Contábeis o portal da profissão contábil

23
Jul 2017
11:58
você está em:

Conteúdo » Artigos

Exportação Ficta - Uma alternativa para enfrentar a concorrência internacional.

Exportação Ficta é a operação de venda de produtos nacionais a empresas sediadas no exterior, sem que ocorra sua saída do território brasileiro, contra pagamento em moeda estrangeira, produzindo todos os efeitos fiscais e cambiais de uma exportação.

postado 13/01/2017 13:59:20 - 1.322 acessos

Diante da acirrada concorrência, inclusive a internacional, faz-se necessário a busca constante de alternativas que permitam a redução de custos, melhoria na logística, visando maior competitividade.

No comércio internacional uma das modalidades que pode se utilizada é a operação denominada Exportação Ficta, que compreende a venda de produtos nacionais a empresas sediadas no exterior sem que o produto saia do território brasileiro, desde que seja pago em moeda estangeira de livre conversibilidade, com a vantagem de produzir todos os efeitos fiscais e cambias de uma exportação.

Não se pretende, aqui, esgotar o assunto, apenas apresentar um breve comentário e um fluxo resumido com o propósito de provocar interesse sobre o tema abordado.

A exportação na modalidade Exportação Ficta, permite a utilização do Regime Especial Drawback, seja normal ou integrado, este último permitindo a aquisição de matérias-primas e/ou insumos, no mercado interno, com a suspensão dos tributos federais.

A Exportação Ficta está regulamentada pelos seguintes dispositivos legais:

Instrução Normativa RFB nº 369, de 28/11/03; Artigo 6º da Lei 9.826, de 28/08/1999; Artigo 61 da Lei 10.833, 29/12/2003; e Artigo 233 do Decreto 4.543, de 26/12/2002 (Regulamento Aduaneiro).

Quanto ao ICMS, por não haver saída efetiva do Brasil, não há qualquer benefício, incindindo o imposto normalmente, tanto nas aquisições dos insumos, seja do mercado nacional ou do mercado externo, quanto na remessa do produto ao local onde se efetivará o desembaraço denominado Terminal Alfandegado.

A nota fiscal de remessa que ampara esta operação será emitida em nome da empresa que estará recebendo a mercadoria no Terminal Alfandegado no Brasil, com a observação de que se trata de mercadoria vendida a empresa sediada no exterior, com sua respectiva identificação. O fato de o produto comercializado com o exterior permanecer em território nacional não dispensa o Fornecedor de emitir o RE(Registro de Exportação.

Quanto ao ICMS, por não haver saída efetiva do Brasil, não há qualquer benefício, incindindo o imposto normalmente, tanto nas aquisições dos insumos, seja do mercado nacional ou do mercado externo, quanto na remessa do produto ao local onde se efetivará o desembaraço denominado Terminal Alfandegado.

A nota fiscal de remessa que ampara essa esta operação será emitida em nome da empresa que estará recebendo a mercadoria no Terminal Alfandegado, no Brasil, com a observação de que se trata de mercadoria vendida a empresa sediada no exterior, com sua respectiva identificação. O fato de o produto comercializado com o exterior permanecer em território nacional não dispensa o Fornecedor de emitir o RE(Registro de Exportação).

Fluxo:

 

Legenda:

  1. O Fornecedor emite uma Nota Fiscal de exportação, em nome do Cliente situado no Exterior, sendo que esta nota fiscal não acompanhará o material, a qual servirá apenas para fundamentar a operação de exportação, discriminando nesta nota que o produto será entregue no Terminal Alfandegado, indicando, ainda, todos os dados do Terminal.
  2. O Fornecedor emite outra Nota Fiscal de Remessa, tendo como destinatário o Terminal Alfandegado, para acompanhar o material até o referido Terminal, observando que a operação  estará sujeita ao ICMS em virtude de o produto não sair do território brasileiro. Mencionar nesta nota fiscal que a remessa é decorrente da nota fiscal do item anterior, indicando todos os dados que permitam a perfeita indicação do adquirente no Exterior. Após a entrada do produto no Terminal Alfandegado, através de um despachante qualificado deverão ser executados todos os trâmites da exportação.
  3. O Destinatário Final, localizado no território brasileiro, promove o desembaraço aduaneiro (Importação), recolhe os impostos devidos na operação e emite a nota fiscal de entrada que servirá para acompanhar o produto do Terminal Alfandegado até seu o estabelecimento.

Para conclusão do processo de exportação deverá ser providenciado a DDE (Declaração de Despacho de Exportação) devidamente averbada pela Receita Federal do Brasil.

Josué Alves da Silva – Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade de Mogi das Cruzes; Extensão Universitária – Direito Tributário – pela Escola Paulista de Direito; Professor de Contabilidade Bancária, Contabilidade Geral; Introdução à Economia; Introdução à Legislação Tributária – IPI, ICMS, ISS, PIS/PASEP e COFINS.

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.27 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César