PARTICIPE

O Maior Evento Online Contábil do País - Inscrições gratuitas

19 a 23 de junho de 2017

www.conbcon.com.br
x

Contábeis o portal da profissão contábil

27
May 2017
14:22
você está em:

Conteúdo » Notícias

Novas regras para pagamento do cartão de crédito já estão em vigor

Alterações em regras do cartão de crédito não terão impacto no mercado. Para Marcel Solimeo, diretor do Instituto de Economia da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), novas regras podem, inclusive, favorecer o consumidor

postado 04/04/2017 14:13:45 - 1.386 acessos

De acordo com as novas determinações sobre o uso de cartões de crédito, do Conselho Monetário Nacional (CMN), conforme Resolução 4.549/2017, a partir desta segunda-feira (03/04), a opção de pagar apenas o valor mínimo da fatura - equivalente a 15% do total do débito - poderá ocorrer de uma única vez, pelo prazo de 30 dias.

As novas regras favorecem o consumidor, avalia o economista Marcel Solimeo, diretor do Instituto de Economia da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). 

Para Solimeo, essa medida ajuda a preservar o consumidor contra a “armadilha perigosa” dos parcelamentos com prestações corrigidas por juros compostos em que “a dívida cresce tão rapidamente que não dá a mínima condição de o devedor pagá-la”. 

O economista alerta que o uso do limite de crédito deve ser um recurso em situação de emergência e não como complemento de renda porque isso “vai, inevitavelmente, levar ao desequilíbrio das contas , no chamado efeito Bola Neve”. 

Em sua opinião, “é uma mudança bastante positiva”. No entanto, pondera que ela não provocará grande impacto no comércio varejista e no comportamento da maioria dos usuários.

“Existe uma prática disseminada de se evitar a rolagem do saldo da dívida sujeita a juros altos", afirma Solimeo, que lembrou que, paralelamente, os próprios bancos têm chamado os clientes para renegociar. 

Solimeo considera que a parcela da população que tem o hábito de quitar apenas o mínimo terá de buscar maior equilíbrio entre o que ganha e gasta. 

“Por mais doloroso que possa parecer será necessário cortar despesas porque não se pode gastar mais do que se ganha”, diz Solimeo. 

Dados de uma pesquisa ao Datafolha, encomendada pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito (Abecs), mostra que 86% das pessoas pagam o valor integral da fatura e 3% recorrem à opção de quitar apenas o mínimo. 

Os outros 5% dos usuários de cartões de crédito preferem o parcelamento.

Ricardo Vieira, diretor executivo da Abecs, disse que as novas regras permitirão benefícios para os clientes e aos credores com possibilidade de uma renegociação do saldo do devedor em parcelas menores do que as praticadas pelo sistema rotativo. 

Segundo apurou a Abecs, a taxa média de juros do rotativo, na penúltima semana de fevereiro, foi em torno de 14,5% ao mês, o equivalente a 406,6% ao ano, enquanto o parcelamento ficou em torno de 9% ano mês e 181,3% ao ano.

O fato de o CMN ter determinado que os bancos passem a financiar o débito em taxas abaixo do que é praticado no rotativo é “uma possibilidade interessante”, avaliou Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin). 

Para as pessoas que usaram o limite além do seu orçamento, Domingos aconselha envolver toda a família em discussão para a “faxina financeira” em que será necessário “descer um grau no hábito de consumo” cortando assinaturas de TV a cabo, menos despesas em padaria e mercearia, consumo de água e luz, entre outros. 

“É um antibiótico na veia, mas imprescindível par a recuperação orçamentária”, disse Domingos. 

Fonte: Agência Brasil

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

WebContábeis Conteúdo contábil atualizado e de qualidade em seu site.

Desconto de 10% na mensalidade dos planos básicos de conteúdo.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César