Contábeis o portal da profissão contábil

23
Jul 2014
02:57

BUSCAR NO FÓRUM

buscar


FÉRIAS NA RESCISÃO

4respostas
15.384acessos
  

POSTS RELACIONADOS

Carlos Negrini

Usuário Novo

profissãoContador(a)
mensagens28
pontos173
membro desde08/08/2007
cidadeSao Carlos - SP
Postada:Quarta-Feira, 22 de agosto de 2007 às 11:02:05
Bom dia.
Será que alguém de vcs tem conhecimento do não pagamento das férias a um funcionário que pediu demissão após 08 meses de registro, por se tratar de empresa de segurança? A empresa está se negando a pagar as férias proporcionais, alegando que está dentro da "Lei".
Marileide Souza

Usuário Ativo

profissãoEncarregado(a) Pessoal
mensagens116
pontos804
membro desde28/06/2007
cidadeBrasilia - DF
Postada:Quarta-Feira, 22 de agosto de 2007 às 11:17:29
Bom dia Carlos
Existem (AS DUAS ULTIMAS RELACIONADAS ABAIXO) possibilidades do funcionario perder o direito de ferias:

1- Verifique se no cadastro do funcionario a data da ultima ferias é o mesmo da admissao até porque ele ainda nao gozou ferias por ter apenas 08/12. (Isso ocorre com frequencia erro de digitaçao talvez).

2- Verificar a quantidade de faltas no periodo dos 08 meses, se o mesmo tiver acima de 32 faltas ele realmente perdeu o direito de ferias

3-Se este funcionario ficou afastado por qualquer motivo, por mais de 06 meses, tambem perde o direito a ferias.

Se quiser posso procurar amparo legal sobre os dois ultimos itens acima.

Espero ter ajudado.
Mari
Guido Salles

Usuário Estrela Nova

profissãoEncarregado(a) Recursos Humanos
mensagens209
pontos1.927
membro desde04/05/2006
cidadePresidente Prudente - SP
Postada:Quarta-Feira, 22 de agosto de 2007 às 11:21:55
Férias Proporcionais na Rescisão - Enunciados do TST
O direito às férias proporcionais na rescisão contratual, motivada pelo empregado com tempo de serviço inferior a um ano, foi matéria de recente mudança de entendimento pelo Tribunal Superior do Trabalho.

Assim informa a atual redação dos Enunciados 171 e 261 do TST:

"171 - Férias proporcionais - Contrato de trabalho - Extinção. Salvo na hipótese de dispensa do empregado por justa causa, a extinção do contrato de trabalho sujeita o empregador ao pagamento da remuneração das férias proporcionais, ainda que incompleto o período aquisitivo de 12 (doze) meses (art. 142, parágrafo único, combinado com o art. 132, da CLT)." (Enunciado revisado pela Resolução n. 121, DJU de 19, 20 e 21.11.2003)


"261 - Férias proporcionais - Pedido de demissão - Contrato vigente há menos de um ano. O empregado que se demite antes de completar 12 (doze) meses de serviço tem direito a férias proporcionais." (Enunciado revisado pela Resolução n. 121, DJU de 19, 20 e 21.11.2003)

Ocorre que a atual orientação do TST não revela uma novidade legislativa, mas sim adequação do entendimento jurisprudencial ao Decreto n. 3.197, de 05.10.1999 - DOU de 06.10.1999, que promulgou a Convenção n. 132 da Organização Internacional do Trabalho - OIT, texto referente ao instituto de Férias Anuais Remuneradas. Assim informa a OIT n. 132:

"Artigo 4

1 - Toda pessoa que tenha completado, no curso de 1 (um) ano determinado, um período de serviço de duração inferior ao período necessário à obtenção de direito à totalidade das férias prescritas no Artigo terceiro acima terá direito, nesse ano, a férias de duração proporcionalmente reduzidas.
2 - Para os fins deste Artigo o termo "ano" significa ano civil ou qualquer outro período de igual duração fixado pela autoridade ou órgão apropriado do país interessado.

Artigo 5

1 - Um período mínimo de serviço poderá ser exigido para a obtenção de direito a um período de férias remuneradas anuais.
2 - Cabe à autoridade competente e ao órgão apropriado do país interessado fixar a duração mínima de tal período de serviço, que não poderá em caso algum ultrapassar 6 (seis) meses.
3 - O modo de calcular o período de serviço para determinar o direito a férias será fixado pela autoridade competente ou pelo órgão apropriado de cada país.
4 - Nas condições a serem determinadas pela autoridade competente ou pelo órgão apropriado de cada país, as faltas ao trabalho por motivos independentes da vontade individual da pessoa empregada interessada tais como faltas devidas a doenças, a acidente, ou a licença para gestantes, não poderão ser computadas como parte das férias remuneradas anuais mínimas previstas no parágrafo 3 do Artigo 3 da presente Convenção."

Analisando o texto legal transcrito, depreende-se que todo o trabalhador que não tenha completado o integral período necessário à obtenção do direito à totalidade das férias terá direito a exata fração proporcional do período laborado. Limite a este direito é a estipulação, pelo legislador pátrio, de um período mínimo para contagem das proporcionalidades, piso este que não poderá ultrapassar a 6 (seis) meses. (Artigo 5, tópico 2 da OIT n. 132).

Ocorre que, observando a norma celetista atualmente vigente, denotamos que nosso legislador não estipulou qualquer limite para contagem de proporcionalidade de férias, ou, em interpretação mais ampla, apontou como limite a fração de 15 (quinze) dias, na forma disposta pelo parágrafo único do art. 146 da CLT. Vejamos:

"Art. 146 - Na cessação do contrato de trabalho, qualquer que seja a sua causa, será devida ao empregado a remuneração simples ou em dobro, conforme o caso, correspondente ao período de féria cujo direito tenha adquirido.

Parágrafo único. Na cessação do contrato de trabalho após 12 (doze) meses de serviço, o empregado, desde que não haja sido demitido por justa causa, terá direito à remuneração relativa ao período incompleto de férias, de acordo com o art. 130, na proporção de 1/12 (um doze avos) por mês de serviço ou fração superior a 14 (quatorze) dias."

Destarte, realizando uma interpretação sistemática da CLT, juntamente com as alterações impostas pelo reconhecimento da OIT n. 132, correto é entender que, mesmo ao empregado que conte com menos de um ano de prestação de serviço, mas possua fração igual ou superior a 15 dias de labor, terá direito ao pagamento da exata proporcionalidade de férias. E, seguindo este atual entendimento, foi publicado o Enunciado 261 do TST, anteriormente transcrito.

Assim, em face do exposto, entendemos que a atual redação do Enunciado 261 do TST apenas aproximou o entendimento jurisprudencial a previsão constante da OIT 132, pacificando a discussão quando a aplicabilidade ou não deste instituto no direito pátrio.

Guido Salles - camposafc@hotmail.com
Carlos Negrini

Usuário Novo

profissãoContador(a)
mensagens28
pontos173
membro desde08/08/2007
cidadeSao Carlos - SP
Postada:Quarta-Feira, 22 de agosto de 2007 às 11:43:32
Guido e Marileide, agradeço a atenção. Tenho conhecimento destas Leis e hipóteses, mas como não cuido de nenhuma empresa de segurança, sempre é bom perguntar aos mais experientes.
Conceição Lupo

Usuário Freqüente

profissãoAssistente Depto. Pessoal
mensagens80
pontos807
membro desde12/03/2007
cidadeSao Jose dos Campos - SP
Postada:Quarta-Feira, 22 de agosto de 2007 às 11:49:47
(Regra 14) Mensagem digitada em CAIXA ALTA (CAPS LOCK) ou totalmente formatada (negrito, itálico, etc). por Rogério César em 26/06/2012 18:35:13
carlos, também faço a folha de uma empresa de segurança e não tem nada que a distingua legalmente de outras empresas no que se refere as férias proporcionais pagas em rescisão

Você precisa ser cadastrado para responder mensagens

Quem participa

Facebook

Receba Novidades


POSTS RELACIONADOS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

Quem participa

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários e visitantes deste site, tudo nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Página carregada em 0.41 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César