Contábeis o portal da profissão contábil

23
Aug 2017
14:32
você está em:

Conteúdo » Artigos

Definição de circulação para o ICMS na transferência de mercadorias.

Como já sabemos, o ICMS é a sigla que compõem o imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias, porém, a transferência de mercadorias, de fato há ou não uma circulação?

postado 19/06/2017 17:11:33 - 1.369 acessos

Primeiramente, vamos resumir que o ICMS é o tributo que incide sobre a realização de operações relativas à circulação de mercadorias.

O conceito de circulação, entretanto, é confundido por muitos, pelo aspecto físico do mesmo, porém, não é exatamente assim que deve ser analisado, pois existe duas visões, a esfera jurídica e a esfera administrativa (fisco) .

Pela analise jurídica do ICMS, a circulação deve ser jurídica, isto é, deve haver a transferência de titularidade da mercadoria, o que implica dizer que transferências de mercadorias de um estabelecimento para outro não configuram fato gerador do ICMS, desde que estes estabelecimentos sejam da mesma empresa.

Pela esfera administrativa (Fisco Estadual), a circulação é meramente física, de modo que as meras transferências de mercadorias entre estabelecimentos da mesma empresa são consideradas como atividades tributadas pelo ICMS.

A aplicabilidade de uma teoria ou outra foi pacificada pelo Superior Tribunal de Justiça que, ao julgar o REsp 1.125.133-SP em sede de recurso repetitivo, corroborou entendimento que já havia firmado pela edição da Súmula 166 decidindo pelo critério jurídico que: “o deslocamento de bens ou mercadorias entre estabelecimentos de uma mesma empresa, por si, não se subsume à hipótese de incidência do ICMS”

Sendo assim, temos duas situações:

1º: dia-a-dia: No cotidiano do contribuinte, as transferências são tributadas normalmente, exceto dispensas previstas em lei estadual.

2º: Processo jurídico: o contribuinte enfrente judicialmente a tese da não incidência do ICMS e, eventualmente, saia-se vitorioso da discussão, não haverá incidência do ICMS.

As vantagens ou desvantagens de entrar com este processo depende de caso-a-caso e estudos tributários, pois muitas vezes não compensa.

Não compensa muitas vezes, pois a matriz/filial que recebeu esta mercadoria através de processo judicial recebeu sem débito de ICMS, logo, não poderá se creditar e sua saída será tributada, sem dedução dos créditos.

Essa opção do processo jurídico para deixar de incidir o ICMS nas transferências, é valida, por exemplo, para empresas em outros Estados que tenham créditos acumulados.

Raphael Barbosa

Consultor Tributário com foco no ICMS/ISS

Tributarista pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César