Contábeis o portal da profissão contábil

20
Aug 2017
18:11
você está em:

Conteúdo » Notícias

Central de duplicatas busca melhorar oferta de crédito à pequena empresa

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) se adiantou à agenda do governo que, entre outros pontos, inclui o esforço de redução de risco de crédito, ao criar um ambiente centralizado para registro de duplicatas mercantis

postado 20/03/2017 10:57:28 - 732 acessos

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) se adiantou à agenda do governo que, entre outros pontos, inclui o esforço de redução de risco de crédito, ao criar um ambiente centralizado para registro de duplicatas mercantis – a Central de Registro de Direitos Creditórios (CRDC). A intenção é dar segurança a esse tipo de operação, reduzindo juros e elevando a oferta de crédito especialmente às pequenas e médias empresas.

Embora a recessão tenha reduzido a demanda por capital de giro, a associação comercial avalia que, aos poucos, as empresas voltam a demandar esse tipo de recurso e um ambiente de maior transparência deve favorecer essa retomada. Dados do Banco Central compilados pela associação comercial indicam que o mercado de crédito que usa a duplicata como garantia de financiamento de empresas movimenta cerca de R$ 400 bilhões por ano.

O objetivo com a plataforma é que qualquer fato que altere o lastro de uma duplicata – a nota fiscal eletrônica ligada a ela – seja comunicado, barrando a tentativa de emitir mais de uma duplicata sobre a mesma nota fiscal, o que seria capturado pelo sistema de informações. Isso reduziria a percepção de risco por parte do agente financeiro, ajudando na classificação de crédito de seus clientes.

Em poucos segundos, o credor conseguirá saber se a nota fiscal por trás do recebível existe e é válida; se o cedente e o sacado (o vendedor e o comprador) estão regulares perante a Receita, se a mercadoria foi transportada, além de outros dados sobre o dia a dia da transação que originou a nota.

A ideia é que o banco não precise esperar o vencimento do título para saber se vai receber – e essa transparência abre espaço para melhores taxas. A associação não dimensionou, porém, o tamanho do impacto da plataforma sobre o custo de financiamento.

Segundo Marcel Solimeo, superintendente institucional da ACSP, o mercado financeiro se organizou para lidar com a falta de transparência nesse tipo de operação, demandando excesso de garantias ou aplicando taxas de desconto muito altas. “Quando exijo 180% de garantia, isso faz com que haja dinheiro preso no sistema.”

Para muitas empresas, diz Solimeo, as contas a receber são o ativo mais importante, muito usado no financiamento de capital de giro de curto prazo. Mas quando o empresário, especialmente o de menor porte, tenta antecipar esses recebíveis, o banco geralmente faz sua análise de crédito com base em informações passadas e com pouca segurança sobre os papéis.

Para Solimeo, a forma de melhorar a relação entre pequeno empresário e o mercado financeiro é ajudar os bancos a separar o joio do trigo. “O novo sistema garante a unicidade e o objetivo claro é dar à duplicata um papel de garantia bem mais forte do que tem hoje”, afirma ele.

A associação negocia a ferramenta com os bancos. A ideia, diz o diretor-geral da CRDC, Fernando Kalleder, é que, em troca da redução de riscos e de perdas, as instituições adotem a plataforma e reduzam a sua a estrutura de custos. Kalleder explica que não há obrigatoriedade do registro, mas, com o passar do tempo, deve ficar mais claro que a maior visibilidade favorece os envolvidos. As negociações com os bancos estão em fase de detalhamento da integração de sistemas.

A plataforma está em operação há cerca de um ano, mas em uma escala relativamente pequena – cerca de R$ 4 bilhões passaram pelo sistema no período. A associação aguarda o governo soltar a regulamentação do setor para poder avançar. A central, contudo, já se diz preparada para atender os requisitos da norma.

Há dez dias, o BC colocou em consulta pública uma proposta sobre registro e depósito de ativos financeiros. A minuta estará disponível até 2 de maio.

Na plataforma existem hoje mais de 30 mil empresas – basicamente indústrias e atacadistas de pequeno e médio porte -, que negociam seus títulos diariamente com agentes financeiros. Factorings e fundos de recebíveis já usam a plataforma e bancos médios estão em fase de testes.

Do novo negócio, a Associação Comercial de São Paulo tem uma fatia de 70%. O restante são dos executivos envolvidos no projeto. Para o futuro, a ideia é ampliar as funções e fazer, entre outras coisas, controle de recebíveis não padronizados, contratos, além recebíveis do setor de serviços.

Fonte: Valor Econômico

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.07 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César