Contábeis o portal da profissão contábil

23
Jun 2018
08:53

Tecnologia

IRPF x Redes Sociais: qual a relação?

Você sabia que o Fisco está de olho nas mídias sociais?

16/03/2018 11:53

3.164 acessos

IRPF Imposto de Renda

Você sabia que a Receita Federal está utilizando cada vez mais as redes sociais para auxiliar suas fiscalizações envolvendo o Imposto de Renda da Pessoa Física? Pois é!

Desde o início de 2016, diversas operações que utilizam informações coletadas nas mídias sociais estão ajudando o Fisco a checar o real patrimônio dos contribuintes e a identificar operações fraudulentas.

Desde 2017, a Receita passou a utilizar mecanismos de inteligência artificial para analisar os dados informados pelos contribuintes. Tal ferramenta está permitindo ao Fisco coletar, de forma automatizada e com mais agilidade, um volume maior de informações, as quais dão suporte e complementam as pesquisas realizadas pelos auditores especializados nesse tipo de trabalho (centenas de auditores receberam treinamentos para trabalhar com as redes sociais). A cada nova temporada de IRPF, tais mecanismos são otimizados e se tornam mais eficientes.

Diversas operações envolvendo "laranjas" - alocação de bens em nome de empregados domésticos, amigos ou parentes próximos, por exemplo - estão sendo desmanteladas por meio da identificação de vínculos de amizades, fotos, curtidas e comentários em redes sociais.

A partir dessas análises, surgiu a figura do "Contribuinte Ostentação". Também estão na mira do Fisco desde 2016 os contribuintes que "ostentam" nas redes sociais, mas não declaram renda compatível com tal estilo de vida.

A inclusão de dependentes fictícios (é isso mesmo, você não leu errado, existem contribuintes que "geram" filhos na tentativa de ludibriar o Fisco para pagar menos impostos) também é alvo da Receita, que vem diminuindo anualmente a idade mínima da obrigatoriedade da informação do número do CPF para os dependentes (8 anos em 2018). A expectativa é de que o Fisco obrigue a informação do CPF para todos os dependentes já a partir de 2019.

Outra possibilidade de investigação via redes sociais, se dá nos casos em que o contribuinte está devendo para o Fisco, que analisa com auxílio dos perfis do usuário se o mesmo possui bens que eventualmente possam ser alvos de penhora para quitação das dívida.

Desde 2016, centenas de milhões de reais foram recuperados somente devido a utilização dessa nova técnica envolvendo análises das redes sociais dos contribuintes.

Escrito por

Rodrigo Ferreira

Gerente de Atendimento e Marketing da Artdata Contábil, assessoria contábil, fiscal, societária, trabalhista e previdenciária com 30 anos de expertise em Contabilidade, junto ao compromisso que não mede esforços para o sucesso da sua empresa. Unidades em Mogi Mirim/SP e São Paulo/SP. Atendemos clientes localizados em mais de 60 cidades, 11 estados e 17 países diferentes. Conte com a gente e fique tranquilo. Acesse: www.efiquetranquilo.com.br

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César