Contábeis o portal da profissão contábil

28
Mai 2016
02:38
você está em:

Informações » Notícias

Cidades pequenas registram saldos de emprego mais elevados em 2015

Municípios no interior com população reduzida apresentaram números positivos para o mercado de trabalho no ano passado. Porém, pesquisa mostrou aumento do desemprego no País

postado 22/02/2016 08:28:11 - 1.017 acessos

São Paulo - Enquanto as capitais brasileiras terminaram 2015 com o mercado de trabalho no "vermelho", cidades pequenas e médias dominaram a lista dos melhores saldos de emprego registrados no ano.

Na primeira posição do ranking, aparece Canaã dos Carajás (PA), município com cerca de 35 mil habitantes, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2015, a criação de postos de trabalho na cidade superou as demissões e foi atingido superávit de 2.801 vagas, aponta o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

O saldo positivo foi obtido graças à construção de um complexo para mineração da Vale em Canaã, explicou Geann Soares, diretor local do Sistema Nacional de Emprego (Sine). "Foi o projeto S11D, para extração de minério de ferro, que ajudou na criação de vagas entre 2010 e 2015." Nos últimos seis anos, o mercado de trabalho do município foi reforçado com 12.565 postos.

Entretanto, a perspectiva para a cidade não é boa. Com o encerramento das obras da Vale, estimado para outubro deste ano, Soares acredita que deve haver fechamento de vagas e saída de empregados para outros municípios. "Cerca de 10 mil pessoas devem parar de trabalhar por aqui e muitas delas vão seguir com suas empresas para lugares diferentes."

Pontal do Paraná (PR), segunda colocada no ranking, também foi ajudada por um fator pontual. Com o aumento da fiscalização trabalhista, muitas empresas da cidade de 25 mil habitantes precisaram registrar seus funcionários durante o ano passado, o que possibilitou o saldo positivo de 2.265 vagas, informou Jaime Luís Cousseau, diretor de desenvolvimento do município.

O executivo disse ainda que a fábrica local da Techint, que produz plataformas para estações da Petrobras, também favoreceu a geração de postos de trabalho no ano passado. "Eles devem contratar ainda mais gente no primeiro semestre de 2016", afirmou Cousseou.

Exportação

A alta do dólar também ajudou trabalhadores de algumas cidades do País. Matão (SP), por exemplo, conseguiu superávit de 2.110 postos no ano passado. O município de 81 mil habitantes conta com fábricas da Dreyfus e da Citrosuco, empresas que produzem suco de laranja para exportação.

William Bassi, secretário de desenvolvimento econômico de Matão, tem estimativa otimista para 2016. "Com a manutenção do câmbio, creio que podemos ter mais um ano com saldo positivo por causa da venda do suco de laranja."

E situação semelhante acontece em Bebedouro (SP). Em entrevista concedida ao DCI no final do ano passado, Lucas Seren, secretário de Desenvolvimento Econômico municipal, ressaltou a importância do comércio exterior para a geração de empregos na cidade.

"Temos a alta do dólar e problemas nos pomares de Flórida [EUA], que diminuíram a produção local. Com isso, nós conseguimos ampliar nossas exportações, o que aqueceu a economia, movimentou o mercado e gerou emprego."

Bebedouro tem população aproximada de 78 mil habitantes e registrou saldo positivo na geração de vagas de 1.662 no acumulado de 2015.

Desemprego

Na ponta oposta do ranking, aparecem as maiores cidades do País. Os cinco municípios com maiores déficits de vagas são capitais estaduais: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Manaus. Juntas, as cinco registraram perda de 365.470 postos de trabalho.

De acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua, levantamento do IBGE divulgados na última sexta-feira, a taxa de desocupação no Brasil ficou em 9% no trimestre encerrado em novembro de 2015. O resultado manteve o desemprego no maior patamar registrado pela série histórica da pesquisa, iniciada no primeiro trimestre de 2012.

"A indústria foi, sem dúvida, o grupamento que foi mais afetado no processo de perda de postos de trabalho, incluindo a indústria de transformação", afirmou Cimar Azeredo, coordenador de Trabalho e Rendimento do IBGE.

O setor cortou 821 mil vagas no trimestre encerrado em novembro em relação a igual período de 2014. O resultado equivale a uma queda de 6,1% no total de pessoas ocupadas na indústria.

Outro setor com alta dispensa de trabalhadores foi o de informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas, com recuo de 6,3% no número de ocupados, o equivalente a 668 mil vagas. O segmento de outros serviços (-3,3%) também teve resultado fraco no período.

Renato Ghelfi e Agências

Fonte: DCI

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.08 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César