Contábeis o portal da profissão contábil

31
Aug 2016
01:19
você está em:

Informações » Notícias

Aumento da incerteza política deve deprimir ainda mais o crédito

Na melhor das hipóteses, o crédito crescerá apenas um dígito em 2016, embora os menos otimistas trabalhem com cenário de retração das carteiras

postado 21/03/2016 10:35:36 - 623 acessos

O aprofundamento da crise política no Brasil, estampada nas manifestações contra e a favor do governo Dilma Rousseff, deve pesar na demanda por crédito, já bastante deprimida, contribuindo para a paralisação da economia em um momento em que se discutem medidas para a retomada do crescimento, segundo executivos ouvidos pelo Broadcast, serviço em tempo real daAgência Estado.

Associado ao impacto da deterioração do desemprego, que eleva os calotes e faz os bancos serem ainda mais conservadores para emprestar, a instabilidade política traz um fator negativo adicional para o desempenho das carteiras no primeiro trimestre, tradicionalmente mais fraco.

Em alguns bancos, o clima político mais intenso e as manifestações já começam a impactar a demanda por crédito, conforme relatam executivos dessas instituições.

Um deles pondera que o patamar dos meses anteriores já estava baixo e que  portanto, o reflexo até o momento ainda não é tão grande.

No entanto, lembra que a volatilidade atual, que tem pressionado o dólar em relação ao real, pode afetar o crescimento das carteiras caso, no fechamento do primeiro trimestre, a moeda fique muito abaixo da cotação de dezembro, de R$ 3,90.

Sob o ponto de vista de crédito, um executivo de um grande banco de varejo destaca que o reflexo do cenário atual se estende para todos, desde o aposentado que vai tomar um consignado até o empresário que decide se amplia seu negócio ou não.

"A falta de confiança é negativa. Além de tudo, cria mais incerteza ainda. Todo esse processo (político) gera mais volatilidade, o que é muito ruim para a economia. Já estamos em um nível inédito. A última vez que tivemos um processo parecido foi em meio ao bloqueio de recursos, no governo Collor. Todo mundo puxou o freio", compara ele.

Os investimentos, já escassos, não devem ocorrer no contexto atual, com o crédito sendo puxado, principalmente, pelo capital de giro, necessário para o dia a dia corporativo.

Embora já restrita, a demanda por parte de indivíduos, que postergaram decisões de compra, e das empresas, que a cada dia engordam a lista de pedidos de recuperação judicial, com muitas fechando as portas, segue ainda mais tímida.

Na dúvida, as decisões estão sendo adiadas por tempo indeterminado, de acordo com especialistas.

"O cenário de expansão ou contração de crédito se agravará. Os resultados dos grandes bancos ainda podem segurar uns dois ou três trimestres, mas mostrarão sinais de deterioração", avalia o executivo do alto escalão de uma instituição.

Impactada pela falta de confiança, que nas últimas semanas piorou diante de desdobramentos da Lava Jato e da nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a ministro chefe da Casa Civil, a demanda das empresas por crédito encolheu 11,7% no acumulado do primeiro bimestre ante mesmo período de 2015, de acordo com dados divulgados nesta semana pelo Serasa Experian.

Com a menor disposição de famílias e empresas em tomar novos empréstimos, o crédito inverteu o sinal de alta visto em dezembro. Segundo os dados mais recentes do Banco Central, o saldo total recuou 0,6% em janeiro, para R$ 3,199 bilhões.

Na melhor das hipóteses, o crédito crescerá apenas um dígito em 2016, embora os menos otimistas trabalhem com cenário de retração das carteiras.

No ano passado, o desempenho já ficou abaixo do previsto. Para 2016, as projeções mais otimistas vêm dos bancos públicos, que no passado foram ponte para o governo estimular o crédito e, consequentemente, a economia.

Enquanto o Banco do Brasil espera alta de 3% a 6%, a Caixa Econômica Federal trabalha com intervalo de 7% a 11%. Já o Itaú Unibanco, o mais pessimista, admite retração de 0,5% em seus empréstimos e  no máximo, alta de 4,5%. O Bradesco espera avanço de 1% e 5%.

Não há dúvidas, segundo Erivelto Rodrigues, da Austin Rating, que a crise política econômica vai afetar ainda mais o crescimento das carteiras de crédito.

"O primeiro trimestre tende a ser o pior para os bancos em 2016. Os bancos vão conseguir compensar a nível de resultado por conta da tesouraria  investindo em títulos públicos, e forte enxugamento de custos, mas não sob o ponto de vista do crescimento das carteiras", opina ele, em entrevista ao Broadcast.

Até mesmo segmentos com expansão mais parruda, como o de crédito imobiliário e a de consignado (desconto em folha de pagamento) , tendem a ser impactados diante da instabilidade atual, reduzindo ainda mais o ritmo de avanço, avaliam essas fontes.

Em meio a esse cenário negativo para o crédito, o governo tenta impulsionar o crescimento dos empréstimos via medidas de estímulo para setores como a agricultura, exportadores e micro e pequenas empresas.

Em evento, em São Paulo, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, ressaltou tal esforço e ainda a adoção de medidas regulatórias para estimular os investimentos em portos, telecomunicações e no setor de petróleo e gás, impactado pela Lava Jato e a queda do preço no mercado internacional.

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César