PARTICIPE

O Maior Evento Online Contábil do País - Inscrições gratuitas

19 a 23 de junho de 2017

www.conbcon.com.br
x

Contábeis o portal da profissão contábil

27
May 2017
18:17

BUSCAR NO FÓRUM

buscar


Sociedade Individual de Advocacia. Opção pelo Simples. Obrig

4respostas
244acessos
  

Daniel Mota

Usuário Novo

profissãoAdvogado(a)
mensagens5
pontos28
membro desde20/04/2017
cidadeRio Grande - RS
Postada:Quinta-Feira, 20 de abril de 2017 às 10:36:05
Tópico Movido para esta sala por Paulo Henrique de Castro Ferreira em 20/04/2017 11:24:18
(Regra 8) Postagem postada em sala ou tópico indevidos. por Paulo Henrique de Castro Ferreira em 20/04/2017 11:24:18
Prezados, sou Advogado e sempre atuei como autônomo, mas agora é permitido que registremos uma Sociedade Unipessoal de Advocacia, ou Sociedade Individual, além de poder optar pelo SIMPLES, salvo engano no Anexo IV.

Além da DAS e da SEFIP/GFIP tenho alguma outra obrigação acessória a cumprir? Como presto serviços advocatícios do anexo IV, necessito informar mensalmente que não tenho funcionários e que estou "sem movimentação" mensalmente ou uma vez apenas basta?

Caso possível, agradeceria indicação da legislação, artigos, etc.
profissãoContador(a)
mensagens3.040
pontos22.779
membro desde21/02/2010
cidadeBelo Horizonte - MG
Postada:Quinta-Feira, 20 de abril de 2017 às 11:29:36
Mensagem Editada por Paulo Henrique de Castro Ferreira em 20/04/2017 11:30:22
Bom dia Dr Daniel.

É bom sempre ver no seu município se não há alguma exigência complementar, mas basicamente são:

mensais:

Geração do Simples (para apurar o imposto e informar a Receita que faturou);

Declaração de serviços prestados e tomados (à Prefeitura)

Emissão da GFip (mesmo não tendo empregados é bom fazer um recolhimento minimo ao INSS referente ao pro labore)

Anuais

Declaração anual do Simples

Pagamento de alvara (depende da cidade);

Informação sobre atividades suspeitas ao COAF (normalmente contadores e corretores enviam não sei se os advogados por ter prerrogativa de manter o sigilo precisam, neste caso é bom ver junto a OAB).

Emissão de livro diario

A principio é somente isso.

att

Contador CRC MG 106412/O Perito CNPC 087
Pericias em Apuração de Haveres, Financeiras
Consultoria Tributária e Legalização
Especialista em fusões/cisões/incorporações
Assessoria a escrit. contabeis
http://www.prosperarecontabil.com.br
http://www.phresolve.com.br

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Daniel Mota

Usuário Novo

profissãoAdvogado(a)
mensagens5
pontos28
membro desde20/04/2017
cidadeRio Grande - RS
Postada:Quinta-Feira, 20 de abril de 2017 às 14:40:57
Agradeço Dr Paulo Henrique,

me esclareça melhor apenas quanto a obrigatoriedade ou não de recolher INSS referente ao Pro-labore.
Sempre fui advogado empregado e, há dois anos, abri meu próprio escritório como autônomo, registrei agora minha sociedade junto à OAB mas, pela peculiariedade de ser Advogado Trabalhista de reclamantes/trabalhadores, meu faturamento (salvo acordos) será somente daqui a uns 2 ou 3 anos quando os processos chegarem ao final e forem liquidados. Até lá meu faturamento é baixo e paga apenas os custos do escritório.

Considerando tais fatos e, no caso de não haver pro-labore por não haver faturamento, sou obrigado a recolher INSS? Quanto tempo poderia assim permanecer sem gerar problemas?

Ou me recomendarias efetuar a retirada de um salário minimo a cada 3 ou 4 meses? Esta GPS gero manualmente ou o programa do SEFIP já a gera automaticamente?

É possível não haver recolhimento de INSS?

Por último: para gerar a gfip utilizo o programa do SEFIP deste link abaixo?

http://www.caixa.gov.br/empresa/fgts-empresas/sefip-grf/paginas/default.aspx
profissãoContador(a)
mensagens3.040
pontos22.779
membro desde21/02/2010
cidadeBelo Horizonte - MG
Postada:Quinta-Feira, 20 de abril de 2017 às 16:20:22
Boa tarde Dr Daniel.

O Sr na qualidade de contribuinte individual, assim como qualquer proprietário de empresa é obrigado a recolher o INSS sobre seu pro labore.

O valor deste pro labore fica a sua vontade, não há um valor que se deve pagar.

Mas independente deste valor deve-se deduzir 11% dele referente a parte descontada ao INSS.

Suponhamos que o sr declare na Gfip que seu pro labore é de R$ 3000,00

Será descontado 330,00 ao INSS e só.

Seria interessante que mantivesse escrita contabil regular pois vamos supor que o sr tire um valor maior.

Com o contador fazendo sua escrita ele poderá evidenciar antecipação de lucro, esta não tributável.

att

Contador CRC MG 106412/O Perito CNPC 087
Pericias em Apuração de Haveres, Financeiras
Consultoria Tributária e Legalização
Especialista em fusões/cisões/incorporações
Assessoria a escrit. contabeis
http://www.prosperarecontabil.com.br
http://www.phresolve.com.br

Poliana

Usuário Frequente

profissãoEncarregado(a) Recursos Humanos
mensagens63
pontos651
membro desde28/07/2014
cidadeSorriso - MT
Postada:Quinta-Feira, 11 de maio de 2017 às 11:48:52
Bom dia.

Tenho dúvida a respeito do recolhimento de pro labore para sócio de Sociedade Unipessoal de Advogados, optante pelo Simples Nacional.
É obrigatória a retirada de pro labore?
Para recolher no teto máximo devo aplicar a alíquota de 11% e mais 20% de inss patronal?


Um dos sócios quer contribuir no carnê e não retirar o pro labore, isso é possível?
Segundo ele no carnê fica mais em conta, pois vai recolher apenas os 11% sobre o teto máximo. Para mim isso seria no Plano Simplificado, neste plano o recolhimento não é apenas um salário mínimo?
Como ele tem vínculo com empresa (é sócio na sociedade) pode fazer esse tipo de recolhimento?

Agradeço desde já.

Você precisa ser cadastrado para responder mensagens

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

POSTS RELACIONADOS

WebContábeis Conteúdo contábil atualizado e de qualidade em seu site.

Desconto de 10% na mensalidade dos planos básicos de conteúdo.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.1 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César