Contábeis o portal da profissão contábil

22
Jul 2017
05:54
você está em:

Conteúdo » Notícias

Dados mostram que, além de lenta, recuperação será desigual

Além da lentidão, outra característica da recuperação que começa a se materializar é o desempenho bastante desigual e errático da atividade econômica.

postado 07/04/2017 11:02:02 - 633 acessos

Além da lentidão, outra característica da recuperação que começa a se materializar é o desempenho bastante desigual e errático da atividade econômica. Pelo lado da oferta, enquanto a agropecuária vai bem, devendo ter crescido a taxas superiores a dois dígitos no primeiro trimestre, os serviços tendem a seguir patinando, afetados pelo mercado de trabalho ainda em deterioração. O desemprego nas alturas inibe o consumo, que desta vez deve levar mais tempo para engrenar, diferentemente do que ocorreu em retomadas anteriores, como a registrada em 2009.

A indústria, por sua vez, dá sinais de que iniciou de fato uma recuperação, mas a um ritmo muito gradual, e com comportamento díspar entre os diversos segmentos. Enquanto a produção de bens de capital e de bens duráveis tem oscilado, alternando quedas e altas significativas, a fabricação de bens intermediários, que responde por pouco mais da metade do total produzido pela indústria, engatou uma série de quatro aumentos consecutivos na comparação com o mês imediatamente anterior, feito o ajuste sazonal.

O economista-chefe da LCA Consultores, Bráulio Borges, considera que a recuperação atual é de fato gradual e desigual, mas avalia que essa é uma característica de retomadas que se sucedem a recessões profundas como a que se iniciou no Brasil no segundo trimestre de 2014. "E a recessão atual tem o ingrediente adicional do alto nível de endividamento do setor privado, especialmente de empresas", diz Borges. Isso contribui para derrubar o investimento e também para limitar a contratação de serviços pelas companhias.

No primeiro trimestre, a expectativa da maior parte dos analistas é de que o PIB enfim cresça em relação ao trimestre anterior, em grande parte por causa da agropecuária. Para Borges, o setor deve ter alta de 10% em relação ao quarto trimestre de 2016, feito o ajuste sazonal. Nas contas do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre) da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o avanço deve ser de 6,8%, número que seria compatível com a projeção de um crescimento da safra superior a 20% neste ano.

Para o Ibre, o PIB deverá crescer 0,3% no primeiro trimestre em relação ao trimestre anterior. Se excluído o desempenho do setor agropecuário, haveria uma queda de 0,3%. O setor de serviços deve continuar fraco, ainda que tenda a mostrar daqui para frente um resultado mais favorável que a queda de 2,2% observada em janeiro em relação a dezembro, segundo a pesquisa mensal do IBGE sobre o segmento.

Para a média do ano, os serviços devem ter um desempenho melhor que em 2015 e em 2016, quando caíram 2,7% em cada um dos anos, como diz o economista Leandro Padulla, da MCM Consultores. A questão é que o resultado ainda deixará muito a desejar. Padulla acredita que o setor vai cair 0,3% em 2017, enquanto a LCA projeta uma alta de 0,3%. Como responde hoje por quase três quartos da economia, o fraco desempenho esperado para o segmento ajuda a entender as estimativas de um crescimento modesto do PIB para 2017, na casa de 0,5%.

Para o economista-chefe do Banco Votorantim, Roberto Padovani, a situação do mercado de trabalho tem segurado os serviços. "O desemprego subiu muito nesta crise", diz ele. Isso acaba por afetar a retomada dos serviços, pelo lado da oferta, e do consumo das famílias, pelo lado da demanda. Nos três meses até fevereiro, a taxa de desocupação ficou em 13,2%.

A indústria tem dado sinais de reação, mas a recuperação deverá ser gradual. Em fevereiro, subiu 0,1% em relação a janeiro, na série livre de influências sazonais. O número geral foi fraco, mas a abertura mostrou um resultado mais positivo, com altas expressivas na produção de bens de capital (6,5%) e bens duráveis (7,1%) e um aumento mais modesto de intermediários, de 0,5%. A expectativa de queda dos juros deve ajudar a indústria nos próximos meses, uma vez que vai aliviar a situação financeira das empresas excessivamente endividadas. No entanto, não deverá haver um desempenho dos mais robustos no ano. A LCA projeta uma alta de 1,1% para o PIB industrial em 2017, bem abaixo dos 8,4% previstos para a agropecuário, mas melhor que o 0,3% esperado para os serviços. Para o PIB, a LCA estima um crescimento de 0,9% neste ano, depois do tombo de 3,6% registrado no ano passado. Padovani espera um crescimento mais modesto, de 0,5%.

A melhora da confiança de empresários e consumidores colabora para a avaliação de que a retomada ganhará fôlego ao longo do ano, mas a recuperação deve ser lenta, diz Padovani. Para ele, essa demora se deve principalmente a três fatores - o elevado nível de endividamento das empresas, o excesso de investimentos que levou à má alocação de capital em muitos projetos, e o impacto da Operação Lava-Jato, em especial sobre os setores de construção civil e petróleo e gás.

Fonte: Valor Econômico

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Certificado Digital certificados digitais com preços promocionais para contadores

desconto de 15% em certificados digitais e pague no boleto ou parcele sem juros no cartão.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.08 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César