CONBCON 2018

PRORROGADO Assista agora à 62 palestras do Congresso Online Brasileiro de Contabilidade.

Contábeis o portal da profissão contábil

19
Aug 2018
12:49

Societário

Empresário Individual, Elemento de Empresa e Tributação: Uma breve abordagem.

No decorrer deste artigo farei uma relação entre a possibilidade de algumas profissões atuarem como Empresário Individual, a forma de tributação e a relação com o elemento de empresa.

12/04/2018 11:21

7.392 acessos

elemento de empresa empresario individual

Decidi escrever esse artigo, pois é comum encontrar prestadores de serviços que exercem profissões intelectuais, de natureza científica, tais como: médicos, psicólogos, fisioterapeutas, engenheiros, dentre outros que se assemelhem, que têm interesse em abrir uma empresa como Empresário Individual. E logo surgem as questões: É possível? Seria viável? No decorrer deste artigo irei abordar alguns aspectos que ajudarão a responder essas perguntas e explanar alguns pontos fundamentais para compreensão da relação entre o Empresário Individual, o Elemento de Empresa e a Tributação envolvida.

Primeiramente, esclareço que sempre que eu utilizar o termo “Empresário Individual”, me refiro a antiga firma individual, que não deve ser confundida com a Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – EIRELI. Tratarei das principais diferenças entre as duas modalidades ao final desta breve explanação.

Para compreendermos os aspectos que serão abordados, é fundamental fazer vistas ao artigo 966 e seu parágrafo único, bem como para o artigo 982 do Código Civil (Lei 10.406/02):

“Art. 966. Considera-se empresário quem exerce profissionalmente atividade econômica organizada para a produção ou a circulação de bens ou de serviços.

Parágrafo único. Não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza científica, literária ou artística, ainda com o concurso de auxiliares ou colaboradores, salvo se o exercício da profissão constituir elemento de empresa.”

“Art. 982. Salvo as exceções expressas, considera-se empresária a sociedade que tem por objeto o exercício de atividade própria de empresário sujeito a registro (art. 967); e, simples, as demais.”

Para iniciar, é preciso compreender que as empresas podem, basicamente, ser abertas em dois órgãos diferentes. Sendo um deles a Junta Comercial, que é responsável por registrar as empresas que irão explorar atividade econômica empresarial organizada nos termos dos artigos 966 e 982 do Código Civil; e o outro o Cartório, que deverá registrar as empresas consideradas de natureza simples, isto é, em que o titular ou sócios atuem de forma pessoal na empresa, exercendo profissão intelectual, de natureza, científica, literária ou artística.

Importante saber os órgãos de registro para começarmos a entender sobre o tema, uma vez que o Empresário Individual somente pode ser registrado na Junta Comercial, no Cartório não é prevista esta modalidade. Sendo assim, ao analisar o parágrafo único do próprio artigo 966, vemos com clareza que não se considera empresário quem exerce profissão intelectual, de natureza, científica, literária ou artística, e aqui temos a resposta para a primeira pergunta: É possível o médico, desempenhando pessoalmente o papel de prestador de serviços médicos, se registrar como Empresário Individual? A resposta é não, uma vez que a Junta Comercial não fará o registro, alegando que a forma de atuação não constitui o elemento de empresa.

Mas o que é o “elemento de empresa”? Tema muito debatido que vou abordar de forma breve nas linhas seguintes. Para facilitar o entendimento irei utilizar sempre o médico como exemplo. Então, já vimos que o médico, prestando serviços médicos, não é considerado empresário de acordo com a lei, mesmo que contrate auxiliares ou colaboradores, isto é, se contratar uma secretaria e/ou uma pessoa para limpeza de seu consultório, ainda assim, não se tem o elemento de empresa, logo não será considerado empresário. O elemento de empresa surge quando não houver mais a pessoalidade dos sócios ou titular para realizar a atividade fim da empresa, ou seja, quando houverem terceiros executando as atividades de prestação de serviços médicos. Seria o caso de uma clínica médica que contrata diversos médicos para trabalhar ali, caracterizando assim, atividade empresarial, que deve ser registrada na Junta Comercial.

Dando continuidade, entendemos que o médico, prestando serviços médicos, não pode atuar na forma de Empresário Individual. Sendo assim, as opções são: abrir uma Sociedade Simples ou uma EIRELI Simples no Cartório. Neste momento é preciso verificar qual tipo jurídico se encaixa melhor para os objetivos da empresa.

            Agora, retomo a segunda pergunta que levantei no início, já sabemos que não é possível o médico se formalizar como Empresário Individual, mas e se fosse, seria viável? Para responder com precisão, temos que analisar com cautela o o § 2º do artigo 150 do Decreto 3.000/99 - Regulamento do Imposto de Renda (RIR/99 – artigo na íntegra no final do texto), e ai constatamos que mesmo se fosse possível registrar o médico como Empresário Individual, não seria viável, visto que neste artigo, temos a previsão de que o Empresário Individual exercendo a atividade nas condições que estou demonstrando neste texto, deverá ser tributado nos moldes de Pessoa Física, logo, não teria nenhum benefício tributário.

Como parte complementar, irei discorrer resumidamente, sobe os tipos jurídicos apresentados, começando pelo Empresário Individual, que não é considerado Pessoa Jurídica de acordo com o Código Civil (Lei 10.406/02, art. 44), sendo assim, sua responsabilidade é ilimitada, portanto, não existe separação patrimonial entre Pessoa Física e empresa, o que significa dizer que a dívida contraída por uma se mistura com a de outra. Nessa modalidade não é previsto um valor mínimo de Capital Social para que a empresa seja aberta.  Já na Empresa Individual de Responsabilidade Limitada – EIRELI, a responsabilidade do titular é, a princípio, limitada ao valor do capital social da empresa, mas nesta modalidade a lei prevê que deverá ser devidamente integralizado o capital social de no mínimo 100 vezes o salário mínimo vigente no país. No caso das Sociedades Limitadas, a responsabilidade dos sócios também é limitada, porém a lei não prevê um valor mínimo a ser integralizado.

  Espero ter esclarecido a importância de definir corretamente a forma de atuação da empresa, compreender as diferenças entre os tipos jurídicos, analisar as possibilidades, estudar as particularidades tributárias envolvidas e estar atento a complexa legislação brasileira. Uma recomendação que sempre faço é procurar um bom escritório contábil que possa fornecer as orientações adequadas no momento da abertura de sua empresa.

 

Decreto 3.000/99

“Art. 150.  As empresas individuais, para os efeitos do imposto de renda, são equiparadas às pessoas jurídicas (Decreto-Lei nº 1.706, de 23 de outubro de 1979, art. 2º).

§ 1º  São empresas individuais:

I - as firmas individuais (Lei nº 4.506, de 1964, art. 41, § 1º, alínea "a");

II - as pessoas físicas que, em nome individual, explorem, habitual e profissionalmente, qualquer atividade econômica de natureza civil ou comercial, com o fim especulativo de lucro, mediante venda a terceiros de bens ou serviços (Lei nº 4.506, de 1964, art. 41, § 1º, alínea "b");

III - as pessoas físicas que promoverem a incorporação de prédios em condomínio ou loteamento de terrenos, nos termos da Seção II deste Capítulo (Decreto-Lei nº 1.381, de 23 de dezembro de 1974, arts. 1º e 3º, inciso III, eDecreto-Lei nº 1.510, de 27 de dezembro de 1976, art. 10, inciso I).

§ 2º  O disposto no inciso II do parágrafo anterior não se aplica às pessoas físicas que, individualmente, exerçam as profissões ou explorem as atividades de:

I - médico, engenheiro, advogado, dentista, veterinário, professor, economista, contador, jornalista, pintor, escritor, escultor e de outras que lhes possam ser assemelhadas (Decreto-Lei nº 5.844, de 1943, art. 6º, alínea "a", e Lei nº4.480, de 14 de novembro de 1964, art. 3º);

II - profissões, ocupações e prestação de serviços não comerciais (Decreto-Lei nº 5.844, de 1943, art. 6º, alínea "b");

III - agentes, representantes e outras pessoas sem vínculo empregatício que, tomando parte em atos de comércio, não os pratiquem, todavia, por conta própria (Decreto-Lei nº 5.844, de 1943, art. 6º, alínea "c");

IV - serventuários da justiça, como tabeliães, notários, oficiais públicos e outros (Decreto-Lei nº 5.844, de 1943, art. 6º, alínea "d");

V - corretores, leiloeiros e despachantes, seus prepostos e adjuntos (Decreto-Lei nº 5.844, de 1943, art. 6º, alínea "e");

VI - exploração individual de contratos de empreitada unicamente de lavor, qualquer que seja a natureza, quer se trate de trabalhos arquitetônicos, topográficos, terraplenagem, construções de alvenaria e outras congêneres, quer de serviços de utilidade pública, tanto de estudos como de construções (Decreto-Lei nº 5.844, de 1943, art. 6º, alínea "f");

VII - exploração de obras artísticas, didáticas, científicas, urbanísticas, projetos técnicos de construção, instalações ou equipamentos, salvo quando não explorados diretamente pelo autor ou criador do bem ou da obra (Decreto-Lei nº 5.844, de 1943, art. 6º, alínea "g").”

Escrito por

Fernando H. Buzaneli

Fernando Henrique Klinke Buzaneli é Contador e atua como Analista Societário e Comercial na empresa Flávio Buzaneli Serviços Contábeis. www.buzaneli.com.br

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César