 vendidos.

6.5.5 Margem operacionaL

Medindo a eficiência sobre as vendas ou dos serviços prestados, a Margem Operacional é o resultado das operações realizadas pelas empresas através dos seus investimentos que foram realizados nos ativos.

O percentual é dado mediante a fórmula que divide o Lucro Operacional pelas Vendas num determinado período. Aplicando-se os valores encontrados nas demonstrações contábeis, temos o seguinte:

     MARGEM OPERACIONAL = Lucro operacional  X 100 = R$ 3.698,41    X 100 = 3,01 %

                                                      Vendas                                 R$ 122.762,48


Mediante cálculo referente à margem operacional da empresa percebe-se que a mesma obteve 3,01% de lucro anual sobre seus serviços prestados.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Com base nas informações prestadas na pesquisa, e após a análise dos índices, foi possível observar que o escritório contábil Renovo, após passar por um processo de cisão e não estar em um período estável ou pelo fato de não registrar suas informações adequadamente, obteve seus índices de Lucratividade e Rentabilidade positivos, que foram possíveis entender de forma clara e concisa durante a pesquisa.

Ao analisar a Lucratividade da empresa, pode-se entender que foi relativamente bom, pelo fato de seu percentual ser positivo, pois a Lucratividade obtida pela empresa no período analisado foi menor do que é esperado pelas empresas do mesmo porte. Sugere-se ao empresário comparar os preços praticados no mercado e analisar seus custos e despesas para tentar reduzir os mesmos a fim de aumentar o valor do lucro por serviço prestado, para não entrar em insolvência.

 Sobre os índices de Rentabilidade calculados foi possível perceber que os retornos sobre os investimentos, também não foram percentuais consideravelmente altos, porém trouxeram algum retorno para seu proprietário. No retorno sobre o Patrimônio líquido foi á metade do esperado, sendo que a empresa não possui reservas de capital.

Com relação à Rentabilidade do Ativo, sabe-se que o cálculo para uma empresa prestadora de serviço fica relativamente prejudicado pela inexistência de estoques.

            Importante salientar que para qualquer cálculo de índices, as demonstrações contábeis devem expressar a realidade da situação da empresa, ou seja, que todos os serviços prestados sejam suportados por documentos fiscais e desta forma sejam registrados pelas empresas, em especial pelos escritórios de contabilidade.

            Por fim, a pesquisadora conclui a partir do estudo, que é viável manter um escritório de contabilidade aberto e que a prestação de serviços contábeis, é uma boa opção para o profissional formado como Bacharel em Ciências Contábeis, desde que tenha os devidos cuidados que todo tipo de negócio requer, sejam eles relacionados à pesquisa de mercado, excelência de serviços e avaliações constantes sobre sua situação econômica e financeira. 

 

REFERÊNCIAS

 

ASSAF NETO, Alexandre. Estrutura e análise de balanço: um enfoque econômico-financeiro. 7.ed. São Paulo: Atlas, 2002. 320p.

CURY. A; CAOLI. C. Vendas no comércio em 2015 têm maior queda da história, diz IBGE. G1. Globo Disponível em : < http://g1.globo.com/economia/noticia/2016/02/vendas-no-comercio-fecham-2015-com-queda-de-43-diz-ibge.html> Acesso em : 05 out 2016.

IUDICIBUS, Sérgio de. Análise de balanço: 6.ed. São Paulo: Atlas, 1994. 225 p.

IUDICIBUS, Sérgio de. Contabilidade Gerencial: 6.ed. São Paulo: Atlas, 1998. 332 p.

IESDE BRASIL S.A., Métodos e procedimentos de análise. Disponível em:. Acesso em: 01 out 2016.

MARION, José Carlos. Análise das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial. 3.ed. São Paulo: atlas, 2005. 306p.

NEVES, Silveiro das. Contabilidade avançada: e analise das demonstrações financeiras. 14.ed. São Paulo: Frase, 2005. 710 p.

OLINQUEVITCH, José Leonidas. SANTI FILHO, Armando de. Análise de balanço para controle gerencial: demonstrativos contábeis exclusivos. 4.ed.São Paulo: Atlas,2004.396 p.

PADOVEZE, Clovis Luis. Contabilidade Gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1997. 414 p.

REIS, Arnaldo. Análise de balanços: São Paulo: Saraiva, 1993. 260 p.

SAVYTZKY, Taras. Análise de Balanços: 2.ed. Curitiba: Sigma, 1987. 322 p.

SEBRAE. Pequenos Negócios em Números. Disponível em:. Acesso em: 24 mar. 2016.

SILVA, Alexandre Alcântara da. Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis. 2.ed. São Paulo: Atlas 2010.

UNIPAC, Aulas. Disponível em: Acesso em: 24 mar. 2016.

YIN, R. Estudo de Caso. Planejamento e Métodos. Porto Alegre: Bookman. 2005.

 

 

 

 

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Certificado Digital certificados digitais com preços promocionais para contadores

desconto de 15% em certificados digitais e pague no boleto ou parcele sem juros no cartão.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.42 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César