Contábeis o portal da profissão contábil

25
Apr 2018
02:01

Tributário

A indevida inclusão da TUSD e da TUST na base de cálculo do ICMS pago nas contas de energia elétrica e o direito a restituição dos valores i

Os Estados têm cobrando ICMS indevido nas faturas de energia elétrica consumida.

17/01/2018 08:28

1.468 acessos

Como a sigla já diz o ICMS é o tributo incidente sobre imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços de transporte interestadual, intermunicipal e de comunicação, desta forma o fornecimento de energia elétrica é operação é sujeita à sua incidência.

A Súmula n° 391 do Supremo Tribunal de Justiça – STJ determina: “O ICMS incide sobre o valor da tarifa de energia elétrica correspondente à demanda de potência efetivamente utilizada”.

Portanto, apenas é base para o ICMS a energia elétrica efetivamente utilizada.

Ocorre que, os Estados querendo aumentar sua arrecadação vem incluído na base de cálculo da comercialização da energia elétrica as Tarifas de Uso do Sistema de Transmissão – TUST e do Uso do Sistema de Distribuição – TUSD.

Tais tarifas são recursos que cabem a União Federal e foram instituídas para remunerar o uso da rede básica do sistema de transmissão e da rede de distribuição de energia elétrica.

Esclareça-se que o sistema de transmissão são as linhas de transmissão, enquanto a distribuição é composta por postes, cruzetas, isoladores, fios, transformadores e demais equipamentos.

Portanto em nada se confundem com a energia elétrica efetivamente utilizada.

E mais, essas tarifas são, em qualquer caso, suportadas por aqueles que utilizam a rede de transmissão, seja a geradora da energia elétrica, o consumidor livre diretamente conectado à rede básica, ou mesmo os consumidores cativos, que pagam as tarifas em suas contas.

Destarte, com base em todas essas considerações, o ICMS cobrado sobre tais tarifas é indevido e sua cobrança vem sendo afastada de modo geral pelo Judiciário.

Atualmente o Superior Tribunal de Justiça-STJ e os tribunais estaduais (inclusive o do Estado de Pernambuco) já firmaram seu posicionamento em relação a irregularidade da cobrança, beneficiando a princípio os consumidores cativos.

Ou seja, no caso do Estado de Pernambuco todos os clientes da Companhia Energética de Pernambuco – CELPE, sejam eles pessoa jurídica ou física tem direito a restituição dos valores indevidamente pagos nos últimos 5 (cinco) anos a partir da distribuição da ação e a exclusão da cobrança indevida das contas futuras reduzindo o valor a pagar.

Ressalte-se que tal cobrança faz com que a conta de energia aumente ao que corresponde de 7% a 20%, dependendo do caso.

Os profissionais do nosso escritório estão à disposição para análise casuística do cabimento da ação.

Escrito por

Erivania Fernandes de Souza

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César