Contábeis o portal da profissão contábil

20
Aug 2017
18:10
você está em:

Conteúdo » Artigos

Distribuição de lucros e a contabilidade - Lucro Presumido.

Ontem (20/03/2017) foi escrito por Alexandre D. Pereira e Ricardo H. Akamine no Jornal Valor web, uma matéria sobre a distribuição de lucros com base no acórdão 2202-003.018 do CARF e norma jurídica em paralelo com a norma contábil.

postado 21/03/2017 09:20:42 - 3.370 acessos

Ontem (20/03/2017) foi escrito por Alexandre D. Pereira e Ricardo H. Akamine no Jornal Valor web, uma matéria sobre a distribuição de lucros com base no acórdão 2202-003.018 do CARF e norma jurídica em paralelo com a norma contábil. Em meu ponto de vista essa matéria é de grande relevância e rica em detalhes, ela foi compartilhada em nossas redes sociais. Com visão contábil, destaco meu ponto de vista, vejamos:
 
O acórdão do CARF 2202-003.018 que trata sobre distribuição de lucros de empresas tributada com base no lucro presumido, apuração das receitas pelo regime de caixa e contabilidade pelo regime de competência. Vale destacar que o recorrente que gerou o acórdão é uma pessoa física que recebeu lucros "isentos" de uma pessoa jurídica com atividade imobiliária que deveria reconhecer suas receitais (fiscais) com base na IN SRF n° 104 de 1998.
 
O valor distribuído à época foi de aproximadamente R$ 1.400.000,00 (um milhão e quatrocentos mil reais), acima do lucro presumido,  que gerou a penalidade pecuniária de aproximadamente R$ 720.000,00 (setecentos e vinte mil reais). Entende-se como lucro presumido o valor da base de cálculo do imposto, diminuída de todos os impostos e contribuições a que se estiver sujeita a pessoa jurídica.
 
Uma das fundamentações utilizadas pelo CARF à época foi o artigo 48 da IN SRF n° 93 de 1997, posteriormente revogada pela IN  RFB 1.515 de 2014 que também foi revogada pela IN RFB n° 1.700 de 2017 que está vigente até a presente data. Entendo que não há prejuízo em destacar o que diz a norma em vigor,  o art. 238 da IN RFB n° 1.700 de 2017: 
 
"Art. 238. Não estão sujeitos ao imposto sobre a renda os lucros e dividendos pagos ou creditados a sócios, acionistas ou titular de empresa individual, observado o disposto no Capítulo III da Instrução Normativa RFB nº 1.397, de 16 de setembro de 2013.
 
§ 1º O disposto neste artigo abrange inclusive os lucros e dividendos atribuídos a sócios ou acionistas residentes ou domiciliados no exterior.
 
§ 2º No caso de pessoa jurídica tributada com base no lucro presumido ou arbitrado, poderão ser pagos ou creditados sem incidência do IRRF:
 
I - o valor da base de cálculo do imposto, diminuído do IRPJ, da CSLL, da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins a que estiver sujeita a pessoa jurídica;
 
II - a parcela de lucros ou dividendos excedentes ao valor determinado no inciso I, desde que a empresa demonstre, com base em escrituração contábil feita com observância da lei comercial, que o lucro efetivo é maior que o determinado segundo as normas para apuração da base de cálculo do imposto pela qual houver optado. {...}"
 
 
Aplicando o entendimento do CARF no inciso II supra citado, só é permitido distribuir o lucro excedente do inciso I nos casos em que a contabilidade comercial (efeitos jurídicos ou tributário)  demonstre lucro superior ao da base do imposto diminuída dos tributos, além disse considerando a opção pelo reconhecimento da receita, regime de caixa ou competência. Em resumo seria o seguinte: se a empresa tributada com base no lucro presumido adotou-se o regime de caixa, a receita da atividade passível de reconhecimento contábil comercial é o valor efetivamente recebido. Neste caso deveria ser contabilizado a receita recebida, os tributos e demais demais despesas, custos e receita, o resultado final que é passível de distribuição segundo o CARF.
 
Para sanar essa questão, infelizmente a contabilidade deverá ter 2 (dois) controles, o societário com base nas normas do Conselho Federal e o Fiscal com base nas normas fiscais. Apenas o fiscal poderá ser distribuído, jamais o societário. 
 
Essa questão é algo que causa bastante dúvida aos contadores quando do levantamento dos lucros a serem distribuídos, cabe a cada contador seguir o principio da prudência e orientar seu cliente (empresário) a seguir o que entender correto.
 
Grande abraço!
Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

WebContábeis Conteúdo contábil atualizado e de qualidade em seu site.

Desconto de 10% na mensalidade dos planos básicos de conteúdo.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.07 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César