PARTICIPE

O Maior Evento Online Contábil do País - Inscrições gratuitas

19 a 23 de junho de 2017

www.conbcon.com.br
x

Contábeis o portal da profissão contábil

23
May 2017
04:08
você está em:

FÓRUM CONTÁBEIS » Contabilidade

BUSCAR NO FÓRUM

buscar


Impostos à Recuperar ou à Compensar?

20respostas
125.483acessos
  

Anna Paula Correia

Usuário Estrela Nova

profissãoAnalista Contabilidade
mensagens211
pontos1.341
membro desde23/11/2007
cidadeSanta Barbara Doeste - SP
Postada:Quarta-Feira, 26 de março de 2008 às 16:04:44
Olá...gostaria de saber se há diferença entre a nomenclatura de Impostos à Recuperar e Impostos à Compensar?
Ou como se contabiliza?
Pois utilizo a conta de impostos à recuperar para contabilizar impostos retidos...e só agora me toquei que pode ter alguma diferença...

Agradeço desde já, Anna Paula.

Anna Paula

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Andre Fabricio

Usuário Ativo

profissãoContador(a)
mensagens139
pontos1.795
membro desde30/06/2007
cidadeTeresina - PI
Postada:Quarta-Feira, 26 de março de 2008 às 16:33:05
Olá Anna Paula Correia, eu vou mostrar exemplos dos 2 tipos.

Exemplo de impostos recuperaveis.

ICMS E IPI RECUPERÁVEIS

O IPI e o ICMS pagos na aquisição de mercadorias para revenda e de insumos da produção industrial (matérias-primas, materiais intermediários e embalagens) não devem integrar o respectivo custo, quando forem recuperáveis mediante crédito nos livros fiscais pertinentes.

IPI E ICMS NA IMPORTAÇÃO
A segregação do custo de aquisição aplica-se inclusive aos impostos recuperáveis (IPI/ICMS) pagos na importação de mercadorias destinadas à revenda ou matérias-primas e outros materiais destinados à industrialização.

CONTABILIZAÇÃO
Uma forma de contabilizar os impostos recuperáveis pagos na aquisição de mercadorias e insumos da produção é o registro, por ocasião da aquisição desses bens, em contas próprias, classificáveis no ativo circulante, intituladas "IPI a Recuperar" e "ICMS a Recuperar".

Exemplo:
Aquisição de R$ 110.000,00 de materiais para a produção, sendo recuperáveis R$ 10.000,00 de IPI e R$ 12.000,00 de ICMS:
D - Estoque de Matérias-primas (Ativo Circulante) R$ 88.000,00
D - IPI a Recuperar (Ativo Circulante) R$ 10.000,00
D - ICMS a Recuperar (Ativo Circulante) R$ 12.000,00
C - Fornecedores (Passivo Circulante) R$ 110.000,00

Lançamento por ocasião do término do período de apuração do IPI e do ICMS, transferindo-se o saldo das contas respectivas para a conta do passivo:
D - ICMS a Recolher (Passivo Circulante)
C - ICMS a Recuperar (Ativo Circulante)R$ 12.000,00
D - IPI a Recolher (Passivo Circulante)
C - IPI a Recuperar (Ativo Circulante)R$ 10.000,00

Exemplos de Impostos a compensar

TRIBUTOS A COMPENSAR - RECOLHIMENTOS INDEVIDOS OU A MAIOR

Uma vez identificado valores de tributos passíveis de compensação, seja por recolhimento indevido ou a maior, tais valores devem ser contabilizados em contas do ativo, com a corresponde atualização, de acordo com a legislação de regência.

Para efeito de contabilização e cômputo na base de cálculo do IRPJ e da Contribuição Social Sobre o Lucro, os juros devem ser apropriados pelo regime de competência.

O valor dos juros calculados com base na taxa SELIC para títulos federais acumulada mensalmente serão registrados em conta de resultado que pode ser intitulada como juros ativos, tendo como contrapartida a conta que registra o crédito a compensar.

A empresa deverá manter controles extra-contábeis dos créditos a compensar, bem como dos valores dos juros apropriados e dos valores compensados, para fazer prova frente a possíveis questionamentos por parte do Fisco.

Exemplo:
Empresa recolheu, indevidamente, R$ 1.000,00 de COFINS sobre receita de vendas, em meses anteriores. Calculado o valor atualizado pelos juros SELIC, estes representam acréscimo de R$ 200,00.

1) Pelo registro dos valores recolhidos indevidamente, cuja parcela tenha sido registrada anteriormente a débito de conta de resultado:
D - COFINS a Compensar (Ativo Circulante)
C - COFINS sobre Vendas (Conta de Resultado)R$ 1.000,00

Nota: a contabilização a crédito de conta de resultado do exercício é plausível, desde que o valor recolhido indevidamente seja de pequena proporção e relativo a recolhimentos efetuados em competências do próprio exercício.

Na hipótese de recuperação de valores vultuosos, há de se considerar a necessidade de creditar a conta de "Lucros ou Prejuízos Acumulados", com histórico de ajustes de exercícios anteriores.

Para detalhamentos sobre as hipóteses e procedimentos de ajustes de exercícios anteriores, leia o tópico "Ajustes de Exercícios Anteriores", neste guia.

2) Pelo reconhecimento dos juros sobre o valor a compensar:
D - COFINS a Compensar (Ativo Circulante)
C - Juros Ativos (Conta de Resultado)
R$ 200,00
3) Por ocasião da compensação efetivada:
D - COFINS a Recolher (Passivo Circulante)
C - COFINS a Compensar (Ativo Circulante)
R$ 1.200,00

Espero que compreenda essa bagunça. hehehe

Att
André Fabrício

"O Poder da tua INVEJA é a velocidade do meu SUCESSO"

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Francisco Délio

Usuário 3 Estrelas Novas

profissãoGerente Contabilidade
mensagens332
pontos2.266
membro desde12/12/2007
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quarta-Feira, 26 de março de 2008 às 16:46:38
Ana Paula, boa tarde.

As definição científica dessas duas nomenclaturas pode ser consultada no link abaixo:


http://www.forumcontabeis.com.br/ler_topico.asp?id=13175

Francisco Délio

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Claudio Rufino

Moderador

profissãoContador(a)
mensagens3.627
pontos31.204
membro desde02/06/2005
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quarta-Feira, 26 de março de 2008 às 17:07:24
Anna Paula Correia & Andre Fabricio.

Ainda que o amigo André, tenha desenvolvido o raciocínio, apenas equivoca-se quando diz:

"Exemplos de Impostos a compensar

TRIBUTOS A COMPENSAR - RECOLHIMENTOS INDEVIDOS OU A MAIOR

Uma vez identificado valores de tributos passíveis de compensação, seja por recolhimento indevido ou a maior, tais valores devem ser contabilizados em contas do ativo, com a corresponde atualização, de acordo com a legislação de regência"


Notar que, conforme já postou o Délio, e agora transcrevo:

"Os impostos a compensar são caracterizados pelo crédito que constitui moeda de pagamento de tributos da mesma espécie ou não e que, se não houver débito com o qual compensar, pode gerar solicitação de sua restituição em dinheiro, como é o caso do saldo credor do IRPJ e da CSLL, apurados no ajuste anual pelas Pessoas Jurídicas"

Sds.

Empresário, seja prudente, contrate profissional habilitado
Professor de Contabilidade
http://www.fcscontabeis.com.br
http://www.facebook.com/fcscontabeis
http://professorclaudiorufino.blogspot.com/

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Anna Paula Correia

Usuário Estrela Nova

profissãoAnalista Contabilidade
mensagens211
pontos1.341
membro desde23/11/2007
cidadeSanta Barbara Doeste - SP
Postada:Quarta-Feira, 26 de março de 2008 às 17:21:55
Olá Claudio...então devo entender que os impostos à compensar podem ser contabilizados no msm plano de contas dos impostos à recuperar, ou seja, impostos à recuperar e à compensar podem ficar juntos no balancete? E o que muda é a quê, cada conta se refere?...ou entendi errado?

Exemplo: Uma empresa pertadora de serviços, pode ter notas com retenções, onde há a retenção de INSS dentre outros. E assim, lançar esse INSS retido à recuperar, e ao mesmo tempo, ter pago um valor "X" à mais do imposto GPS referente à Folha de Pagamento da empresa, e então contabilizar como INSS à Compensar.
Fui clara em meu racíocinio ou não, sobre minha dúvida?

Se alguém puder me ajudar...agradeço!

Obrigada pelas respostas já dadas anteriormente ao minha pergunta...

Att, Anna Paula

Anna Paula

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Claudio Rufino

Moderador

profissãoContador(a)
mensagens3.627
pontos31.204
membro desde02/06/2005
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quarta-Feira, 26 de março de 2008 às 17:37:48
Entendendo que impostos recuperáveis são os impostos não cumulativos, ou seja, aqueles em que se abatem, em cada operação, o montante dos impostos cobrados nas anteriores.

Note que os impostos recuperáveis (ICMS e IPI) devem ser excluídos do custo de aquisição das mercadorias para revenda e da matéria-prima.

E entendendo que os impostos compensáveis se traduzem e são caracterizados pelo crédito que constitui moeda de pagamento de tributos da mesma espécie ou não e que, se não houver débito com o qual compensar, pode gerar solicitação de sua restituição em dinheiro, como é o caso do saldo credor do IRPJ e da CSLL, apurados no ajuste anual pelas Pessoas Jurídicas.

Nada impede que figure no seu plano de contas as contas que irão receber os lançamentos tanto à recuperar quanto à compensar, aliás é uma forma bem clara e lúcida para você ter uma contabilidade personalizada e com qualidade excepcional.

Bons estudos!!!

Empresário, seja prudente, contrate profissional habilitado
Professor de Contabilidade
http://www.fcscontabeis.com.br
http://www.facebook.com/fcscontabeis
http://professorclaudiorufino.blogspot.com/

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Francisco Délio

Usuário 3 Estrelas Novas

profissãoGerente Contabilidade
mensagens332
pontos2.266
membro desde12/12/2007
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quarta-Feira, 26 de março de 2008 às 17:38:01
Ana Paula,

Veja um exemplo:

Se a empresa é uma prestadora de serviço tributada pelos 4,65% de PIS/COFINS/CSLL, então a contabilização dessas contribuições dar-se-a da seguinte forma:

Individualizadamente, em contas do Ativo Circulante (CSL a Compensar, Cofins a Compensar e PIS-Pasep a Compensar), para posterior compensação das respectivas contribuições devidas, registradas no Passivo Circulante (CSL a Recolher, Cofins a Recolher e PIS-Pasep a Recolher).

Se a empresa é uma indíustria que se credita de PIS/COFINS nas aquisições de matéria-prima, então a contabilização dar-se-a da seguinte forma:

Individualizadamente, em contas do Ativo Circulante (Cofins a Recuperar e PIS-Pasep a Recuperar), para posterior confrontação com as respectivas contribuições devidas, registradas no Passivo Circulante (Cofins a Recolher e PIS-Pasep a Recolher).

Francisco Délio

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Anna Paula Correia

Usuário Estrela Nova

profissãoAnalista Contabilidade
mensagens211
pontos1.341
membro desde23/11/2007
cidadeSanta Barbara Doeste - SP
Postada:Quinta-Feira, 27 de março de 2008 às 07:54:34
Obrigada Cláudio, pelo auxílio...fico muito grata por todas as informações e pela atenção à minha dúvida!

Como tbm agradeço ao Francisco, pela atenção prestada...

Muito Obrigada, Anna Paula.

Anna Paula

1 pessoa aprovou esta mensagem.

profissãoAnalista Informática
mensagens3
pontos41
membro desde16/03/2011
cidadeRondonopolis - MT
Postada:Sexta-Feira, 15 de abril de 2011 às 12:17:52
Bom dia Claudio,

Sou analista desenvolvedor e estou começando a estudar como funciona o processo de apuração de tributos federais e gostaria de saber se você ou alguém possui algum material ou link, que me auxilie em entender como funciona apuração de impostos federais dentro de uma empresa, como por exemplo, a origem das informações, das retenções e das informações que irão compor as bases de cálculos utilizados para apuramos os débitos ou créditos a serem informados na DCTF?

Desde já agradeço a atenção.

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Cleiton

Usuário Novo

profissãoContador(a)
mensagens17
pontos184
membro desde06/12/2010
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Sexta-Feira, 15 de abril de 2011 às 14:31:02
Mensagem Editada por Cleiton em 15/04/2011 14:56:16
Boa Tarde,

Se alguem puder me ajudar eu agradeço ,
No caso de uma empresa com tributação no lucro real (prestadora de serviços) , se empresa fechar o trimestre com prejuizo no trimestre, o que faço para zerar essas as contas IR CSll PIS Cofins a compensar ? sei que nao poderei mais usar esses saldo no proximo trimestre.


Obrigado...

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Tatiana Santório Leite

Usuário Novo

profissão
mensagens2
pontos-5
membro desde26/04/2011
cidadePoa - SP
Postada:Quinta-Feira, 28 de abril de 2011 às 09:50:28
Bom Dia por favor preciso de uma informação com extrema urgência.

Estou pretendendo abrir uma empresa, para atuar na área de:

Automação Industrial.
Montagem de Painéis Elétrico.
Assistência Técnica Elétrica em Máquinas e Equipamentos Industriais.
Instalações Elétricas Predial e Comercial.

Gostaria de saber se com estas características; se esta empresa pode ser uma (ME ou uma EPP), para poder estar no Imposto ( SIMPLES ).

Desde já muito obrigado, e no aguardo.

Tatiana Santório Leite.

1 pessoa aprovou esta mensagem.

profissãoAnalista Contabilidade
mensagens1
pontos115
membro desde15/06/2011
cidadeSao Caetano do Sul - SP
Postada:Quarta-Feira, 15 de junho de 2011 às 15:51:52
Claudio RProfessor Claudio,meu nome é Katia,sou de um escritorio Contabil aqui de São Caetano do sul,peguei seu nome fazendo uma pesquisa na Internet,vi que é professor,tenho uma grande duvida,li a IN 33/99 E IN 900/2008,lendo as duas INS comprendi que, Empresas que obtiverem Saldo de IPI na entrada (crédito) e seus produtos forem isentos nas NOTAS FISCAIS DE SAIDA,não podem fazer pedido de Ressarcimento ou Compensação? ( Se eu entendi errado por favor me explique).
Lembrando que meu cliente é uma INDUSTRIA DE MAQUINAS ( Compra de parafusos,chapas,fio.....TUDO PARA A FABRICAÇÃO DAS MAQUINAS) no entanto estas são feitas sob encomenda.

Vamos supor que eu tenha entendido errado,e posso fazer um dos intens sitados a cima,qual seria o procedimento exato?
Teria que montar um processo com Nfs de entrada,uma espécie de Inventário? ufino

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Jose Alencar de Novais Chaves

Usuário Iniciante

profissãoAnalista Contabilidade
mensagens57
pontos1.300
membro desde29/07/2010
cidadeRio Claro - SP
Postada:Sexta-Feira, 15 de julho de 2011 às 17:02:32
Boa tarde, claudio,


Meu nome é alencar e estou precisando de uma orientação sobre os impostos a recuperar no Ativo.

Fui recentemente contratado pela uma empresa no ramo hospitalar, e no balanço existe varios saldos de impostosa recuperar/Compensar, tais como:

IRPJ exerc ant. 2008;
IRRF s/Aplic;
Antecipação de IRPJ;
Antecipação de IRPJ do ex. 2009
Antecipação IRPJ ex 2008;
C. Socila s/LL 2008 etc.


Por gentileza peço a ajuda do amigo como proceder para utilizar estes saldos com os IRPJ/CSLL do exercicio 2011. e alem do mais existe vários saldos de impostos de anos anterioes sem composições.


Obrigado por participar deste forum de excelente qualidade!


Obrigado.

Alencar

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Soraya Valeria Salgado

Usuário Iniciante

profissãoTécnico Contabilidade
mensagens30
pontos406
membro desde25/11/2010
cidadeBrasilia - DF
Postada:Quarta-Feira, 26 de setembro de 2012 às 16:20:31
Boa tarde pessoal,

Estou com uma duvida, tenho uma empresa prestadora de serviço que sofreu retenção de INSS 11% no valor de R$2.011,61 mas a conta de INSS a recolher é de R$1.813,86
como faço o lançamento contábil desta diferença que provavelmente vai ser recuperada no mês seguinte?

"Jesus te ama tanto que deu seu único filho pra te salvar"
Soraya _ Líder Contabilidade

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Gilberto C. Olgado

Consultor Especial

profissãoContador(a)
mensagens3.970
pontos34.671
membro desde21/02/2008
cidadeTupa - SP
Postada:Quarta-Feira, 26 de setembro de 2012 às 17:04:59
Olá Soraya!

Esta retenção você vai contabilizar em conta do ativo na conta INSS à Recuperar, na emissão da nota fiscal de serviços.

D - Clientes (AC) - ou Duplicatas a receber
C - Receita - Prest. Serviços (CR)........R$ -valor total da nota-

D - INSS à Recuperar (AC)
C - Clientes(AC)......... R$ 2.011.61

No final do mês você vai fazer o lançamento de compensação do saldo à recolher:

D - INSS à Recolher (PC)
C - INSS à Recuperar (AC)...... 1.813,86

Com isso vai sobrar um saldo na conta à recuperar de R$ 197,75 que deverá ser compensado no mês seguinte fazendo o mesmo lançamento.

Abraços

A vida não é medida pela quantidade de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram a respiração...
" VIVA INTENSAMENTE CADA MINUTO "

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Alexandre Masloun

Usuário Novo

profissãoContador(a)
mensagens1
pontos3
membro desde22/03/2013
cidadeRio de Janeiro - RJ
Postada:Sexta-Feira, 22 de março de 2013 às 13:22:15
Créditos Impostos a Recuperar INSS.

Bom dia amigos(as) contabilistas.
Estou precisando de uma ajuda sobre um processo de compensação de um pgto de INSS RETIDO em duplicidade.

O caso foi o seguinte o processo de compensação foi inicado pela empresa que foi retido o INSS, porém eles queriam fazer de uma forma diferente, transferir o crédito do imposto para a minha empresa o que ao final do processo não obtiveram êxito.

Atualmente não temos nenhuma fatura para abter esse valor da empresa retida, como posso proceder em relação a esse valor??

Fico no aguardo obrigado.

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Gilberto C. Olgado

Consultor Especial

profissãoContador(a)
mensagens3.970
pontos34.671
membro desde21/02/2008
cidadeTupa - SP
Postada:Segunda-Feira, 25 de março de 2013 às 07:45:02
Bom dia Alexandre Masloun!

Esta sala trata do assunto da Contabilização Impostos à Recuperar ou à Compensar.

Seu assunto é INSS retido em duplicidade, portanto sugiro que pesquise nas salas de Depto Pessoal e Legislação Federal onde irá encontrar material já postado à respeito.

Abraços

A vida não é medida pela quantidade de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram a respiração...
" VIVA INTENSAMENTE CADA MINUTO "

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Genivaldo Pires

Usuário 5 Estrelas

profissãoContador(a)
mensagens171
pontos1.363
membro desde14/03/2013
cidadeFoz do Iguacu - PR
Postada:Quinta-Feira, 16 de maio de 2013 às 10:36:30
Bom dia!!

Trabalho em uma empresa de lucro real onde ela conseguiu por meio de processo judicial, a recuperar INSS pagos a maior dos últimos 5 anos, a pegunta é como contabilizo essa recuperação desse imposto?


Desde já fico grato.

Att,
Genivaldo

Cordialmente,
Genivaldo Pires
"Por mais longa que seja a caminhada, o mais importante é dar o primeiro passo! " Vinicius de Morais
Gilberto C. Olgado

Consultor Especial

profissãoContador(a)
mensagens3.970
pontos34.671
membro desde21/02/2008
cidadeTupa - SP
Postada:Sexta-Feira, 17 de maio de 2013 às 14:04:01
Boa tarde Genivaldo!

Se a empresa pagou INSS à maior, deveria ter contabilizado este valor na conta "INSS à Compensar" que fica disponível à partir deste momento da disponibilização.

O saldo pago à maior deveria estar nesta conta.

A vida não é medida pela quantidade de vezes que respiramos, mas pelos momentos que nos tiram a respiração...
" VIVA INTENSAMENTE CADA MINUTO "

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Genivaldo Pires

Usuário 5 Estrelas

profissãoContador(a)
mensagens171
pontos1.363
membro desde14/03/2013
cidadeFoz do Iguacu - PR
Postada:Sexta-Feira, 17 de maio de 2013 às 14:23:12
Boa Tarde Gilberto



1- A contabilização ficaria assim?

Por exemplo:

PARA RECONHECER OS VALORES A COMPENSAR BEM COMO OS JUROS

D- INSS a compensar (conta do ativo circulante - sub-grupo IMPOSTOS E CONTRBUIÇÕES A RECUPERAR) - R$ 110.000,00

C- DEMANDAS JUDICIAIS (conta de resultado - grupo OUTRAS RECEITAS E DESPESAS NÃO OPERACIONAIS) - R$ 100.000,00

C- JUROS S/ DEMANDAS JUDICIAIS (conta de resultado - grupo OUTRAS RECEITAS E DESPESAS NÃO OPERACIONAIS) - R$ 10.000,00


PARA RECONHECER OS VALORES COMPENSADOS

D- INSS a recolher (conta do passivo circulante - sub-grupo OBRIGAÇÕES SOCIAIS E FISCAIS) - R$ 110.000,00
C- INSS a compensar (conta do ativo circulante - sub-grupo IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES A RECUPERAR) - R$ 110.000,00


2- E como o valor do INSS não será compensado integralmente, posso estar apropriando essas receitas conforme vai sendo compensado?



PARA RECONHECER OS VALORES A COMPENSAR BEM COMO OS JUROS

D- INSS a compensar (conta do ativo circulante - sub-grupo IMPOSTOS E CONTRBUIÇÕES A RECUPERAR) - R$ 110.000,00

C- DEMANDAS JUDICIAIS (conta do Ativo Realizavel a Longro Prazo - sub-grupo DEPÓSITOS JUDICIAIS) - R$ 100.000,00

C- JUROS S/ DEMANDAS JUDICIAIS ((conta do Ativo Realizavel a Longro Prazo - sub-grupo DEPÓSITOS JUDICIAIS) - R$ 10.000,00


PARA RECONHECER OS VALORES COMPENSADOS

D- DEMANDAS JUDICIAIS (conta do Ativo Realizavel a Longo Prazo - sub-grupo DEPÓSITOS JUDICIAIS) - R$ 10.000,00
C- DEMANDAS JUDICIAIS (conta de resultado - grupo OUTRAS RECEITAS E DESPESAS NÃO OPERACIONAIS) - R$ 10.000,00

D- JUROS S/ DEMANDAS JUDICIAIS ((conta do Ativo Realizavel a Longro Prazo - sub-grupo DEPÓSITOS JUDICIAIS) - R$ 2.000,00
C- JUROS S/ DEMANDAS JUDICIAIS (conta de resultado - grupo OUTRAS RECEITAS E DESPESAS NÃO OPERACIONAIS) - R$ 2.000,00

D- INSS a recolher (conta do passivo circulante - sub-grupo OBRIGAÇÕES SOCIAIS E FISCAIS) - R$ 30.000,00
C- INSS a compensar (conta do ativo circulante - sub-grupo IMPOSTOS E CONTRIBUIÇÕES A RECUPERAR) - R$ 30.000,00


3- A última questão seria, para fins de contabilização (lucro real) eu lanço como receita certo? Porém para fins fiscais, recolhimento de IRPJ e CSLL tanto o valor principal como o valor dos juros (total do valor compensado), compõe a base de cálculo para recolhimento desses impostos?



Desde já fico grato pela ajuda.
Abraço

Cordialmente,
Genivaldo Pires

Cordialmente,
Genivaldo Pires
"Por mais longa que seja a caminhada, o mais importante é dar o primeiro passo! " Vinicius de Morais
profissãoAuxiliar Depto. Pessoal
mensagens1
pontos38
membro desde26/09/2012
cidadeDiadema - SP
Postada:Terça-Feira, 8 de outubro de 2013 às 14:31:08
Mensagem Editada por Rafael Pereira dos Santos em 08/10/2013 14:38:50
Boa tarde, estou com a duvida parecida com a do nosso amigo Genivaldo. Tenho que contabilizar um credito da COFINS adquirido por processo judicial referente aos anos de 2008 e 2009, e a a duvida é, em qual conta a credito devo lancar os creditos adquiridos via processo?
D- COFINS a Recuperar (AC)
C-?


Você precisa ser cadastrado para responder mensagens

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

POSTS RELACIONADOS

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.32 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César