2018-07-12T17:59:15-03:00
x

FÓRUM CONTÁBEIS

DEPARTAMENTO PESSOAL E RH

respostas 1.612

acessos 125.901

eSocial - Prosoft

há 28 semanas Quarta-Feira | 29 maio 2019 | 19:09

Eu tive esse mesmo problema com uma única empresa e que já estava com a opção do simples deferida. Eu zerei o código de terceiros porque senão não conseguia enviar.

Eliabe Júnior
Técnico em contabilidade
eliabejunior@hotmail.com
Franca/SP
há 28 semanas Quinta-Feira | 30 maio 2019 | 09:50

Bom dia a todos !

Também tive este problema de código incompatível com o FPAS informado em uma empresa que já esta toda parametrizada no eSocial. Foi quando tive que criar uma nova divisão de RH. A solução foi zerar o código de terceiros, mas atenção, são 4 zeros e quando gerar a folha de pagamento este mês, volte com o código anterior.

há 28 semanas Sexta-Feira | 31 maio 2019 | 13:53

Boa tarde

Alguém tem evento de hora extra noturna cadastrado no sistema? 
Tô tentando parametrizar o meu, pois está dando problema na folha do e-social. 
Gostaria de saber se está em em formato de fórmula..

Daniele Ventorim
há 27 semanas Quarta-Feira | 5 junho 2019 | 13:19

Talita Campanhole, o atestado dos 15 dias é referente aos dias de maio/19?
Se for é só incluir no prontuário enviar depois de aceito fazer o envio do recibo dele novamente e o fechamento da folha, agora se constar que o funcionário já está afastado e não aceitar o envio, verifica no portal do esocial ou no XML no final tem a data que consta de afastamento tive alguns problemas quando fiz o envio de cadastro foi afastamento de férias indevidos foi preciso alterar o cadastro do trabalhador para corrigir o erro.

há 27 semanas Quarta-Feira | 5 junho 2019 | 16:43

segue msg;

"Para que haja um Retorno do Afastamento é necessário que o trabalhador esteja afastado.Ações Sugeridas:- Verificar se o afastamento foi cadastrado.- Verificar a data de retorno do afastamento. A data de retorno do afastamento deve ser, sempre, maior ou igual ao afastamento.Localização: "

há 27 semanas Quinta-Feira | 6 junho 2019 | 13:24

Talita Campanhole, desculpe pela demora na resposta. Entendo que, está pedindo para verificar se  o afastamento foi cadastrado, por ter sido em 04/2019 não tenho certeza se vai ser preciso abrir a folha de pagamento para ser feito o envio e depois fazer o fechamento novamente. Você vai ter que cadastrar no prontuaria do funcionário a informação dos dias do atestado médico e transmitir vai aparecer no S2230, no XML do arquivo você consegue visualizar as datas de inicio e fim se tiver as duas transmitindo e aceito fica tudo certinho as informações.

há 27 semanas Sexta-Feira | 7 junho 2019 | 14:18

Boa tarde pessoal.

As bases de FGTS de vocês estão batendo com as bases do E-Social?

Aqui estou com o seguinte problema:
Na rescisão DA Prososft os valores que incidem FGTS estão assim:
FGTS 13º SALÁRIO:
055 13º Salário...........................680,96 +
057 13º Av. Prev. Indeniz...........136,19 +
Total...........................................817,85 x 8% = 65,37
 FGTS Quitação:
069 Av. Prévio Ind.....................1.710,70 +
051 Saldo Salários.....................1.193,05 +
141 Faltas/atrasos........................141,88 –
Total...........................................2.761,87 x 8% = 220,94
 Somando o FGTS 13º + Quitação = 286,31
 Agora no site do E-Social está assim:
 FGTS 13º SALÁRIO:
13º Salário............................680,96 x 8% = 54,47
 FGTS Quitação:
Aviso Prévio....................................1.710,70 +
Salários............................................1.193,05 +
13º Av. Prev. Indeniz..........................136,19 +
Total................................................3.039,94 x 8% =243,19
 Somando o FGTS 13º + Quitação = 297,66
 Então temos:
FGTS RESCISÃO PROSOFT......................286,31
FGTS RESCISÃO E-SOCIAL......................297,66
DIFERENÇA..............................................11,35
 
Então no site do e-social está dando uma diferença de 11,35 porque oe-social não está considerando na rescisão o evento 141 de falta (no INSS e IR tá tudo certo)
 
Eu sei que tenho que configurar o evento 141 de faltas na aba e-social e no campo “Cod.Incidência FGTS” que no momento está 11-base de cálculo FGTS mensal, mas o que eu coloco lá?

há 26 semanas Segunda-Feira | 10 junho 2019 | 09:51

Bom dia Rodrigo.

Obrigado pela resposta.

Mandei a mesma pergunta para o suporte da prosoft, vamos ver o que eles me respondem.

Será que eu tenho que marcar a opção "repercute no cálculo do aviso prévio" ?

Boa semana para todos

há 26 semanas Terça-Feira | 11 junho 2019 | 09:28

Carlos Alberto Costa, aqui não está marcado nenhuma das 3 opções de repercute.
Também não está marcado nenhuma opção de Cálculo proporcional.
Valeu

há 26 semanas Terça-Feira | 11 junho 2019 | 14:19

CONTRIBUINDO:

O Ministério da Economia, o Congresso e empresários da União Nacional de Entidades de Comércio e Serviços (Unecs) estão alinhados discutindo uma agenda econômica de ampliação da produtividade e de geração de empregos e renda para depois da reforma da Previdência. O presidente Jair Bolsonaro ordenou que o chefe da equipe econômica, Paulo Guedes, acelerasse as discussões para a construção de um planejamento visando o “day after da Previdência”. A ideia é construir uma pauta de reformas tributária, trabalhista e de desburocratização para abertura e funcionamento de lojas e ampliação do mercado financeiro.
Continua depois da publicidade

As conversas ainda são incipientes e estão sob gestação da equipe econômica, que, por sua vez, informa, gradualmente, o andamento das atividades aos representantes da Unecs e aos congressistas organizados por meio da Frente Parlamentar Mista em Defesa de Comércio, Serviços e Empreendedorismo. Um desses encontros ocorreu nesta quinta-feira (6/6), na sede da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), em Brasília, o quartel-general da força-tarefa entre governo, congressistas e líderes varejistas.

Carlos Costa, titular da Secretaria Especial de Produtividade, Emprego e Competitividade (Sepec) do Ministério da Economia, apresentou um balanço das realizações. A pasta trabalha o desenvolvimento de uma nota fiscal de serviço eletrônica para padronizar e facilitar o acesso a alguns benefícios com exportações e o setor terciário, além de minimizar riscos de bitributação. “Estamos trabalhando com respaldo técnico para a definição pelo STF (Supremo Tribunal Federal) envolvendo bitributação de softwares que, hoje, é disputado por estados e municípios. Um querendo cobrar ICMS, outro ISS, um problema muito sério para um setor tão importante, responsável por capital humano e economia digital”, ponderou.

Ainda na agenda de desburocratização, discutiu-se o “Procon Parceiro”, mecanismo que, aparentemente, estabelecerá uma padronização dos órgãos. “Cada Procon atua com interpretação diferente no Brasil. Queremos uma harmonização”, disse Costa. Outra proposta nesse campo é o “Nasce Legal”, ação para que todas as empresas de baixo risco comecem a operar imediatamente. A intenção é fazer com que o Brasil seja o país com menos tempo para se abrir uma empresa no mundo.

A reforma trabalhista será discutida num “avanço” na legislação atualizada na gestão do ex-presidente Michel Temer. A meta é estabelecer uma “pacificação” de novos regimes de contratação, principalmente o intermitente. “Trabalhamos duro para isso. Não é possível avançar na legislação trabalhista e ficar como se nada tivesse ocorrido”, destacou. A equipe econômica discute, ainda, a “harmonização” de ICMS e ISS, bem como a simplificação de recolhimentos federais, que incluirá um processo de “passar a faca” no sistema de Escrituração Digital das Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas (eSocial) . “Já decidimos e vamos acabar com o eSocial. É uma decisão do ministro Paulo Guedes, que defendemos na Sepec desde o início e não dá para continuar com isso.”

A reforma tributária idealizada pela equipe econômica passa por um tripé baseado em mudanças no Imposto de Renda, na unificação de impostos federais e na desoneração da folha de pagamento das empresas. “O presidente está falando em reduzir a alíquota do Imposto de Renda de 35% para 20%. A intenção é essa. Vamos ter de fazer um jogo de racionalização, porque não podemos, de imediato, perder arrecadação. A ideia é aumentar a base e reduzir a carga tributária e a incidência sobre os contribuintes. Mas, a curtíssimo prazo, a ideia é reduzir para 20%. Não sei se vai dar: 21%, 22%, 23%, 25%. Mas a ideia é reduzir significativamente”, afirmou o secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra.
EstratégiaO titular do Fisco explicou que, sob estratégia de Guedes, não pôde discutir ainda a reforma tributária nos primeiros meses de governo, que priorizou a reforma da Previdência. “Mas o ambiente está mudando. A reforma previdenciária está aí e deve passar. É uma das poucas vezes em que eu vejo pessoas defendendo uma reforma da Previdência nas ruas. Governo e sociedade estão de mãos dadas, porque estamos num beco sem saída”, ressaltou. No entanto, as ideias de Cintra estão sendo acomodadas em discussões capitaneadas pela Frente Parlamentar Mista da Reforma Tributária, presidida pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF), com aval dele.

A cobrança pela apresentação de uma agenda “pós-Previdência” foi reforçada pelo presidente da Frente Parlamentar de Comércio, Serviços e Empreendedorismo, deputado Efraim Filho (DEM-PB). Na opinião dele, é preciso focar na pauta previdenciária, mas há outras vias administrativas para estimular a retomada da atividade econômica. “Vamos continuar trabalhando com a proposta, pedindo votos. Não quero dizer que ela já está dada”, disse. “Mas é preciso pensar de forma planejada e estratégica o que virá depois. Qual é a agenda? Ainda não está muito claro para a gente”, acrescentou.

Um dos principais temas de reclamação do setor produtivo e de parlamentares é a área financeira. Eles entendem que os bancos cobram juros altíssimos e têm lucros elevados. O spread bancário é um dos mais elevados do mundo. Além disso, o ambiente de negócios frustra os empresários, porque o código comercial brasileiro prejudica a criação de empresas e traz insegurança jurídica para o funcionamento dos empreendimentos.RecursosO spread bancário é a diferença entre o que o banco paga para obter recursos no mercado e o que cobra do tomador de empréstimo.

FONTE: https://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2019/06/07/interna_politica,760862/saiba-o-que-o-governo-pretende-apos-aprovar-a-reforma-da-previdencia.shtml

há 26 semanas Quarta-Feira | 12 junho 2019 | 09:09

Bom dia pessoal.

Alex, estão marcados sim, pois se não marcar o que não bate vai ser o INSS que bate certinho.

O que não tá batendo é na quitação.  
Mandei aquela pergunta detalhada no suporte da prosoft e olhem a resposta:

"Boa tarde Senhor Carlos, 
O Senhor poderá consultar a incidência correta junto ao e-social ou na tabela
de rubricas conforme leiaute. 
Atenciosamente.

Esse pessoal do suporte tá de brincadeira.

há 26 semanas Quarta-Feira | 12 junho 2019 | 10:29

Bom dia Carlos,

estamos com o mesmo problema, não achamos o erro ainda, e detalhe só acontece em algumas empresas, em outras tem rescisão e bate certinho os valores.
No seu caso esta acontecendo em todas as empresas? 

há 26 semanas Quinta-Feira | 13 junho 2019 | 10:46

Carlos Alberto Costa, por isso é que não faço pergunta pela internet. É mais fácil de eles se livrarem de nós.
Tem que ligar e demonstrar que o xml está indo errado.

Valeu

há 26 semanas Quinta-Feira | 13 junho 2019 | 15:23

Pessoal boa tarde, ontem fiz o envio de um desligamento e retorna com esse erro:

Grupo ''Verbas Rescisórias'' não deve ser preenchido. Verifique as condições de preenchimento no leiaute.
Localização: /eSocial/evtDeslig/infoDeslig
Enviei o aviso prévio que foi cumprido com a opção da redução e agora no envio da rescisão aparece o erro, alguém saberia como resolver??

há 26 semanas Sexta-Feira | 14 junho 2019 | 09:24

TAMYRES DA SILVA M. VALÉRIO
Bom dia

Verifique a data dos Eventos não Periódicos lá no gerenciador. Provavelmente está com data anterior a 10/04/2019. Ative a fase de Eventos Periódicos também. Em seguida, cancela a validação da rescisão e valide novamente para transmitir.

Boa sorte!

há 26 semanas Sexta-Feira | 14 junho 2019 | 10:58

Bom dia Pessoal!

Rodrigo, pois é.....tem que ligar ..........mas hoje perdi a paciência............pois quando damos azar e depois de esperar um tempão no telefone quem atende quer te passar o conhecimento para ver como faz fica complicado.

Mas aquele problema do FGTS na quitação dei sorte e peguei um atendente que se chama Leonardo e resolveu.

Dione, na configuração do evento/rubrica de faltas (aqui 141), na aba do e-social, os códigos de incidência estão todos 11 (menos a sindical que tá 00)

Mas segundo o Leonardo do suporte que me atendeu, tem que marcar  a opção "repercute no cálculo do aviso prévio"
E mandar novamente o evento (aqui o meu era 141) como retificação, e na data, colocar a mesma data que foi enviado esse evento na carga inicial (aqui foi 10/2018), e  a competencia no e-social que estava 06/2019 ele alterou para 10/2018.

Bom, fiz tudo isso, tirei a validação das rescisões, validei, transmiti pro e-social e mandei o encerramento mensal (S1299) aí o FGTS rescisório bateu.

há 26 semanas Sexta-Feira | 14 junho 2019 | 12:47

Agora meu problema é outro.

1/12 avos de salário maternidade de funcionário demitido.

O valor sai no resumo da folha, é deduzido da GPS, mas no e-social esse valor não é deduzido, e a guia gerada na dctf-web sai com o valor a maior.
Liguei tres vezes no suporte os dois primeiros atendentes fizeram vários procedimentos e nao conseguiram resolver, a terceira atendente nem quis fazer acesso remoto, falou que o problema é na incidência dos eventos e nisso eles não mexem, o cliente tem que se inrfomar como parametrizar.
Agora tô criando coragem para ligar novamente e tentar resolver.
Boa sorte a todos que dependem do suporte!!

Página 54 de 56
RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.