Contábeis o portal da profissão contábil

17
Dec 2018
13:06

BUSCAR NO FÓRUM

buscar


Funrural 2018

211respostas
68.031acessos
  

mostrando página 7 de 8
Wlademir Rivarola

Usuário Iniciante

profissãoAuxiliar Depto. Pessoal
mensagens35
pontos672
membro desde30/11/2017
cidadeCampo Grande - MS
Postada:Segunda-Feira, 4 de junho de 2018 às 14:52:49
Título do Tópico Editado por Vania Zanirato em 20/02/2018 09:40:03
Boa tarde pessoal!
Eu tenho um cliente que pagou o funrural referente ao mês 04/2018, só que agora ele quer cancelar uma nota. Tem como aproveitar o crédito de funrural dessa nota que já foi paga? Alguém sabe me dizer como proceder nesse caso?

ver Anexos (2)

Paulo

Usuário 5 Estrelas

profissãoEncarregado(a) Técnico
mensagens199
pontos1.244
membro desde22/05/2015
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quinta-Feira, 7 de junho de 2018 às 16:00:29
BOA TARDE AMIGOS.

ESTOU FAZENDO A GFIP DE FUNRURAL , PORÉM COKMO MÊS PASSADO O VALOR FOI INFERIOR A 10,00, ACUMULEI PARA ESSE MÊS, PORÉM QIUANDO FAÇO A GFIP COM C´[ODIGO DE REOLHIMENTO 115 E FPAS 833, INFORMA QUE PARA ESSE CÓDIGO DE RECOLHIMENTO NAO PODE INFORMAR VALOES DE INSS.
ALGUEM PODE ME AJUDAR?

ver Anexos (2)

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Quinta-Feira, 7 de junho de 2018 às 17:32:26
Boa tarde Paulo,

Até conversamos sobre isto em alguns posts anteriores e na verdade todos colegas que vi, inclusive eu, estamos pagando 10,00 mesmo quando o valor der inferior, isto para evitar um possível problema de reconhecimento do recolhimento em competência posterior.

Mas eu não cheguei a fazer o teste de informar valor de período anterior. tomara que algum colega tenha feito, porque verifiquei nos documentos que tenho aqui sobre o assunto e não menciona sobre esta situação.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

Camila Tumelero

Usuário Novo

profissãoAssistente Depto. Pessoal
mensagens1
pontos6
membro desde03/07/2018
cidadeQuilombo - SC
Postada:Terça-Feira, 3 de julho de 2018 às 11:44:51
Bom dia Pessoal
Estou com uma duvida a respeito dos dados que devem constar na sefip quando for compra de produto rural por PJ.
O sistema que eu uso, não leva nenhuma informação da PF quando eu transmito a sefip.
Não deveria ter dados como CPF ou pis do produtor rural?

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Terça-Feira, 3 de julho de 2018 às 15:27:11
Boa tarde Camila,

Se você estiver se referindo a transmissão pelo adquirente PJ, a informação é apenas do valor da comercialização, pois no sefip não há campo para informar os dados do produtor.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

Humberto Rodrigo Oliveira

Usuário 5 Estrelas

profissãoAnalista Recursos Humanos
mensagens170
pontos1.629
membro desde21/08/2017
cidadeSao Gabriel - RS
Postada:Terça-Feira, 3 de julho de 2018 às 16:50:00
Boa tarde, ]

Tenho uma situação de uma PJ com comercialização de produção rural de 2 Gêneros Gado e Arroz, é uma parceria, só que os 2 sócios querem pagar os valores do funrural separados...

Alguém saberia me dizer se posso fazer a informação de venda na Sefip do montante das vendas exemplo R$ 1.000.000,00 e na hora de gerar as guias da GPS do funrural repartir entre os valores da comercialização de produção de cada Gênero?

ver Anexos (2)

Paulo

Usuário 5 Estrelas

profissãoEncarregado(a) Técnico
mensagens199
pontos1.244
membro desde22/05/2015
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Terça-Feira, 3 de julho de 2018 às 16:57:54
Boa tarde Camila.

Na SEFIP não tem como colocar os dados; então faço a GPS avulsa e nela coloco os dados( numero da NF, valor total e CPF ou CNPJ) , sei que essa informação não chega na RFB, mas ao menos o contribuinte terá um documento com os dados.

Paulo.

ver Anexos (2)

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Terça-Feira, 3 de julho de 2018 às 17:54:16
Boa tarde Humberto,

Fazendo as guias manualmente, com todos os dados exatamente iguais, é para não gerar pendência e os pagamentos serem alocados para quitar o total do débito sim.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

Meog

Usuário Novo

profissãoAdministrador(a)
mensagens19
pontos125
membro desde04/02/2016
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Terça-Feira, 17 de julho de 2018 às 13:26:45
Boa tarde,

Gostaria de saber se uma nota de Gado de TRANSFERÊNCIA de GADO de um Espolio para o Herdeiro existe ou não a incidência de Funrural?
(os animais nao serão comercializados ou seja, não haverá pagamento efetivo do bem)

Obrigada,

ver Anexos (2)

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Terça-Feira, 17 de julho de 2018 às 17:37:38
Boa tarde Meog,

Como o pagamento é pela Comercialização ou Aquisição de comercialização de produção rural, neste caso se for feita uma nota com código e natureza de transferência ou algum tipo de operação que não incidiria impostos, entendo que o Funrural também não é devido, por esta operação não gerar receita.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Meog

Usuário Novo

profissãoAdministrador(a)
mensagens19
pontos125
membro desde04/02/2016
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quinta-Feira, 19 de julho de 2018 às 08:30:55
Obrigada William.

Tambem achei. Somente o Fiscal de Dourados (MS) achou que teriam que pagar. Tentamos explicar que nao existiria o pagamento real do bem ...

Fizemos a nf com o CFOP 5949. Ja que a Secretaria da Fazenda falou que nao existe nota fiscal de transferencia. Operação 35.

Att, Maria

ver Anexos (2)

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Quinta-Feira, 19 de julho de 2018 às 09:07:16
Entendi Meog,

Nossa, a fiscalização do MS é uma das mais complicadas de se lidar. Uma opção é você ligar no Senar e ver qual a posição de orientação deles sobre isto, eu tenho os telefones da central (Faesp Senar) que inclusive fica aí em São Paulo: (11) 3125-1333 / (11) 3121-7233, você pode falar com o Conrado que ele é excelente.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

Wilian Jorge de Oliveira

Usuário 4 Estrelas Novas

profissãoContador(a)
mensagens369
pontos3.512
membro desde27/03/2009
cidadeRondonopolis - MT
Postada:Quinta-Feira, 19 de julho de 2018 às 09:38:41
Bom dia a todos.

Email que recebi sobre um artigo escrito por um advogado tributarista.

A desoneração do Funrural na cadeia do agronegócio pela Lei 13.606/2018

A Lei 13.606, de janeiro de 2018, juntamente com a edição do conhecido parcelamento tributário denominado de Programa de Regularização Rural (PRR), trouxe inovações a respeito da tributação da contribuição sobre a produção da atividade rural para produtores pessoas física e jurídica.
Entre as alterações, uma de alta relevância para o setor decorre de veto parcial, o qual foi rejeitado pelo Congresso Nacional.
Trata-se da inovação prevista no parágrafo 12, do artigo 25, da Lei 8.212/91, quanto ao produtor rural pessoa física, com redação idêntica para o produtor rural pessoa jurídica no parágrafo 6º, do artigo 25, da Lei 8.870/94.
Referidos parágrafos 12 e 6º foram inseridos na Lei 13.606/2018, porém, não no primeiro momento, quando da aprovação inicial da legislação e publicação em janeiro de 2018, mas somente em 18 de abril, por força da promulgação e publicação após derrubada do veto parcial pelo Congresso Nacional. De tal sorte que, após finalização do processo legislativo, tais parágrafos começaram a integrar a Lei 13.606/2018, alterando os artigos 25 das leis 8.212/91 e 8.870/94, no tocante ao Funrural.
Dispõe o parágrafo 12, artigo 25, Lei 8.212/91 quanto ao produtor rural pessoa física no tocante ao Funrural que[1]:
“§ 12. Não integra a base de cálculo da contribuição de que trata o caput deste artigo a produção rural destinada ao plantio ou reflorestamento, nem o produto animal destinado à reprodução ou criação pecuária ou granjeira e à utilização como cobaia para fins de pesquisas científicas, quando vendido pelo próprio produtor e por quem a utilize diretamente com essas finalidades e, no caso de produto vegetal, por pessoa ou entidade registrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que se dedique ao comércio de sementes e mudas no País”.
A primeira questão que surge a respeito desse disposto diz respeito à sua vigência, ou seja, a partir de que momento produzirá efeito jurídico? Seria de forma retroativa a partir de janeiro ou quando da publicação da parte vetada a partir de abril de 2018?
Com relação à vigência das leis, conforme a Lei de Introdução às Normas no Direito Brasileiro (LINDB), nos termos do artigo 1º, “salvo disposição contrária, a lei começa a vigorar em todo o país quarenta e cinco dias depois de oficialmente publicada”.
Portanto, se a lei publicada estabelecer regra diversa do artigo 1º, da LINDB, é essa previsão que irá prevalecer.
De fato, a Lei 13.606 foi inicialmente publicada em 9 de janeiro de 2018, rezando expressamente no artigo 40, II, que entraria em vigor na data da publicação, salvo hipótese do inciso I, do mesmo artigo que não se aplica ao caso.
Sendo assim, tais parágrafo 12, artigo 25, Lei 8.212/91 e parágrafo 6º, artigo 25, Lei 8.870/94, apesar de somente integrarem a Lei 13.606/2018 posteriormente, por força da derrubada do veto parcial, teriam vigência retroativa a partir de janeiro deste ano? Entendemos que não!
Apesar de, a partir da derrubada do veto e consequente promulgação e publicação, gerar a integração em um único corpo legislativo, vetados e não vetados, da Lei 13.606/2018, tais parágrafos somente devem vigorar na data da publicação deste novo texto legal, isto é, em 18/4/2018, em observância do próprio artigo 40, II, da Lei 13.606/2018, em consonância com o artigo 1º da LINDB. Ademais, não há previsão constitucional para se reconhecer a retroatividade de textos vetados, e, como é sabido, a regra para as leis sob a perspectiva temporal é no sentido da irretroatividade.
A respeito do tema, há antigo e conhecido precedente do Supremo Tribunal Federal:
“MANDADO DE SEGURANÇA. HONORARIOS DE ADVOGADO. INICIO DA VIGENCIA DE PARTE DE LEI CUJO VETO FOI REJEITADO. SEGUNDO DECISÕES RECENTES DE AMBAS AS TURMAS DO STF (RE 81.481, DE 8.8.75; RE 83.015, DE 14.11.75; E RE 84.317, DE 06.4.76), CONTINUA EM VIGOR A SÚMULA 512. QUANDO HÁ VETO PARCIAL, E A PARTE VETADA VEM A SER, POR CAUSA DA REJEIÇÃO DELE, PROMULGADA E PUBLICADA, ELA SE INTEGRA NA LEI QUE DECORREU DO PROJETO. EM VIRTUDE DESSA INTEGRAÇÃO, A ENTRADA EM VIGOR DA PARTE VETADA SEGUE O MESMO CRITÉRIO ESTABELECIDO PARA A VIGENCIA DA LEI A QUE ELA FOI INTEGRADA, CONSIDERADO, POREM, O DIA DE PUBLICAÇÃO DA PARTE VETADA QUE PASSOU A INTEGRAR A LEI, E, NÃO, O DESTA. RECURSO EXTRAORDINÁRIO CONHECIDO E PROVIDO, EM PARTE.(STF, RE 85950, Relator(a): Min. MOREIRA ALVES, Segunda Turma, julgado em 26/11/1976, DJ 31-12-1976 PP-11240 EMENT VOL-01047-05 PP-01241 RTJ VOL-00081-02 PP-00640)
Todavia, quando sustentamos que a vigência se daria a partir da publicação, não seria exatamente o dia 18/4/2018, mas, tecnicamente, o mês de abril. Isso significa dizer que não caberia a tributação do Funrural, como veremos adiante, a partir de 1º de abril de 2018, uma vez que a incidência e apuração das contribuições sobre a receita bruta da atividade rural para pessoa física e jurídica é mensal.
Além da polêmica voltada para a vigência, temos ainda a interpretação a respeito da amplitude dos parágrafos 12, artigo 25, da Lei 8.212/91 e 6º, artigo 25, da Lei 8.870/94. Qual a extensão e amplitude de tais dispositivos quanto à desoneração em tais operações mediante exclusão da base de cálculo do Funrural?
Como premissa, entendemos que tais dispositivos, numa interpretação finalística, visa a exoneração de toda a cadeia produtiva de produção no agronegócio no tocante à atividade de plantio ou reflorestamento, bem como a animal destinada à reprodução ou criação pecuária ou granjeira.
Há, assim, em nossa visão, plena exoneração da cadeia, gerando somente a tributação pelo Funrural da receita bruta da produção agropecuária destinada ao consumo final, como a venda da soja em grãos não destinada ao plantio, produção de sementes ou para produção de ração, óleo, entre outros, como também os animais visando a produção de outros produtos ou mesmo in natura, no caso de abate por frigoríficos.
Portanto, do ponto de vista da criação de animais (pecuária e aves), temos as seguintes hipótese de exclusão da base de cálculo quanto ao Funrural: (i) venda destinada à reprodução ou criação pecuária, quando vendido pelo próprio produtor ou quem utilize diretamente para tais finalidades; (ii) venda para utilização como cobaia para pesquisas científicas pelo próprio produtor ou quem utilize diretamente para tais finalidades.
Desse modo, em nossa opinião a finalidade dessa alteração no texto legal foi exatamente exonerar a cadeia e somente tributar a saída final do produto, no caso de animais (criação pecuária — bois, suínos etc. — ou aves) destinado ao consumo ou como matéria-prima da elaboração de outro produto in natura ou industrializado.
Sendo assim, a lei permite a exclusão da base de Funrural pela pessoa física e jurídica das vendas durante as etapas de reprodução (fêmeas para reprodução, mas também machos, pois a reprodução também depende do macho reprodutor e a lei não faz distinção), como também os bezerros que serão destinados a outro produtor ainda na fase de engorda (criação).
Por outro lado, com relação ao reflorestamento e plantio, temos as seguintes hipótese de exclusão da base de cálculo quanto ao Funrural: (i) venda destinada ao plantio ou reflorestamento pelo produtor rural (ou seja, este produtor é quem produz e vende para alguém utilizar seu produto agrícola para plantio ou reflorestamento); (ii) produção rural destinada ao plantio ou reflorestamento quando vendido por quem a utilize diretamente com essa finalidade (ou seja, pessoa que não produz a produção rural, mas utiliza para comercialização destinada ao plantio ou reflorestamento).
Nessas duas hipóteses, ao que nos parece, a entidade ou pessoa que vende a produção para plantio ou reflorestamento deve ser registrada no Mapa. Ou seja, não basta querer vender sementes.
Entendemos que, da mesma forma, há de se reconhecer a exoneração do Funrural quando da venda pelo produtor rural para que um terceiro (PF ou PJ) produza semente e daí realize a venda, como o caso das sementeiras, estando tal operação também fora da base de cálculo do Funrural, exonerando inclusive a adquirente da retenção.
As alterações e discussões não param por aí quanto às novidades do Funrural, mas deixarem para outra oportunidade.
________________________________________
[1] Para produtor rural pessoa jurídica, há redação idêntica no parágrafo 6º, do artigo 25, da Lei 8.870/94: “§ 6º Não integra a base de cálculo da contribuição de que trata o caput deste artigo a produção rural destinada ao plantio ou reflorestamento, nem o produto animal destinado à reprodução ou criação pecuária ou granjeira e à utilização como cobaia para fins de pesquisas científicas, quando vendido pelo próprio produtor e por quem a utilize diretamente com essas finalidades e, no caso de produto vegetal, por pessoa ou entidade registrada no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que se dedique ao comércio de sementes e mudas no País”.

Fábio Pallaretti Calcini é advogado tributarista, sócio do Brasil Salomão e Matthes Advocacia. É doutor e mestre em Direito do Estado pela PUC-SP, pós-doutorando em Direito pela Universidade de Coimbra (Portugal) e ex–membro do Carf.
http://fenacon.org.br/noticias/a-desoneracao-do-funrural-na-cadeia-do-agronegocio-pela-lei-136062018-3507/
.

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Meog

Usuário Novo

profissãoAdministrador(a)
mensagens19
pontos125
membro desde04/02/2016
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Sexta-Feira, 20 de julho de 2018 às 08:50:46
William,
Obrigada!
Anotei o numero. Assim que eu precisar entrarei em contato.

Um bom dia!
Maria

ver Anexos (2)

Andrey Figueiredo Pinheiro

Usuário Frequente

profissãoAuxiliar Contabilidade
mensagens86
pontos774
membro desde18/05/2015
cidadeDiamantino - MT
Postada:Terça-Feira, 28 de agosto de 2018 às 15:38:45
Boa tarde

Pode nos informar se houve Extinção da cobrança do funrural de produtos agropecuários em efeito cascata entre pessoas físicas, se sim qual o embasamento legal?

Ex: somos produtor rural PF e vendemos bovinos 25 a 36 meses para outro produtor rural PF cujo CNAE principal é a criação de bovinos para corte 0151-2/01

Devemos recolher o funrural nessa operação? E depois quando esse produtor que comprou vai recolher novamente quando vender os bovinos para abate/frigorifico?

O art. 14 da lei 13.606/2018 diz que não integra a base de cálculo da contribuição a produção rural destinada a reprodução ou criação pecuária.

como proceder no preenchimento da sefip/gfip

ver Anexos (2)

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Terça-Feira, 28 de agosto de 2018 às 17:55:48
Boa tarde Andrey,

Baixe os documentos que anexei aqui no tópico para falarmos sobre alguns pontos que contam nele sobre as comercializações de PF para PF.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

Olidia Umeda

Usuário Novo

profissãoAnalista Pessoal
mensagens2
pontos19
membro desde28/07/2015
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Segunda-Feira, 3 de setembro de 2018 às 09:55:01
Mensagem Editada por Olidia Umeda em 03/09/2018 10:05:28
Bom dia,

Preciso arrumar as GFIPs que foram encaminhadas erroneamente, com o código 515 no Funrural de pessoa física, preciso excluir primeiro a que foi enviada com esse código, ou só refaço com o código 833?

Desde já agradeço.

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Segunda-Feira, 3 de setembro de 2018 às 10:07:08
Bom dia Olidia,

Se fosse um novo envio com mesmo código, nem necessitaria solicitar a exclusão, pois o novo envio iria sobrepor o anterior. mas como o código é diferente, você precisará fazer isto para que exclua do envio anterior o valor referente ao Funrural, e assim seja substituído pelo envio correto no código 833.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Olidia Umeda

Usuário Novo

profissãoAnalista Pessoal
mensagens2
pontos19
membro desde28/07/2015
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Segunda-Feira, 3 de setembro de 2018 às 10:58:01
Mensagem Editada por Olidia Umeda em 03/09/2018 12:04:41
Muito obrigada!

Estou com outra dúvida, foi passado a GFIP com os valores dos funcionários e GPS 2100 e 2607, como faço para excluir somente a GPS 2607 do Funrural, sem excluir as informações dos funcionários?

Oli

ver Anexos (2)

Elisete Correa

Usuário Novo

profissãoAuxiliar Administrativo
mensagens1
pontos10
membro desde20/11/2014
cidadeGuarapuava - PR
Postada:Terça-Feira, 25 de setembro de 2018 às 10:28:30
Bom dia a todos, estou com uma nota de produtor rural pessoa fisica de compra de que um cliente fez pessoa jurídica, vi nos post do fórum do funrural que preciso fazer duas sefips para o mês de competência que a nota fiscal foi emitida. Nunca fiz sefip que há funrural, a minha duvida é na movimentação da empresa no campo de comercialização do produto pessoa física lanço o valor total da nota? ou é o valor do inss da nota fiscal?

ver Anexos (2)

Claudio das Chagas Camargo

Usuário Iniciante

profissãoAssistente Recursos Humanos
mensagens37
pontos381
membro desde14/08/2015
cidadeSorocaba - SP
Postada:Terça-Feira, 2 de outubro de 2018 às 14:04:25
Pessoal, não sei se acompanhei todas as mensagens mas tenho uma duvida.

Eu tenho 2 notas de Produtor Rural esse mês (09.2018) de pessoas diferentes.. Serão 2 guias de Produtor Rural ou uma só com os devidos valores e a compensação normal?

obrigado desde já!!

ver Anexos (2)

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Terça-Feira, 2 de outubro de 2018 às 14:24:00
Boa tarde Claudio,

Independente do numero de notas, você fará o envio da Gfip com o total da comercialização, e portanto irá gerar uma única guia. sei que alguns colegas preferem posteriormente emitir guias separadas por produtor ou NF, mas isto apenas para controle interno.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

Elaine Moreira

Usuário Iniciante

profissãoContador(a)
mensagens48
pontos428
membro desde12/02/2014
cidadePatos de Minas - MG
Postada:Segunda-Feira, 8 de outubro de 2018 às 10:57:00
Bom dia Willian Carvalho, um cliente me ligou dizendo que o fornecedor dele esta reclamando que o Funrural de determinada NF não foi recolhido.
Eu faço a GFIP e guia da forma que explicou, informando apenas o valor total da comercialização.
Tem alguma forma de consultar esse pagamento por NF?

ver Anexos (2)

Willian Carvalho

Usuário 3 Estrelas Douradas

profissãoAuxiliar Escritório
mensagens2.349
pontos20.349
membro desde22/07/2013
cidadeCajuru - SP
Postada:Segunda-Feira, 8 de outubro de 2018 às 11:09:49
Bom dia Elaine,
Como o Sefip tem apenas o campo para se preencher o total da comercialização, este controle do que foi recolhido fica à cargo da empresa. Aqui utilizo uma simples planilha em Excel com os valores das notas o no campo a frente calcula os 1,5% do Funrural, assim confiro os totais da comercialização, Funrural e as notas que foram recolhidas.

A única forma agora, será vocês pegarem todas as notas e somarem para ver se o total da comercialização informado abrange todas as notas.

Willian Carvalho
E-mail: fiscal@contabilidadeussi.com.br

ver Anexos (2)

Elaine Moreira

Usuário Iniciante

profissãoContador(a)
mensagens48
pontos428
membro desde12/02/2014
cidadePatos de Minas - MG
Postada:Segunda-Feira, 8 de outubro de 2018 às 13:34:36
Obrigada Willian.

ver Anexos (2)

Marcelo de Paula

Usuário 2 Estrelas de Prata

profissãoAnalista Contabilidade
mensagens679
pontos7.148
membro desde23/11/2012
cidadeVicosa - MG
Postada:Quinta-Feira, 11 de outubro de 2018 às 09:07:08
Pessoal,

Estou na dúvida sobre a alíquota de funrural PJ.

Segundo a cartilha do SENAR, a alíquota para o produtor rural pessoa jurídica se manteve inalterada, que é de 2,85% (2,5% de Funrural, 0,1% de SAT e 0,2% do SENAR).

Houve alguma alteração a partir da LEI 13.606/18?

Obrigado!

Marcelo De Paula
Área Fiscal
Viçosa - MG

ver Anexos (2)

Meog

Usuário Novo

profissãoAdministrador(a)
mensagens19
pontos125
membro desde04/02/2016
cidadeSao Paulo - SP
Postada:Quinta-Feira, 11 de outubro de 2018 às 12:39:01
Mensagem Editada por Meog em 11/10/2018 12:41:00
Boa tarde,

A bagunça é tanta que já que me perdi...

Hoje achei um site MUITO BOM e bastante compelto:

http://www.informanet.com.br/prodinfo/boletim/2018/trabalhista/producao_rural_06_2018.html



Alguem sabe como anexo algum arquivo ?? pois eu tenho um doc no word que me enviaram que acredito que possa ser util.

Em relaçao a prorrogaçao de PPR também está a mesma bagunça. Veja em anexo a imagem - print de tela

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Marcelo de Paula

Usuário 2 Estrelas de Prata

profissãoAnalista Contabilidade
mensagens679
pontos7.148
membro desde23/11/2012
cidadeVicosa - MG
Postada:Segunda-Feira, 15 de outubro de 2018 às 13:46:52
Boa tarde, Meog!

No que tange às alíquota aplicável ao Produtor Rural Pessoa Física (1,2 Funrural / 0,2 SENAR / 0,1% Gilrat), até que não está tão confuso.

Mas o Produtor Rural Pessoa Jurídica (2,5 Funrural / 0,25 SENAR / 0,1% Gilrat), realmente está bem descompassadas as informações.

Vale lembrar que, para piorar, o PRPF terá de ser enviado no e-SOCIAL e o PRPJ deverá ser entregue na REINF.

Sobre anexar arquivos, próximo ao título da discussão (FUNRURAL 2018) tem a função "ENVIAR ARQUIVO", é só anexar e dar um nome a ele.

Obrigado!

Marcelo De Paula
Área Fiscal
Viçosa - MG

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Marcos Alves Marques

Usuário Novo

profissãoAnalista Recursos Humanos
mensagens19
pontos266
membro desde16/03/2016
cidadeParaibuna - SP
Postada:Segunda-Feira, 15 de outubro de 2018 às 14:41:28
Prezados Colegas, boa tarde

William Carvalho você postou a seguinte mensagem:

"Claudio, está correto, o primeiro FPAS do relatório sai 833, mas os valores ficam no 744, já que o 833 fica como principal apenas para não sobrepor a Gfip anterior".


Quero ver se entendi.

o FPAS da empresa é 507.

Irei enviar uma SEFIP sem a informação da "Aquisição de Produção Rural", ou seja, a SEFIP normal com as informações dos funcionários e logo em seguida irei abrir um Novo movimento da SEFIP "sem informações de funcionários" e informar a "Aquisição....Rural" , Assinalar como informação Exclusiva e lançar o valor da diferença de 0,8% como 'compensação" Ao verificar no relatório de entrega da GPS a coluna FPAS 507 estará zerado (Pergunta: As informações deste campo não substituirão as informações enviadas na SEFIP anterior?). Já no campo do FPAS 744 estará lançado a compensação correta e valor de 1,5% correto (Pergunta: Na SEFIP ele dá a mensagem de que não podemos compensar acima de 30% do valor devido e tal, posso prosseguir normalmente?).


Tenho que enviar com FPAS diferente Na 2ª SEFIP para não zerar as informaçãos ENVIADAS da 1ª SEFIP?

Agradeço desde já.

Atenciosamente

ver Anexos (2)

1 pessoa aprovou esta mensagem.

Clebiane da Silva Pires

Usuário Novo

profissãoTécnico Contabilidade
mensagens19
pontos266
membro desde07/05/2012
cidadeApiaca - ES
Postada:Sexta-Feira, 26 de outubro de 2018 às 15:22:39
No meu caso tenho um pequeno produtor PF que vende o leite para uma cooperativa que já retém o INSS, neste caso não preciso fazer a GFIP referente a produção certo?

A outra dúvida é que na GFIP 604 ref. funcionários tinha uma contribuição de 2,3% para terceiros que no ano de 2018 não terá mais, neste caso posso colocar o código de terceiros 0000, para não recolher nada de terceiros sobre a folha?

ver Anexos (2)


mostrando página 7 de 8

Você precisa ser cadastrado para responder mensagens

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César