Contábeis o portal da profissão contábil

17
Dec 2017
04:18

Contábil

O fim do sigilo bancário no Uruguai e a repatriação de recursos no Brasil

O presente artigo trata da recente lei aprovada no Uruguai que flexibiliza o sigilo bancário de residentes e não residentes com contas no país. Influenciada nos padrões de transparência fiscal da OCDE, tal lei vem ao encontro do RERCT brasileiro.

09/01/2017 16:26

1.189 acessos

Em recente votação do congresso uruguaio, ocorrida nos últimos dias de 2016, foi aprovada a Lei de Transparência Fiscal Internacional, de Prevenção à Lavagem de Dinheiro e de Financiamento do Terrorismo, que flexibilizará o sigilo bancário de residentes e não residentes que possuam contas bancária no país.

Essa nova legislação, influenciada pelos padrões da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), vem ao encontro do compromisso assumido pelo governo uruguaio perante referida organização no Fórum Global para Transparência e Troca de Informações Tributárias. Diversos países, dentre eles o Brasil e o próprio Uruguai, comprometeram-se a assumir os padrões de intercâmbio automático de informações financeiras voltadas ao combate de infrações tributárias, dentre outras ilegalidades.

Por meio da lei uruguaia recentemente aprovada, ficou definido que as entidades bancárias deverão informar automaticamente a Dirección General Impositiva (DGI), o fisco daquele país, acerca das contas bancárias existentes em nome de residentes. Da mesma forma, as informações relativas a não residentes, pessoas jurídicas e físicas, serão automaticamente repassadas aos fiscos dos seus respectivos países, ou então mediante simples requerimento daqueles. Tudo isso sem necessidade de qualquer ordem judicial.

Ainda que muitos políticos e juristas enxerguem essas medidas como um grave atentado à privacidade e ao direito ao sigilo bancário, essa discussão já estava perdida quando o projeto de lei foi submetido para a apreciação do Senado uruguaio. O que ainda se mostrava incerto, antes dessa votação, eram os critérios que seriam estipulados para definir que contas estariam abarcadas por esse repasse automático de informações sigilosas.

Assim, a regulamentação final aprovada definiu que, para os residentes no Uruguai, todas as contas bancárias com valores acima de USD 50.000 serão automaticamente informadas ao fisco local. Com relação aos não residentes, foi determinado que, em 2017, somente as contas com depósitos acima de USD 250.000, em nome de pessoas jurídicas, e acima de USD 1.000.000, em nome de pessoas físicas, terão suas informações disponibilizadas neste sistema. No entanto, a partir de 2018, todas contas em nome de não residentes farão parte desse intercâmbio automático de informações.

Em paralelo a isso (e aproveitando esse momento), no Brasil, o governo formula uma nova medida para a regularização de recursos existentes no exterior e não declarados à Receita Federal. Na primeira edição do Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária (RERCT), trazido pela Lei 13.254/16, muitas foram as incertezas que, até o presente momento, não nos permitem conhecer a verdadeira extensão dos resultados de sua adoção. A única certeza que possuímos é a de que cada vez mais o cerco se fecha para os contribuintes vistos como irregulares pelos fiscos brasileiro e de outras nações  – vide o que está ocorrendo no Uruguai.

Seja o intercâmbio automático de informações bancárias um grave atentado ao direito de privacidade do cidadão, seja ele uma medida acertada para combater as infrações fiscais e outras ilegalidades, o que importa ao contribuinte sujeito a tal regime é entender quais são seus direitos nesse mar de incertezas.

Diferente do governo (da maioria dos países), que pode errar e corrigir suas falhas sem maiores conseqüências aos administradores públicos, o contribuinte não desfruta dessa margem de erro. Por isso, tentamos agir sempre pautados pela maior segurança jurídica possível, garantia esta que, infelizmente, parece cada vez mais escassa em nosso sistema.

Escrito por

André de Oliveira Schenini Moreira

Advogado, Mestre em Direito, sócio do escritório FMA - Feoli e Moreira Advogados. Atua nos âmbitos consultivo, contratual, administrativo e judicial em temas de direito empresarial e em mecanismos públicos de fomento à inovação, cultura e áreas da economia criativa.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.05 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César