Contábeis o portal da profissão contábil

30
Jul 2016
10:05

Login

entrar lembrar
Cadastre-se Grátis
você está em:

Informações » Artigos

Você sabe classificar os gastos de sua empresa?

A maioria dos estudantes e empresários encontram dificuldades quando o assunto é contabilidade de custos. Relacionamos, então, alguns conceitos básico com o intuito de esclarecer as classificações quanto a custo, despesa, investimento e perda.

postado 14/03/2016 20:23:01 - 721 acessos

Para entender melhor o processo produtivo é primordial que tenhamos alguns conceitos básicos devidamente definidos em mente. O nosso assunto de hoje é contabilidade de custos. Iremos falar sobre a definição de custo, despesa, investimento e perda. Os conceitos acima são importantes para que saibamos diferencia-los uma vez que cada um possui uma participação definida na composição do custo do produto. Iniciaremos com o conceito de custo:

Custo é todo aquele gasto que está diretamente ligado à composição do produto. São materiais necessários para construir o produto, o pagamento para as pessoas que trabalharam para produzi-lo, a energia elétrica gasta no processo produtivo, sobras esperadas de material e tudo aquilo que agrega valor à produção.

As despesas, diferentemente dos custos, não agregam valor diretamente ao produto. Elas, geralmente são alocadas após o processo produtivo ou paralelo a ele, porém, agregando valor a outros serviços importantes, mas não diretos. Os salários do pessoal de vendas, contabilidade, telemarketing, depreciação de sedes da administração, energia do escritório comercial, ou seja, despesa, são os gastos dos setores que não estão ligados diretamente à produção.

Investimento é o gasto incorrido que vise a geração de receita no estabelecimento. Existe uma grande confusão no que diz respeito à classificação da compra de matéria prima, por exemplo. A compra em si é um investimento. O produto entrou na empresa e ainda não houve uma destinação final para ele. Já o consumo de matéria prima, será um custo na produção uma vez que houve uma ordem de serviço que retirou aquela matéria prima do almoxarifado e a enviou para o setor produtivo. O uso desta matéria prima no setor produtivo será um custo. Dentre outros exemplos, citamos os usuais: compra de maquinário, aquisição de veículos, etc.

Finalmente a perda é todo gasto que representa um prejuízo para a empresa. É o gasto inesperado quando uma enchente atinge o setor produtivo e danifica equipamentos ou matéria prima, ou quando há um uso excessivo de material sem planejamento (que também caracterize um desperdício).

Importante: as sobras normais de material no processo produtivo são considerados custos. As sobras anormais ocorrem quando é necessário, por exemplo, o corte de uma camisa e existe a sobra de pano que corresponde aos locais que foram cortados. Não há desperdício, apenas em alguns momentos não se pode aproveitar tudo. Neste caso, essas sobras irão integrar o preço do produto, por isso serão considerados custos.

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.05 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César