PARTICIPE

O Maior Evento Online Contábil do País - Inscrições gratuitas

19 a 23 de junho de 2017

www.conbcon.com.br
x

Contábeis o portal da profissão contábil

27
Apr 2017
04:01
você está em:

Conteúdo » Artigos

Finanças Como Controle De Investimento Organizacional

Este artigo tem o propósito de enfatizar a necessidade da organização de ter um investimento controlado, a partir de um finanças baseada na conjuntura da empresa.

postado 09/12/2016 13:53:11 - 958 acessos

Resumo

Este artigo tem o propósito de enfatizar a necessidade da organização de ter um investimento controlado, a partir de um finanças baseada na conjuntura da empresa. Sabendo-se para ter resultados eficazes e necessário o comprometimento organizacional. Buscou-se pesquisas através da conjuntura atual das organizações. Uma empresa para ter crescimento e se desenvolver é necessário investir e fazer isso de forma correta, para que não venha refletir em resultados insatisfatório de um empresa. Diante disso apresentou-se processos desde a estruturação do plano de investimento até a execução para trazer lucratividade organizacional.

1. INTRODUÇÃO

A forma como as organizações vem dentro um crescimento, e suas reais contribuições na sociedade, na geração de emprego, no desenvolvimento socioeconômico, podemos ver que cada seguimento tem seus métodos de crescimento, suas políticas de planejamento e suas ferramentas para se chegar ao objetivo.
Diante de tantas incerteza que o cenário mercadológico proporciona, as organizações veem as finanças como peça chave de investimento, fator preponderante no alvo certo. Mas como utilizar as finanças para o investir corretamente? E como utilizar a mesma para manter o controle e crescimento organizacional? As finanças é uma ferramenta que mostra diretrizes para e onde deve ir a empresa.
O campo de finanças tem se ajustado às dramáticas mudanças dos últimos anos. O conhecimento de finanças tornou-se essencial para as pessoas engajadas na prática de conduzir os negócios. Sendo assim, de acordo com Gropelli e Nikbakht (1998), Finanças "é a aplicação de uma série de princípios econômicos para maximizar a riqueza ou valor total de um negócio".
As organizações por sua vez utilizam as finanças como princípio base no planejamento orçamentário, mas não e só na implementação mas também no controle desse processo de investimento.

2. FINANÇAS ORGANIZACIONAIS
Dentre todos os elementos que colaboram para a estabilidade de uma empresa as finanças está como fator preponderante na execução dos projetos como também na melhoria e expansividade dos negócios. Os recursos que são captados e suas formas de controle refletem no resultado da organização.
Desde a captação até a finalidade de recursos existe um processo chamado controle que podem ser feito através de analise Para tanto devem ser desenvolvidos procedimentos para análise e seleção adequada das demandas apresentadas aplicando-se técnicas de decisão apropriadas com o objetivo de maximização de resultados.
As decisões da empresa relacionadas às questões de ordem financeira têm relação direta com a disponibilidade de recursos ou fundos de custeio.

2.1 Fluxo de Caixa
O controle financeiro e uma ação que deve ser executada de forma impecável nas organizações e o fluxo de caixa e um mecanismo que proporciona uma conjuntura financeira da empresa.
Pode-se compreender, com base em Greco, Gärtner & Arend (2009) que as informações sobre os fluxos de caixa são de suma importância, pois é por ela, na qual é constatado pelo indivíduo se a empresa possui capacidade em gerar caixa e a necessidade de utilização de seus recursos.
Com o fluxo de caixa pode saber o momento de aplicar ou manter-se estabilizado em determinado período Para Zdanowicz (1992) "o fluxo de caixa é o instrumento de programação financeira, que corresponde às estimativas de entradas e saídas de caixa em certo período de tempo projetado". Com essa estimativa a organização das finanças torna-se mais correta em função de ter em mãos o que irá receber e o que irá pagar em certo período de tempo, podendo prever possíveis investimentos com as sobras, bem como a busca de recursos quando existir déficit no caixa da empresa.

2.2 Ciclo de financeiro Para Ramos (2008), o ciclo financeiro ou conversão de caixa, começa com o pagamento do produto/matéria prima, que será revendida ou transformada em produto acabado, e termina com o recebimento do pagamento desse produto. Gitman (2004) demonstra que a conversão de caixa está dentro do ciclo operacional, que começa com a entrada da matéria prima no estoque e que envolve basicamente duas categorias de ativos, o estoque e o contas e receber. Porem para a fabricação e venda do produto são necessários vários gastos como a compra de matéria prima e a mão de obra, que resulta em passivos que são as contas a pagar. As administrações desses ativos e passivos resultaram em uma empresa forte e competitiva, ou em uma empresa fraca e endividada. a) CONTROLE DE ESTOQUE b) CONTROLE DE CONTAS A RECEBER E PAGAMENTOS c) A IMPORTÂNCIA DO CICLO FINANCEIRO
3.PLANEJAMENTO DE INVESTIMENTO

3.1 Estruturação
Para um crescimento empresarial eficaz, o planejamento e o fato inicial para o processo de alavancagem da organização, no momento de investir todas as informações devem se encontrar tempestivas, as ações serão dirigidas pela conjuntura financeira, para ter eficiência nos procedimento de investimento a estruturação do planejamento deve ocorrer de forma clara e precisa.
Segundo Oliveira (2010b), o planejamento corresponde ao estabelecimento de um conjunto de providências a serem tomadas para a situação em que o futuro tende a ser diferente do passado ou do presente.
Para se obter resultados em um planejamento para aplicação de recursos a estruturação do mesmo deve ocorrer de forma consistente, não ultrapassando os processos que foram estrategicamente elaborados.
'O processo da estratégia', Mintzberg e Quinn (2001, p.21) o conceituaram como uma “sequência passo a passo das ações necessárias para atingir os principais objetivos, expressando como esses serão alcançados dentro dos limites impostos pelas políticas”, complementados por Hunger e Wheelen (2002): plano mestre abrangente que estabelece como a empresa irá alcançar sua missão e seus objetivos.
Cada elemento que faça parte da estruturação do planejamento deve estar aliado de informações que venham proporcionar ligações com as demais ações a serem aplicadas

3.2 Processos de Investimentos
Para cada organização e indispensável não pensar em crescimento, esse é um dos fatores dos quais surgem ações e implantações de investimentos, essas causas fazem parte de processos para investir, não bastar só investir mas o que investir que reflita no crescimento e desenvolvimento quanto organização.
Ao estruturar um plano de investimento, tem-se o processo do qual e a execução a aplicação de recursos disponível, quando? Quando? E quem quer aplicar são indagações que surgem ao viabilizar o crescimento da entidade.
O processo de planejamento estratégico, na visão de Oliveira (2010a), pode ser iniciado pela definição da visão da empresa, que corresponde aos limites que os principais responsáveis conseguem enxergar dentro de um período de tempo mais longo e uma abordagem mais ampla.

4. CONTROLE DE INVESTIMENTO
Toda organização visa o crescimento e desenvolvimento organizacional, através do resultados obtidos com os planejamento executado. O investimento e o fator principal para crescimento, seja de curto ou longo prazo. O controle desse investimento é a segurança de que o planejamento estar seguindo as diretriz como estruturado e orçado.
Segundo Ross et al. (1995), o controle é o ato de medir as realizações e de verificar se as mesmas estão sendo executadas de acordo com o planejamento adotado pela organização, mostrando os problemas se porventura, forem constatados
O controle e a ferramenta de segurança base para que os procedimentos de investimento tenham êxito. Rose (1971), afirma que as finanças que representam o dinheiro na empresa formam a base de toda estrutura de qualquer atividade empresarial.

4.1 Recursos Financeiros
Para que o planejamento de investimento organizacional venha ter êxito em sua estrutura, os recursos financeiros é o mecanismo da execução, as formas de captação desse recurso deve ser feita a partir do planejamento institucional da empresa, os recursos deve ser aplicado de forma correta para trazer resultados precisos e eficazes.
Existem diversas formas para se captar recursos financeiros, seja de ativo circulante, não circulante ou mesmo de imobilizado, para que os mesmo venha produzir bens futuros, podemos destacar algumas formas de captação de recursos tais como:
. Recursos de curto prazo
. Recursos de médio prazo
_________________________________
O PROGER Urbano Social Segundo o Banco do Brasil: essa linha de créditos financia projetos de investimentos que proporcionem geração de emprego e renda, para empresas com faturamento bruto anual de até R$ 5 milhões, com prazos de pagamentos de até 72 meses, incluindo até 12 meses de carência, com taxas de 2,5% ao ano, acrescidos da TJLP (Taxa de juros de longo prazo).
. Recursos de longo prazo
. Recursos de menor risco
. Recursos de menores custos.
. Proger
. BNDES FINAME
Existem diversas formas de captação de recursos mas todos devem estar ligados ao seguimento, e seguir o planejamento.

4.2 Tempestividade financeira
As informações financeiras devem estar de acordo com a conjuntura empresarial, os fatores intrínsecos devem estar tempestivos, cada processo deve conter clareza, para ter rendimento satisfatório.
Para ter resultados positivos em um investimento, o sistema de informação deve estar fundamentado nos processos executados, dessa forma poderá dar subsídios para controle de financeiro de investimento.

5. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Diante desse cenário de organizações que visam crescimento e desenvolvimento, surge a necessidade de investir, mas o investimento vem a partir de diversos processos desde a análise do departamento até a estruturação do plano de investimento, o controle e a execução do mesmo.
As finanças em uma organização e a base de execução das ações planejadas, essa por sua vez é umas das formas de controle para que uma empresa tenha resultados eficazes.
Conclui-se que para uma gestão eficaz da saúde financeira das empresas, é necessário a utilização eficiente de controles financeiros, que por sua vez e fundamental ao investimento org anizacional, sem os quais empresas podem contrair altos prejuízos e chegarem a uma posição que pode se tornar sem volta. Portanto a finanças e o controle principal para ter um investimento eficaz.

Gleimisom Carlos Araújo Santos

Bacharel em ciências contábeis (FACULDADE ESTACIO)
Especialista em MBA Gestão empresarial e finanças (FEBAC – Faculdade de Educação de Bacabal)
Pós-graduando em MBA Gestão Fiscal e Tributária (FACULDADE ESTÁCIO)
Graduando em Teologia (FATEH – Faculdade de Teologia Hoekmah)

----------------------------------------------------

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIAS
BATEMAN, Thomas S. e SNELL, Scott A. Administração: construindo vantagem competitiva. São Paulo: Atlas, 1998.
GRECO, Alvísio; GÄRTNER, Günther e AREND, Lauro. Contabilidade: teoria e práticas básicas. 2. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva, 2009.
GITMAN, Lawrence Jeffrey. Príncipios de administração financeira. Tradução técnica: Antonio Zoratto Sanvicente. 10. ed. São Paulo: Pearson Addison Wesley, 2004.
IUDÍCIBUS, Sergio de, et.al. Manual de contabilidade das sociedades por ações. 5. ed., São Paulo: Atlas, 2000.
ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W. e JAFFE, Jeffrey F. Administração financeira. Tradução: Antonio Zoratto Sanvicente. 2. ed. 7. reimpr. São Paulo: Atlas, 2008.
ZDANOWICZ, José Eduardo. Fluxo de Caixa: uma decisão de planejamento e
controle financeiro. 9 ed. Porto Alegre: Sangra Luzzatto, 2002.

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

Certificado Digital certificados digitais com preços promocionais para contadores

desconto de 15% em certificados digitais e pague no boleto ou parcele sem juros no cartão.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.11 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César