Contábeis o portal da profissão contábil

28
Sep 2016
19:11
você está em:

Informações » Notícias

Vendas no varejo devem cair ainda mais

Estudos da ACSP projetam que a queda deve atingir 7,4% até junho. Com a renda e o emprego degradados, o consumidor está receoso em ir às compras, e nada indica mudança no curto prazo

postado 01/03/2016 17:35:39 - 845 acessos

As vendas do varejo paulista recuaram 5,9% no ano passado afetadas, principalmente, pela restrição e encarecimento do crédito e pela queda na renda e no emprego.

Esses fatores têm impacto direto no consumo das famílias, e eles continuam a fustigar o brasileiro em 2016, o que leva as projeções da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) a apontarem para um recuo ainda maior nas vendas deste ano.

Tendo como parâmetro o resultado acumulado em 12 meses, a ACSP prevê que a queda de 5,9% se aprofundará e encerrará o primeiro semestre com uma contração, em termos anuais (acumulada em 12 meses), de 7,4%, frente ao mesmo período de 2015.

Para projetar o comportamento das vendas a entidade usa o seu Índice Nacional de Confiança (INC), que mede a disposição do consumidor em gastar. Atualmente este índice mostra um pessimismo acentuado.

“A piora das condições financeiras e a menor segurança no emprego continuam a provocar quedas recordes na confiança do consumidor, e, portanto, em sua disposição a comprar durante os próximos meses. Esperamos que, a partir do segundo semestre, o setor recupere parte dessas perdas, e termine o ano com desempenho melhor que 2015”, comenta Alencar Burti, presidente da ACSP e da Facesp.

“É preciso esclarecer que a falta de confiança do consumidor não é a causa dos números negativos, mas sim uma consequência da diminuição da renda, do receio de perder o emprego, da maior dificuldade para se obter crédito”, diz Ulisses Gamboa, economista da ACSP.

Para ele, o varejo paulista sente mais fortemente o impacto desses fatores macroeconômicos devido à crise da indústria, setor que têm grande peso na economia da região, mas que vem demitindo e reduzindo salários para se ajustar à economia recessiva.

Com o consumidor menos disposto a comprar, foram poucos os segmentos do varejo que conseguiram fechar 2015 com as vendas positivas.

Dos nove segmentos pesquisados pela ACSP no relatório periódico ACVarejo, apenas dois registraram aumento nas vendas: farmácias e perfumarias, com alta de 3,1% no ano, e supermercados, com 0,6% de crescimento. 

O pior resultado foi registrado pelas concessionárias de veículos, que registraram queda de 17,3% nas vendas de 2015. “Trata-se de um setor que depende muito do crédito, que está cada vez mais restrito”, diz Gamboa.

Se for considerado o varejo restrito, que exclui as vendas de veículos e de materiais de construção, a queda nas vendas diminui um pouco, com recuo de 3,5% ao longo do ano passado.

Em 2015, o faturamento do varejo restrito do Estado de São Paulo aumentou 3,6%, enquanto que o varejo ampliado (considerando concessionárias de veículos e lojas de materiais de construção) avançou 1%.

REGIÕES

O ACVarejo mostra que o volume de vendas do varejo ampliado da capital paulista recuou 6,6%, acima da média do estado. Entre as 16 regiões pesquisadas no levantamento, apenas duas auferiram elevação: Presidente Prudente, com alta de 0,1% nas vendas e a região metropolitana do Alto do Tietê, com elevação de 7%. 

 

Fonte: Diario do comercio

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.05 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César