Contábeis o portal da profissão contábil

25
Jun 2017
09:01
você está em:

Conteúdo » Notícias

Copom baixa juro pela 4ª vez seguida, e Selic vai para 12,25% ao ano

Patamar da taxa é o menor em dois anos, mas Brasil ainda tem os maiores juros do mundo. Banco Central sinaliza que Selic pode chegar a 9,5% ao ano no final de 2017.

postado 23/02/2017 08:09:39 - 475 acessos

A redução de 0,75 ponto percentual também confirmou a expectativa da maior parte dos economistas do mercado financeiro. No fim de janeiro, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, havia indicado que esse ritmo de corte de juros, implementado na reunião do Copom de janeiro, deveria ser mantido neste mês.

Os analistas preveem que o Copom continuará a reduzir a Selic nos próximos meses e que a taxa chegará a 9,5% ao fim de 2017, ou seja, em um dígito, algo que não acontece desde o fim de 2013.

Sistema de metas

A definição da taxa de juros pelo Banco Central tem como foco o cumprimento da meta de inflação que é definida todos os anos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Normalmente, quando os a inflação está em alta, o BC eleva a Selic na expectativa de que o encarecimento do crédito freie o consumo e, com isso, a inflação caia.

Quando as estimativas para a inflação estão em linha com as metas predeterminadas pelo CMN, o BC reduz o juros. É o que está acontecendo agora.

Por conta do cenário de recessão na economia, a inflação está em queda livre. Depois de somar 10,67% em 2015 e 6,29% no ano passado, a previsão dos economistas é de que o IPCA, a inflação oficial do país, fique em 4,43% em 2017, abaixo da meta central de 4,5% fixada pelo CMN para este ano.

Apesar de ajudar a controlar a inflação, juros altos tem um efeito colateral: prejudicam a economia do país e geram desemprego, ao frear o consumo. Por isso, a expectativa é que a redução da Selic promovida nos últimos meses pelo BC contribua para estimular a economia brasileira, que passa por recessão e alta do desemprego.

Indicador do próprio Banco Central aponta que o Produto Interno Bruto (PIB) do país encolheu 4,3% em 2016, o que, se confirmado, será o maior tombo em 26 anos.

Além disso, a redução da Selic diminui a despesa do governo com o pagamento dos juros da dívida pública, que são atrelados à taxa.

Mesmo com a redução de juros promovida pelo Copom nesta quarta-feira, o Brasil ainda permanece na liderança disparada do ranking mundial de juros reais (calculados com abatimento da inflação prevista para os próximos 12 meses), compilado pelo MoneYou e pela Infinity Asset Management.

Com os juros básicos em 12,25% ao ano, a taxa real soma 7,3% ao ano. Com isso, permanece bem acima do segundo colocado, que é a Rússia, com 4,91% ao ano, seguida pela Colômbia, com 2,97% ao ano. Nas 40 economias pesquisadas, a taxa média está negativa em 2,2% ao ano.

BC sinaliza novas quedas

Ao anunciar a redução dos juros, o Banco Central informou que o comportamento da inflação permanece favorável.

"O processo de desinflação é mais difundido e indica desinflação nos componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária. Houve ainda uma retomada na desinflação dos preços de alimentos, que constitui choque de oferta favorável", avaliou.

As expectativas de inflação apuradas pela pesquisa Focus, com o mercado financeiro, apontou o BC, recuaram para em torno de 4,4% para 2017 e mantiveram-se ao redor de 4,5% para 2018 e horizontes mais distantes.

"Esse cenário embute hipótese de trajetória de juros que alcança 9,5% e 9% ao final de 2017 e 2018, respectivamente", acrescentou a instituição.

O BC concluiu, porém, que a "extensão" do ciclo de corte dos juros dependerá das estimativas da taxa de juros estrutural da economia brasileira, que continuarão a ser reavaliadas pelo Comitê ao longo do tempo."

"O Copom ressalta que uma possível intensificação [aumento] do ritmo de flexibilização monetária [redução dos juros] dependerá da estimativa da extensão do ciclo, mas, também, da evolução da atividade econômica, dos demais fatores de risco e das projeções e expectativas de inflação", infomou.

Rendimento da poupança

De acordo com cálculos da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), mesmo com a redução dos juros para 12,25% ao ano, os fundos de investimento continuam mais atrativos e ganham da poupança na maioria das situações.

A poupança continua atrativa somente para fundos com taxas de administração acima de 2,5% ao ano. Isso ocorre porque o rendimento dos fundos de renda fixa sobe junto com a Selic. Já o rendimento das cadernetas, quando a taxa de juros está acima de 8,5% ao ano, como atualmente, está limitado em 6,17% ao ano mais a variação da Taxa Referencial (TR).

Analistas avaliam que o Tesouro Direto, programa que permite que pessoas físicas comprem títulos públicos pela internet, via banco ou corretora, sem necessidade de aplicar em um fundo de investimentos, também pode ser uma boa opção para os investidores. O programa tem atraído a atenção de aplicadores nos últimos anos.

Fonte: G1

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.1 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César