Contábeis o portal da profissão contábil

22
Aug 2017
11:46
você está em:

Conteúdo » Notícias

Renegociação de empréstimos bate recorde nos bancos

Enquanto o crédito no país passa por uma contração histórica como consequência da crise, uma outra linha não para de crescer no balanço dos bancos brasileiros: a das dívidas renegociadas.

postado 11/04/2017 11:14:38 - 889 acessos

Enquanto o crédito no país passa por uma contração histórica como consequência da crise, uma outra linha não para de crescer no balanço dos bancos brasileiros: a das dívidas renegociadas. O saldo de empréstimos que tiveram o prazo ou as condições modificadas diante da dificuldade dos clientes em pagar as parcelas alcançou R$ 416 bilhões no fim de 2016, alta de 37% no ano, de acordo com dados do Banco Central.

O volume é recorde e representa 13% do saldo total de crédito no país, que encerrou o ano passado em R$ 3,1 trilhões – queda de 3,5%. Nas linhas para pessoas físicas, de cada R$ 100 em créditos, R$ 15 passaram por algum tipo de refinanciamento, de acordo com o BC. Na carteira de empresas, os refinanciamentos representam 11,7% do total.

O BC inclui nessa conta tanto as renegociações convencionais, que envolvem o alongamento de prazos, troca de modalidades e revisão de custos, como as chamadas operações reestruturadas – quando a instituição financeira abre mão de parte do principal e não só dos juros.

Apesar do aumento, os bancos veem a situação sob controle. Em tempos de crise, renegociar dívidas virou parte até de estratégia de marketing. O Santander colocou recentemente no ar uma campanha na qual informa ter promovido renegociações com mais de 1 milhão de clientes. A iniciativa em muitos casos partiu do próprio banco, que telefonou para os devedores apresentando condições mais favoráveis, de acordo com a propaganda. “Quanto antes identificamos o problema com o crédito, mais fácil resolvê-lo”, afirma Antonio Pardo de Santayana Montes, vice-presidente executivo de riscos do Santander.

Outras instituições também investiram para estimular o processo de renegociação. O Banco do Brasil (BB) criou um portal na internet específico para esse tipo de operação, que desde 2014 já refinanciou R$ 4,14 bilhões, entre dívidas de pessoas físicas e pequenas e médias empresas.

No total, a carteira de créditos renegociados dos quatro maiores bancos de capital aberto – Itaú Unibanco, BB, Bradesco e Santander – aumentou 21% no ano passado, para pouco mais de R$ 80 bilhões, de acordo com informações dos balanços. “As carteiras refinanciadas cresceram e precisam ser acompanhadas de perto, mas a reação dos bancos brasileiros em geral surpreendeu positivamente”, afirma o executivo do Santander. Ele compara o momento atual do país ao vivido na Europa, onde o aumento da inadimplência que se sucedeu à crise financeira provocou sérios problemas para os bancos da região.

As operações de refinanciamento de dívidas se acentuaram no país a partir de 2015. Empresas que tiveram recuo na receita em consequência da queda nas vendas viram o endividamento se multiplicar em relação à geração de caixa, tornando o serviço da dívida impagável. O mesmo ocorreu com as pessoas físicas que perderam o emprego e, junto com ele, a capacidade de honrar as prestações dos financiamentos.

Em alguns casos, nem mesmo o alongamento de prazos e a concessão de um prazo de carência foram suficientes para evitar o calote. A incorporadora PDG Realty entrou com pedido de recuperação judicial pouco mais de seis meses depois de obter um acordo com os bancos credores, que previa até a liberação de dinheiro novo para a companhia.

O grande receio de parte dos analistas é o de que os bancos estejam apenas “pedalando” dívidas que não serão pagas mesmo em condições mais amigáveis. “Acreditamos que os bancos tenham adotado essa estratégia com o intuito de preservar os retornos em 2016 e alcançar suas metas de lucro anuais; porém, ela apenas adiará a deterioração na qualidade dos ativos”, escreve a agência de risco S&P Global, em relatório.

Os bancos não promovem as renegociações apenas para ajudar seus clientes. As operações ajudaram a conter a alta nos índices de inadimplência em meio à crise. A taxa de financiamentos em atraso fechou 2016 em 3,7%, pouco acima dos 3,4% registrados um ano antes, segundo o BC.

O próprio Santander destacou em sua publicidade que o refinanciamento das operações com os clientes ajudou o banco a ter uma inadimplência menor que o dos concorrentes privados. Mas analistas afirmam que a inadimplência, por si só, não é a melhor forma de comparar a qualidade dos ativos dos bancos.

Para dar uma dimensão mais ampla do tamanho do risco do crédito no país, o BC trouxe um novo indicador em seu Relatório de Estabilidade Financeira mais recente: o índice de “ativos problemáticos”. A medida vem sendo desenvolvida globalmente pelo Comitê de Basileia.

O modelo brasileiro de ativos problemáticos engloba os financiamentos em atraso há mais de 90 dias, as operações de crédito reestruturadas e as classificadas entre os níveis de risco “E” e “H”, que exigem maior provisão. Os créditos reestruturados passam pelo que o Banco Central chama de “período de cura” de doze meses. Em média, cerca de 30% dessas operações voltam a atrasar.

Por esse cálculo, o estoque de ativos problemáticos no sistema financeiro subiu de 6,42% para 7,94% no ano passado, um avanço bem maior que o do índice de inadimplência convencional. No curto prazo, o BC espera que a exposição a esses ativos mantenha tendência crescente, principalmente pelo aumento dessas operações na carteira de crédito a empresas.

Quando os processos de renegociação começaram, já havia uma expectativa de piora na economia, mas a recessão acabou se revelando mais severa e longa do que o inicialmente esperado. Por isso, já é dado como certo nos bancos que parte das dívidas terá de passar por uma nova rodada de renegociação.

Mas depois do crescimento nos últimos dois anos, a carteira está perto de atingir o pico, segundo o diretor de um grande banco de varejo. “As novas safras de créditos renegociados já têm registrado um desempenho melhor”, afirma.

Os indicadores também sinalizam que a situação tende a melhorar. Do lado das empresas, o número de pedidos de recuperação judicial caiu de 409, no primeiro trimestre do ano passado, para 322 nos três primeiros meses de 2017, de acordo com a Serasa Experian. A queda da Selic também reduz o peso do endividamento sobre as companhias, em especial as de maior porte.

Para o BC, o aumento dos ativos problemáticos não representa ameaça para a estabilidade financeira porque os bancos já contabilizaram as perdas para a maior parte das operações. No fim do ano passado, os bancos tinham provisões sobre 83% do total dessa carteira.

Fonte: Valor Econômico

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Consulta de NFes direto da Sefaz Com download automático de XMLs de NFes e NFSes, DANFes e mais

20% de desconto nos primeiros 6 meses! Descontos especiais para escritórios contábeis.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.08 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César