Contábeis o portal da profissão contábil

1
Set 2014
20:26

BUSCAR NO FÓRUM

buscar


Distribuição de lucros - Simples Nacional

99   respostas
66.097   acessos
  

mostrando página 1 de 4
1 2 3 4

POSTS RELACIONADOS

Marcos Aurelio Pinheiro

Usuário 2 Estrelas Novas

postada em: Terça-Feira, 23 de outubro de 2007 às 22:45:20
Por favor queria uma orientação se ocorreu alguma alteração na distribuição de lucros nas empresas inscritas no Simples Nacional a partir de 1º de julho de 2007?
Grato, Marcos
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Quarta-Feira, 24 de outubro de 2007 às 00:35:34
Boa noite Marcos

As normas para distribuição de lucros apurados nas empresas optantes pela sistemática do Simples Nacional constam nos parágrafos 1º e 2º e no caput do Artigo 14º da LC 123/2006 cuja íntegra abaixo transcrevo:

Art. 14. Consideram-se isentos do imposto de renda, na fonte e na declaração de ajuste do beneficiário, os valores efetivamente pagos ou distribuídos ao titular ou sócio da microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional, salvo os que corresponderem a pró-labore, aluguéis ou serviços prestados.

§ 1o A isenção de que trata o caput deste artigo fica limitada ao valor resultante da aplicação dos percentuais de que trata o art. 15 da Lei no 9.249, de 26 de dezembro de 1995, sobre a receita bruta mensal, no caso de antecipação de fonte, ou da receita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido na forma do Simples Nacional no período.

§ 2o O disposto no § 1o deste artigo não se aplica na hipótese de a pessoa jurídica manter escrituração contábil e evidenciar lucro superior àquele limite.


...
Marcos Aurelio Pinheiro

Usuário 2 Estrelas Novas

postada em: Quarta-Feira, 24 de outubro de 2007 às 08:46:41
Obrigado, pela ajuda Sr. Saulo, mas ainda tenho uma duvida, se caso a empresa distribuir o lucro mensal acima do limite de isenção, e nao tenha escrituração contabil, como sera tributado e pago este imposto (Calculo e prazo de recolhimento) posso usar a tabela progressiva para o calculo do IR, ou tem outra forma?
Mais uma vez, obrigado
marcos
Marcos Aurelio Pinheiro

Usuário 2 Estrelas Novas

postada em: Quarta-Feira, 24 de outubro de 2007 às 09:05:31
Sr. Saulo, pesquisei sobre o assunto, e acho que o valor acima do limite de isenção, estão sujeitos ao imposto de renda na fonte, sendo aplicado as normas referentes aos rendimentos de aplicações financeiras de renda fixa - art 1º da lei 11.033/2004, mas qual seria a aliquota, ainda nao sei?
Marcos
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Quarta-Feira, 24 de outubro de 2007 às 09:22:47
Bom dia Marcos,

Lê-se nos §§ 3º e 4º do Inciso II do Artigo 48º da IN SRF 93/97 que trata dos "Lucros e Dividendos Distribuídos" que:

§ 3º A parcela dos rendimentos pagos ou creditados a sócio ou acionista ou ao titular da pessoa jurídica submetida ao regime de tributação com base no lucro real, presumido ou arbitrado, a título de lucros ou dividendos distribuídos, ainda que por conta de período-base não encerrado, que exceder ao valor apurado com base na escrituração, será imputada aos lucros acumulados ou reservas de lucros de exercícios anteriores, ficando sujeita a incidência do imposto de renda calculado segundo o disposto na legislação específica, com acréscimos legais.

§ 4º Inexistindo lucros acumulados ou reservas de lucros em montante suficiente, a parcela excedente será submetida à tributação nos termos do art. 3º, § 4º, da Lei nº 7.713, de 1988, com base na tabela progressiva a que se refere o art. 3º da Lei nº 9.250, de 1995.
(eu grifei)

Pelo exposto, você tem razão ao afirmar (primeiramente) que os lucros distribuídos serão tributados com base na Tabela Progressiva e terão como fato gerador o mês em que foram distribuídos (pagos ou creditados)

...
Marcos Aurelio Pinheiro

Usuário 2 Estrelas Novas

postada em: Quarta-Feira, 24 de outubro de 2007 às 10:00:50
Mais uma vez obrigado pela ajuda, mas a empresa esta no regime do "simples Nacional", a in srf 93/97, nao trata da tributação da empresas com base no lucro real, presumido ou arbitrado só?
Grato, marcos
Stela Maris do Prado

Usuário Iniciante

postada em: Sexta-Feira, 18 de janeiro de 2008 às 10:18:27
Bom dia.
Alguém pode me explicar na prática como apurar distribuição de lucros de uma ME que está no Simples Nacional?

Obrigada
postada em: Sexta-Feira, 18 de janeiro de 2008 às 10:43:03
Bom Stela,

Como o nosso amigo Saulo explicou, de acordo com o Art. 14 da LC 123/2006, são isentos do imposto de renda, na fonte e na declaração de ajuste do beneficiário, os valores efetivamente pagos ou distribuídos ao titular ou sócio da microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional, salvo os que corresponderem a pró-labore, aluguéis ou serviços prestados. Esta isenção fica limitada ao valor resultante da aplicação dos percentuais de que trata o art. 15 da Lei no 9.249, de 26 de dezembro de 1995, sobre a receita bruta mensal, no caso de antecipação de fonte, ou da receita bruta total anual, tratando-se de declaração de ajuste, subtraído do valor devido na forma do Simples Nacional no período.

Percentuais identificados no art. 15 da Lei nº 9.249/ 1995:
Venda de Mercadoria /Revenda de mercadoria - 8%
Revenda de combustíveis - 1,6%
Serviços de transporte passageiros - 16%
Serviços de transporte de cargas - 8%
Prestação de serviços em geral - 32%
Administração e locação de imóveis de terceiros - 32%

Limite distribuição Lucro Isento IRRF = ( Receita Bruta mensal X percentual - valor devido na forma do Simples Nacional no período, relativo ao IRPJ)

Ex: Supermercado, tributado pelo Simples Nacional no Anexo 1, seção 1, Tabela 1. Alíquota de 6,84% (receita bruta de 240.000,01 a 360.000,00) - Percentuais identificados no art. 15 da Lei nº 9.249/ 1995 de 8% - Receita bruta no ano: R$ 300.000,00:
Com os dados temos:

R$ 300.000,00 x 8% = R$ 24.000,00
Valor pago de IRPJ 0,31% = R$ 300.000,00 x 0,31% = R$ 930,00
Limite para isenção: R$ 24.000,00 - R$ 930,00 = R$ 23.070,00.

Sendo assim, a empresa pode distribuir aos sócios, a título de Lucros, com isenção do IR o valor de R$ 23.070,00.

Obs: Se a empresa manter uma contabilidade que comprove um lucro maior, este lucro poderá ser distribuido com a isenção.

Sempre pesquise antes de postar
Visite o meu Facebook.
***CCB
Stela Maris do Prado

Usuário Iniciante

postada em: Sexta-Feira, 18 de janeiro de 2008 às 15:19:12
Wilson,
O 0,31% que vc aplicou sobre R4 300.000,00, é regra? Sempre vai ser 0,31%?
Se a empresa ME/EPP (livro caixa) apresentar lucro superior a R$ 23.070,00, posso distribuir com isenção de IR???
Então posso continuar distribuindo saldo de caixa?
postada em: Sexta-Feira, 18 de janeiro de 2008 às 19:08:17
Stela,

O 0,31% que vc aplicou sobre R4 300.000,00, é regra? Sempre vai ser 0,31%?

No exemplo, a empresa paga 6,84% de Simples Nacional, pois tem a receita bruta na faixa de de 240.000,01 a 360.000,00.
Da alíquota de 6,84%: 0,31% é de IRPJ + 0,31% de CSLL + 0,95% Cofins + 0,23% PIS/PASEP + 2,71% de INSS + 2,33 de ICMS.

Se a empresa ME/EPP (livro caixa) apresentar lucro superior a R$ 23.070,00, posso distribuir com isenção de IR???

Se for apresentado durante o período o lucro superior a R$ 23.070,00, pode ser distribuído sim com a isenção.
Mas vale lembrar que lucro não é saldo positivo em caixa.
O lucro é o valor positivo do valor das vendas - as despesas (custo da mercadoria vendida, impostos, salários, etc.).
Para comprovar se houve lucro ou prejuízo, é necessário fazer a DRE - Demonstrativo de Resultado do Exercício.

Sempre pesquise antes de postar
Visite o meu Facebook.
***CCB
postada em: Terça-Feira, 29 de janeiro de 2008 às 14:49:23
Desde 01/07/2007 a distrib.de lucros dos sócios de empresas do simples nacional passou a ser limitado com excessão de PJ que mantem escrituração contábil e evidenciar lucro superior.
Mas por exemplo uma empresa que em determinado mês só pode distribuir lucro isento no valor de $1000,00 e distribuir ao sócio $1200,00, como será aplicada a tabela progressiva para cálculo do ir, pois tanto $1000,00 ou $200,00(1200-1000) não atingem o valor para calculo do irrf?
postada em: Segunda-Feira, 28 de abril de 2008 às 23:16:48
Saulo, Boa noite!

Desculpe por incomoda-lo! mas preciso de sua ajuda, se puder me ajudar eu agradeço!.

Tenho uma empresa prestadora de serviços tributada pelo lucro presumido.

Este ano houve um faturamento de 120.800,00, mensalmente pago os impostos e transfiro a diferença do montante para minha conta.
Faço o pagamento do pro-labore de 1 sal. minimo. apenas 1 socio retira pro-labore.

a perqunta é:

Onde lanço o vr. do montante liquido recebido no meu IRPF?

Por favor, me ajude?

e muito Obrigado!
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Segunda-Feira, 28 de abril de 2008 às 23:37:14
Boa noite Marlene,

Você não pode tão simplesmente "pagar os impostos e transferir o restante para sua conta". Isto porque está confundindo a Pessoa Jurídica com a Física e ferindo o Princípio da Entidade.

As empresas sujeitas a tributação pelo Lucro Presumido têm basicamente duas formas de distribuir lucros:

01 - A empresa não mantém escrituração contábil completa, e se sujeita ao regime da caixa. Neste caso distribuirá os lucros com base no percentual aplicado a titulo de presunção de lucros já diminuido do pagamento dos impostos, ou

02 - A empresa mantém escrituração contábil completa. Neste caso distribuirá os lucros com base no lucro contábil apurado em Balanço Patrimonial.

Eu explico:

Vamos supor que sua empresa faturou 100.000,00 durante o ano e que tenha pago 2.000,00 de impostos e 45.000,00 de despesas.

Na alternativa primeira a conta seria assim:
Receita (vezes) percentual de presunção (menos) impostos pagos (igual) aos lucros que podem ser distribuidos, ou:

(100.000,00 x 32%) - 2.000,00
32.000,00 - 2.000.00 =
30.000,00 (lucro a ser distribuido)

Na segunda alternativa a conta seria assim;
Receita (menos) despesas incluindo os impostos pagos (igual) a lucros que podem ser distribuidos, ou:

[(100.000,00-(45.000,00+2.000,00)]
(100.000,00-47.000,00) =
53.000,00 (lucro a ser distribuido)

Como pode ver, os lucros a serem distribuidos dependerão da forma (regime) que é elaborada sua contabilidade.

Tenha em conta ainda, que mesmo mantendo escrituração contábil completa, tem que haver "dinheiro em caixa" para permitir a distribuição dos lucros, e mesmo que haja, você não deve retirar o total, deve deixar uma parte como lucros acumulados para que a empresa se desenvolva e demonstre ser promissora diante dos estabelecimentos de crédito.

...
postada em: Terça-Feira, 29 de abril de 2008 às 14:32:11
Na verdade Saulo, eu tenho esta empresa somente para efeito de emissão de nota fiscal, pois, a empresa q. presto serviços exige q. seja PJ. e os numérarios q. entram são nosso salario mensal. para nossa sobrevivencia. é tanto q. emito 1 nota por mes. presto serviço somente para um cliente. e a empresa q. tenho é prestadora de serviços de informatica.

Fico na duvida de como lançar estes valores
o pro-labore ( 1 salario minimo mensal) lançei no IRPF como valores tributaveis recebidos de pessoa fjuridica. e o restante.?

As Despesas da empresa são:


IRPJ - 2,40%(ate 120.0000 anual) ultrapassei 800,00 este ano)
CSSL - 1,88%
pis _ ,65%
confins- 3,00%
ISS - 2%
GPS- 31% s/ o sal. min. (20% da empresa e 11% de 1 socio)

a empresa é formada por 2 sócios:

95%
5% - este socio, ñ tem retirada de pro-labore.

Saulo, espero q. possa me ajudar, e as explicaçoes acima foram de grande valia.

Muito Obrigado!
E Deus lhe abençõe!
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Quarta-Feira, 30 de abril de 2008 às 08:17:08
Bom dia Marlene,

Hoje é o último dia para entrega da DIRPF.

Se você não tem a necessidade de comprovar a origem de dinheiros usados para aquisições de bens, depósitos bancários e aplicações financeiras, entregue sua DIRPF informando apenas os rendimentos percebidos a titulo pró-labore.

Estes devem ser informados, juntamente com o INSS, na ficha "Rendimentos Tributáveis Recebidos de Pessoas Jurídicas"

Posteriormente falaremos acerca da distribuição de lucros que no ano de 2007 podem ficar acumulados.

A meu ver, você tem um problema um pouco mais grave e urgente para resolver, que é o pagamento do IRPJ da Pessoa Jurídica.

Isto porque se ultrapassar o limite de R$ 120.000,00 anuais (que você disse ter ultrapassado) estará sujeita ao recolhimento da diferença de 16% para 32% desde o mês de Janeiro de 2007.

É o que se lê nas orientações dadas (acerca do assunto) pela Receita Federal, cuja integra transcrevo:

Determinação da Base de Cálculo do Imposto Por Meio de Percentual Favorecido

As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços em geral mencionadas nas alíneas "d.2" a "d.5" acima, cuja receita bruta anual seja de até R$120.000,00, poderão utilizar, para determinação da base de cálculo do imposto de renda trimestral, o percentual de 16% (dezesseis por cento).

A pessoa jurídica, cuja receita bruta anual acumulada até determinado trimestre do ano-calendário exceder o limite anual de R$120.000,00 (cento e vinte mil reais), deverá determinar nova base de cálculo do imposto com a aplicação do percentual de 32% (trinta e dois por cento), de acordo com o disposto no § 4° do art. 36 da IN SRF n° 93, de 1997, e apurar a diferença do imposto postergado em cada trimestre transcorrido, no trimestre em que foi excedido o limite.

Esta diferença deverá ser paga em quota única, por meio de Darf separado, no código 2089, até o último dia útil do mês subseqüente ao trimestre em que ocorrer o excesso. Após este prazo, a diferença será paga com os acréscimos legais (IN SRF n° 93, de 1997, art. 36, §§ 5° e 6°).


confira:

...
Stela Maris do Prado

Usuário Iniciante

postada em: Quarta-Feira, 30 de abril de 2008 às 08:37:11
Bom dia Saulo,
Eu estava lendo as perguntas da Marlene, e pergunto:
A aliquota das empresas que elaboram programas de computador não é 32%, mesmo que a empresa fatura ( - ) que R$ 120.000,00?

Aguardo
Stela Maris do Prado

Usuário Iniciante

postada em: Quarta-Feira, 30 de abril de 2008 às 11:32:12
Bom dia Wilson,
Para demonstrar o lucro através da DRE na empresa que faz somente livro caixa não basta, não é mesmo? Preciso fazer contabilidade completa para distribuir o lucro contábil.

Aguardo
postada em: Quarta-Feira, 30 de abril de 2008 às 12:15:45
Bom dia Saulo,

Vou fazer como vc. me orientou acima.

Em relação ao limite anual q. ultrapassei, estou ciente q. terei q. pagar a diferença dos impostos. minha unica dúvida é:

terei q. pagar essas diferenças de porcentagem desde jan/07 ou apenas o trimestre q. ultrapassei. e foi justamente o ultimo trimestre. fui fazer um favor à um amigo, de emitir uma nota fiscal. pra uma empresa q. ele prestou serviços. e sai do meu limite mensal.

Saulo, quero lhe agradecer, por td. q. vc. tem feito por mim. Vc. me ajudou muito.

e Que Deus abençõe vc. e toda sua familia.

Obrigado!
postada em: Quarta-Feira, 30 de abril de 2008 às 12:21:59
Exatamente Stela,

Apenas com o Livro Caixa não tem como demonstrar que a empresa obteve Lucro. É necessário ter a Contabilidade Completa.

Dê uma lida nesta postagem e veja mais sobre a Contabilidade das Empresas.

Sempre pesquise antes de postar
Visite o meu Facebook.
***CCB
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Sexta-Feira, 2 de maio de 2008 às 13:58:52
Bom dia Stela,

Lê-se nas orientações da Receita Federal acerca da "Determinação da Base de Cálculo do Imposto Por Meio de Percentual Favorecido" que:

As pessoas jurídicas exclusivamente prestadoras de serviços em geral mencionadas nas alíneas "d.2" a "d.5" acima, cuja receita bruta anual seja de até R$120.000,00, poderão utilizar, para determinação da base de cálculo do imposto de renda trimestral, o percentual de 16% (dezesseis por cento).

Os itens d.2 a d.5 citados são:

d.2) intermediação de negócios;

d.3) administração, locação ou cessão de bens imóveis, móveis ou direitos de qualquer natureza;

d.4) construção por administração ou por empreitada unicamente de mão-de-obra;

d.5) prestação de qualquer outra espécie de serviço não mencionada anteriormente.


Tenha em conta que a Marlene não mencionou ser a empresa dela desenvolvedora de programas para computadores. E mesmo que o tivesse feito, já há o entendimento que o desenvolvimento de softwares não depende de profissão legalmente habilitada.

Tanto assim é que empresas que exploram esta atividade, desde que desenvolvam os programas no âmbito de suas empresas, podem aderir a sistemática do Simples Nacional.

...
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Sexta-Feira, 2 de maio de 2008 às 14:12:35
Boa tarde Marlene,

A obrigação do recolhimento do IRPJ referente a diferença entre a presunção de 32% e 16% por ter a empresa extrapolado o limite de R$ 120.000,00 anuais, retroage ao mês de Janeiro do ano em questão.

É o que determina a integra do § 4º do Artigo 36º da IN SRF 93/97 :

§ 4º A pessoa jurídica que houver utilizado o percentual de que trata o § 3º para o pagamento trimestral do imposto, cuja receita bruta acumulada até determinado trimestre do ano-calendário exceder o limite de R$ 120.000,00 (cento e vinte mil reais), ficará sujeita ao pagamento da diferença do imposto ostergado, apurada em relação a cada trimestre transcorrido. (eu grifei)

Vale dizer que segundo o dispositivo de acima, a diferença deverá ser recolhida desde o primeiro trimestre ou desde o mês de Janeiro.

Leia mais acerca do assunto.

...
André Nakayama

Usuário Novo

postada em: Quarta-Feira, 8 de abril de 2009 às 14:52:42
Saulo, boa tarde!!!


Quando uma empresa tem IRRF com cod 1708, quando ela for recolher o IRPJ com cod 2089, é recolhido somente a diferença? A Receita federal reconhece apesar de ser códigos diferentes?
Aguardo retorno, grato.
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Quarta-Feira, 8 de abril de 2009 às 18:18:26
Boa noite André,

Se o Imposto de Renda foi retido na fonte sobre serviços prestados, deve sim ser compensado com o devido mensal ou trimestralmente sobre as receitas normais da empresa, pois trata-se de adiantamento deste último.

A despeito de recolhidos com código da receita diferentes o sistema da Receita fará a compensação automáticamente.

...
Edilson Monteiro

Usuário Novo

postada em: Quinta-Feira, 17 de dezembro de 2009 às 10:10:38
A minha empresa revende suportes para tv e vídeo sendo optante pelo simples nacional.

O lucro mensal é de 5.000,00 sendo maior que o valor tributado.

Pergunto. Como posso provar esta informação na contabilidade?

Sendo este lucro mensal, a distribuição é tributável ?

Qual a lei que posso me amparar ?

Grato

Edilson Monteiro
analista@brasforma.com.br

postada em: Quinta-Feira, 17 de dezembro de 2009 às 10:35:09
Bom dia Edilson Monteiro!


Em primeiro lugar gostaria de lhe dar as Boas Vindas em nome de todos aqui do Fórum.
É um prazer tê-lo aqui e espero que goste do nosso Fórum, aprenda muito e nos ajude ainda mais.

Em relação à sua dúvida, confesso a você que não consegui entender o que você quiz dizer com:
"... sendo maior que o valor tributado."
Não sei como que um lucro pode ser maior que o faturamento de uma empresa.
No Simples Nacional, a base de cálculo (ou o valor tributado) é o valor total das vendas da empresa, com alguns abatimentos previstos em lei, como por exemplo, as vendas canceladas.
Desta forma, não consigo imaginar uma empresa onde o seu lucro é maior que o seu faturamento.


Como posso provar esta informação na contabilidade?
Sendo este lucro mensal, a distribuição é tributável ?
Qual a lei que posso me amparar ?

Como já dissemos nesta mesma postagem, para que a empresa possa provar a existência de lucros, faz-se necessário que mantenha a escrituração contábil completa que, aliás, é obrigatório para todas as empresas (Clique aqui e veja mais detalhes sobre esta obrigação).
Adistribuição de lucros é sim isenta do IR na Declaração de Anual (DIRPF) dos sócios e, você encontrará a base legal em nossas postagens acima.


Temos muitas postagens sobre este assunto aqui no Fórum Contábeis. Por isso, aconselho a fazer uma pesquisa e a dar uma lida nas Regras do Fórum, pois não é permitido postar sem antes fazer uma pesquisa.


Caso persistirem as dúvidas, volte a postar.

Sempre pesquise antes de postar
Visite o meu Facebook.
***CCB
Adaiane Catapan

Usuário Novo

postada em: Quinta-Feira, 21 de janeiro de 2010 às 14:25:48
Posso distribuir lucros do caixa da empresa ou necessariamente precisa ser depósito em conta (banco)?
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Sábado, 23 de janeiro de 2010 às 14:27:11
Boa tarde Adaiane,

Ainda que seja aconselhável - para prova irrefutável do fato - o "pagamento" dos lucros distribuídos pode ser em espécie (dinheiro de caixa).

Entretando é imprescindível que seja efetuado contra recibo e demonstrativo do cálculo que permitiu a distribuição, assinado pelo sócio e o responsável pela empresa.

...
postada em: Terça-Feira, 26 de janeiro de 2010 às 00:30:19
Boa Noite Saulo!!

Tenho uma empresa que é do simples nacional e estou fechando o balanço de 2009 com um lucro apurado de R$ 35.000,00. Faço a escrituração contábil completa dela. Um dos sócios retirou antecipadamente a titulo de "antecipação de lucros" um total acumulado de R$ 15.000,00 o outro sócio pela mínima participação não retirou nenhum valor.
Tenho as seguintes dúvidas:

1) Como seria o lançamento dessa antecipação de lucros?

2) Os sócios resolveram utilizar o lucro apurado p/ aumento do capital da empresa, então como seria esse lançamento na contabilidade e qual valor seria utilizado p/ esse aumento? os 20.000 restantes?

3) Como devo lançar na DIRPF desses sócios esses valores distribuídos? Seriam todos isentos e lançados pelo total como dist. de lucros?

Grata
Pollyana Dias
Saulo Heusi

Usuário VIP

postada em: Terça-Feira, 26 de janeiro de 2010 às 07:36:04
Bom dia Pollyana,

Na mesma ordem aposta por você.

1) - Uma vez que houve a antecipação da distribuição de lucros para um dos sócios, obrigatoriamente - por menor que seja a participação do segundo sócio - este também deve receber (proporcionalmente) a parte que lhe cabe.

O registro contábil da antecipação é o seguinte:

pela antecipação dos lucros
D - Antecipação de lucros (AC)
C - Caixa ou Bancos Conta Movimento (AC)

2) - O saldo de lucros verificados no encerramento do excercicio e levantamento do Balanço Patrimonial, pode ser usado para aumento do Capital Social, entretanto deve ser respeitada a proporcionalidade de participação de cada sócio no Capital Social.

Vale dizer que o percentual de participação no Capital Social deve ser mantido, assim se um um sócio tem 90% das quotas e o outro apenas 10%, o lucro deve ser integralizado nestas proporções.

3) - Na DIRPF dos sócios, os lucros devem ser informados na Linha 05 da ficha "Rendimentos Isentos e Não Tributáveis".

Quando do encerramento do exercício e levantamento do Balanço Patrimonial, os lucros apurados devem obedecer os seguintes lençamentos:

pela apuração e destinação dos lucros
D - Resultado do Exercicio (CR)
C - Lucros a Distribuir (CR) - 30.000,00

pela absorção dos lucros distribuidos por antecipação
D - Lucros a Distribuir (CR)
C - Antecipação de Lucros (AC) - 15.000,00

pela transferência para aumento de capital
D - Lucros a Distribuir (CR)
C - Reserva para Aumento de Capital (PL) - 15.000,00

Uma vez promovida a alteração do Contrato Social para aumento do Capital, elabore o seguinte lançamento contábil:

D - Reserva para Aumento de Capital (PL)
C - Capital Social Integralizado (PL) - 15.000,00

...
postada em: Terça-Feira, 26 de janeiro de 2010 às 11:05:20
Bom dia Saulo!!


Muito obrigada pela informação clara e objetiva!!!


mostrando página 1 de 4
1 2 3 4

Você precisa ser cadastrado para responder mensagens

Quem participa

ACOMPANHE NOSSO PORTAL FACEBOOK

facebook.com/portalcontabeis

Receba Novidades


Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

POSTS RELACIONADOS

ACOMPANHE NOSSO PORTAL FACEBOOK

facebook.com/portalcontabeis

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários e visitantes deste site, tudo nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Página carregada em 1.37 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César