Contábeis o portal da profissão contábil

23
Nov 2017
05:08

BUSCAR NO FÓRUM

buscar


Férias Meio de Mês

4respostas
229acessos
  

Deise Aparecida Nascimento

Usuário Estrela Nova

profissãoAssistente Contabilidade
mensagens220
pontos1.783
membro desde20/08/2012
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quarta-Feira, 13 de setembro de 2017 às 15:10:50
Prezados boa tarde,
a CL
Preciso de uma ajuda, a empresa possui um funcionario que tem mais de 50 anos de idade, verifiquei que as férias nao podem ser fracionadas, contudo nao vi nada referente ao abono de 10 dias, ele poderá abonar as 10 dias e tirar normalmente os 20?

Outro caso, supondo que ele tire no meio do mes de Outubro de 2017 e vá até Novembro de 2017, em novembro é o dissidio da empresa, como devo proceder no caso? terei diferença de férias a pagar?

Grata pela ajuda,
Jussara Santos

Usuário Iniciante

profissãoAssistente Contabilidade
mensagens57
pontos1.272
membro desde28/10/2015
cidadeAtibaia - SP
Postada:Quarta-Feira, 13 de setembro de 2017 às 15:23:44
Mensagem Editada por Jussara Santos em 13/09/2017 15:24:47
Deise Aparacida, boa tarde!

Veja o que Diz a CLT:
Há aspectos fundamentais a serem obedecidos na concessão das férias.

Inicialmente, é o empregador quem decide o momento em que o empregado deve sair de férias (136 da CLT). O empregador tomará a decisão com base na sazonalidade da atividade, na demanda de trabalho, e, em última instância, em sua avaliação pessoal quanto a oportunidade e conveniência.

Não cabe consulta a empregados ou órgãos trabalhistas públicos (Ministério do Trabalho e Emprego - MTE) ou privados (sindicatos, federações ou confederações), para a determinação da saída do empregado em férias.

A data da saída independe da solicitação do empregado. Contudo, se eventualmente este fizer uma solicitação, ficará a critério de o empregador analisar subjetivamente a data sugerida.

A concordância ou discordância por parte do empregado no que tange à data estipulada para o início das férias é irrelevante para a empresa.

O início das férias, coletivas ou individuais, não poderá coincidir com sábado, domingo, feriado ou dia de compensação de repouso semanal (Precedente Normativo n° 100 do TST). Logo, não é aconselhável que os empregadores iniciem a data inaugural do gozo destas férias nestes dias.

Reforma trabalhista : a partir de 11.11.2017, o início das férias não poderá coincidir com os dois dias que antecedem feriados e domingos, ou ainda, do repouso semanal remunerado do empregado (§ 3° do artigo 134 da CLT).

Períodos Mínimo e Máximo

De acordo com a Constituição Federal, artigo 7°, inciso XVII, são direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social, o gozo de férias anuais remuneradas com, pelo menos, um terço a mais do que o salário normal.

Após cada período de 12 meses de vigência do contrato de trabalho, o empregado terá direito a 30 dias corridos de férias (artigo 130, inciso I, da CLT).

Somente em casos excepcionais serão as férias concedidas em dois períodos, um dos quais não poderá ser inferior a 10 dias corridos (artigo 134 e § 1° da CLT).

Reforma trabalhista : a partir de 11.11.2017, mediante consentimento do empregado, as férias poderão ser concedidas em três períodos, um dos quais de pelo menos 14 dias corridos e os demais com, no mínimo, cinco dias corridos (§ 1° do artigo 134 da CLT).


Remuneração em dobro

A Súmula n° 450 do TST expressa ser devido o pagamento em dobro da remuneração de férias, incluído o terço constitucional, com base no artigo 137 da CLT, quando, ainda, que gozadas na época própria, o empregador tenha descumprido o prazo previsto no artigo 145 da CLT.

Para melhor entendimento, mesmo que o empregado goze o merecido descanso de suas férias fora dos 12 meses subsequentes à data em que o empregado tiver adquirido o direito, o empregador se verá obrigado a remunerá-las em dobro (artigos 134 e 137 da CLT).

Fracionamento de Férias Individuais

A legislação trabalhista determinou que o fracionamento das férias individuais somente poderia acontecer em casos excepcionais (artigo 134 da CLT). Nestes casos, seriam as férias concedidas em 02 períodos, um dos quais não poderá ser inferior a 10 dias corridos.

Como casos excepcionais podem ser entendidos como os decorrentes de necessidade imperiosa, como de força maior, para atender à realização ou conclusão de serviços inadiáveis ou cuja inexecução possa acarretar prejuízo manifesto (artigo 61 da CLT).

Podem também ser interpretados como casos excepcionais os decorrentes de força maior descritos na forma do artigo 501 da CLT). Entende-se como força maior todo acontecimento inevitável, em relação à vontade do empregador, e para a realização do qual este não concorreu, direta ou indiretamente. A imprevidência do empregador exclui a razão de força maior. Trata-se de norma dispositiva, ou seja, faculta ao empregador a possibilidade de fracionar as férias individuais.

Regra geral, que comporta algumas exceções jurisprudenciais, se não ocorrerem casos de força maior, as férias não podem ser fracionadas. Vejamos duas vertentes de decisão sobre o assunto:

FÉRIAS FRACIONADAS.

Não há irregularidade na concessão de férias fracionadas quando respeitado o período mínimo de 10 (dez) dias e há previsão nas normas coletivas da categoria (TRT-4 - Recurso Ordinário RO 00014628820115040383 RS 0001462-88.2011.5.04.0383 - Data de publicação: 27/03/2014).

É importante ressaltar que, sem o amparo das Convenções Coletivas de Trabalho (CCT) ou Acordos Coletivos de Trabalho (ACT), torna-se discutível o fracionamento do período de férias somente por acordo entre empregador e empregado.

Afinal, são direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social, o reconhecimento das convenções e acordos coletivos de trabalho (artigo 7°, inciso XXVI, da Constituição Federal).

Assim sendo, não é recomendável o fracionamento de férias sem a presença da excepcionalidade, na falta de previsão que autorize o fracionamento em CCT ou ACT, com base nos artigos 61, 134 e 501 da CLT).

RECURSO ORDINÁRIO. FÉRIAS FRACIONADAS EM DOIS PERÍODOS. PARCELAMENTO IRREGULAR. SITUAÇÃO DE EXCEPCIONALIDADE NÃO DEMONSTRADA. PAGAMENTO EM DOBRO.

O art. 134, parágrafo primeiro, da CLT dispõe que somente em casos excepcionais serão as férias concedidas em dois períodos. Isso significa que se o empregador entender pelo fracionamento das férias do empregado, deve justificar fundamentadamente a opção pela excepcionalidade, sob pena de afigurar-se irregular a concessão do descanso anual, dando ensejo ao pagamento em dobro, nos termos do art. 137 do diploma celetista. Recurso da reclamante parcialmente provido. RECURSO ORDINÁRIO. BÔNUS PROPORCIONAL. RESCISÃO CONTRATUAL ANTERIOR À DATA DO PAGAMENTO DO BÔNUS. PROPORCIONALIDADE AOS MESES TRABALHADOS. Tendo a autora laborado para a ré ao longo de quase todo o ano, contribuindo, assim, efetivamente, para a obtenção dos resultados da empresa, é claro que a empregada faz jus à percepção do bônus anual, proporcionalmente aos meses trabalhados. Frise-se que fere o princípio da isonomia instituir bonificação anual que condiciona o recebimento da vantagem à vigência do contrato de trabalho na data da quitação. Recurso da reclamada não provido (TRT-2 - RECURSO ORDINÁRIO RO 00012986620135020074 SP 00012986620135020074 A28 - Data de publicação: 27/02/2015).

Reforma trabalhista : a partir de 11.11.2017, as férias poderão ser fracionadas em até três períodos, desde que com a concordância do empregado e um dos períodos seja de no mínimo 14 dias corridos e os demais de pelo menos cinco dias corridos (§ 1° do artigo 134 da CLT).

Aspectos Familiares

Os membros de uma mesma família que trabalharem no mesmo estabelecimento ou empresa terão direito a gozar férias individuais no mesmo período, se assim o desejarem, desde que essa opção não resulte em prejuízo para o andamento do serviço (artigo 136 e § 1° da CLT).

Para que os membros de uma mesma família possam gozar férias em um mesmo período, é necessário o preenchimento dos seguintes requisitos:

a) devem trabalhar no mesmo estabelecimento ou empresa;

b) expressar concordância, preferencialmente por escrito;

c) não resultar em prejuízo para o serviço.

São condições cumulativas, ou seja, é necessário o cumprimento de todas para que os membros de uma mesma família possam gozar férias em um mesmo período. A mais importante é que as pessoas manifestem o desejo de gozarem as férias num mesmo período.

É o empregador que vai julgar a oportunidade e a conveniência de os membros da mesma família gozarem férias ao mesmo tempo, para não resultar em prejuízo para a empresa.

Não importa o grau de escolaridade do menor de 18 anos, podendo ser ensino fundamental, médio ou até universitário para juntar-se à sua família no período de férias no trabalho.

Aspectos Etários

Aos empregados menores de 18 anos e aos maiores de 50 anos de idade, as férias serão sempre concedidas de uma só vez (artigo 134 e § 2° da CLT).

Havendo a concessão de férias individuais, cuja duração seja inferior ao direito do empregado menor de 18 e maior de 50 anos, o empregador deve deixá-los gozar integralmente o respectivo período, juntamente com o restante do grupo.

Reforma trabalhista : a partir de 11.11.2017, não mais haverá distinções conforme aspectos etários (revogação do § 2° do artigo 134 da CLT pela Lei n° 13.467/2017).

Menor de 18 anos

O objetivo da concessão das férias do menor de 18 anos, em período coincidente ao das férias escolares, é fazer com que o empregado não trabalhe durante as férias de sua escola e possa, com efeito, descansar.

O empregado estudante menor de 18 anos terá direito a fazer coincidir suas férias escolares com as individuais (artigo 136 e § 2° da CLT). Se as férias individuais forem concedidas em época diferente das escolares, será considerada licença remunerada, ou seja, não podem ser descontadas futuramente do período de férias que seguirá pendente.

É indiferente o grau escolar em que se encontra o empregado menor de 18 anos para que usufrua o direito de escolher a melhor época de suas férias, e direcioná-las para o momento em que se retira dos estudos para o gozo de suas férias escolares.

Se tiver idade superior a 18 anos, imediatamente o empregado cai na regra geral em que as férias serão concedidas de acordo com a vontade do empregador (artigo 136 da CLT).

Se contar com mais de 18 anos, entra na regra geral da concessão das férias no período que melhor aprouver ao empregador. Nesse diapasão, o empregado maior de 18 anos não poderá usufruir das férias por sua vontade, vez que se configura a insubordinação, passível de demissão por justa causa (artigo 482, alínea "h", da CLT).

Maiores de 50 anos

Repousa certa controvérsia sobre se os maiores de 50 anos de idade deveriam usufruir seu período de férias de uma só vez. Se considerarmos a época da elaboração da CLT, os cinquentenários viviam numa outra realidade que enfatizava o protecionismo social na concessão das férias.

Atualmente, entende-se que existem condições para que as férias sejam concedidas dentro das características legais dos trabalhadores em geral.

A justificativa para que houvesse tanta rigidez na época da elaboração da CLT (Decreto-lei n° 5.452/1943), era pautada na expectativa de vida do povo brasileiro que, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 1942, era de 42,7 anos.

Há projetos de lei tramitando no Congresso Nacional buscando a necessidade de rever o teor do artigo 134 da CLT, para igualar a concessão das férias dos maiores de 50 anos às mesmas condições dos empregados em geral.

Reforma trabalhista : a partir de 11.11.2017, as férias poderão ser fracionadas aos empregados menores de 18 anos e aos maiores de 50 anos de idade empregados (§ 1° do artigo 134 da CLT).


Não concessão das férias

Se as férias estiverem vencidas, dobradas e não concedidas, o empregado deve impetrar reclamatória trabalhista (artigo 7°, inciso XXIX, da Constituição Federal), com prazo prescricional de cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais, até o limite de dois anos após a extinção do contrato de trabalho, a fim de obter o valor pela dobra do período não gozado na vigência do pacto laboral.

Outra alternativa seria a ação de rescisão indireta, ainda durante o contrato de trabalho (artigo 483, alínea "d", da CLT), eis que o empregado poderá considerar rescindido o contrato e pleitear a devida indenização quando não cumprir o empregador as obrigações do referido ajuste laborativo.



FONTE: Econet Editora

Respeitosamente,
Jussara Santos
Deise Aparecida Nascimento

Usuário Estrela Nova

profissãoAssistente Contabilidade
mensagens220
pontos1.783
membro desde20/08/2012
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quarta-Feira, 13 de setembro de 2017 às 16:23:10
A Empresa possui um funcionário que tem mais de 50 anos de idade, verifiquei que as férias não podem ser fracionadas, contudo não vi nada referente ao abono de 10 dias, ele poderá abonar as 10 dias e tirar normalmente os 20?

Outro caso, supondo que ele tire no meio do mes de Outubro de 2017 e vá até Novembro de 2017, em novembro é o dissidio da empresa, como devo proceder no caso? terei diferença de férias a pagar?

Grata pela ajuda,
Jussara Santos

Usuário Iniciante

profissãoAssistente Contabilidade
mensagens57
pontos1.272
membro desde28/10/2015
cidadeAtibaia - SP
Postada:Quarta-Feira, 13 de setembro de 2017 às 16:40:20
Mensagem Editada por Jussara Santos em 13/09/2017 16:41:19
Deise,

Quanto ao abono pecuniário é direito do funcionário converter 1/3 das férias em abono pecuniário (Art 143 da CLT). No seu caso o funcionário poderá sim descansar 20 dias e "vender" 10, apenas lembre-se que os 20 dias de descanso terão que ser usufruídos em único período.

Quanto ao dissídio você deve calcular a diferença referente aos dias que entraram na data base.

Respeitosamente,
Jussara Santos
Tiago Raksa

Usuário Frequente

profissãoTécnico Contabilidade
mensagens88
pontos948
membro desde24/05/2016
cidadeCuritiba - PR
Postada:Quarta-Feira, 13 de setembro de 2017 às 16:41:26
Boa tarde Deise,

A Empresa possui um funcionário que tem mais de 50 anos de idade, verifiquei que as férias não podem ser fracionadas, contudo não vi nada referente ao abono de 10 dias, ele poderá abonar as 10 dias e tirar normalmente os 20?

O empregado com mais de 50 anos pode, sim, solicitar o abono pecuniário de férias. Logo, a vedação do fracionamento de férias para esse empregado não impede a conversão do terço de férias em abono pecuniário.

Em relação as férias terminarem em Novembro/17 ( data base do dissídio ), nunca tive uma situação dessas mas acredito que teria direito a diferença em relação a esses dias.

1 pessoa aprovou esta mensagem.


Você precisa ser cadastrado para responder mensagens

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

POSTS RELACIONADOS

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.25 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César