PARTICIPE

O Maior Evento Online Contábil do País - Inscrições gratuitas

19 a 23 de junho de 2017

www.conbcon.com.br
x

Contábeis o portal da profissão contábil

25
Apr 2017
07:36
você está em:

Conteúdo » Artigos

Pulverizar a carteira de clientes é sinal de sensatez

Não colocar todos os ovos num único cesto é um ditado popular bastante conhecido e sensato, mas nem sempre aplicado no dia a dia das empresas. Descuido ou comodismo?

postado 05/04/2017 08:54:59 - 2.367 acessos

Aprender com os erros dos outros custa menos do que com os nossos próprios, mas teimosamente, quando acontece com os outros, marcam muito pouco nossa própria vida. Então é preciso que o fato aconteça conosco e que, de preferência, as perdas não sejam muito grande, mas pode custar tempo, às vezes, “amigos”, clientes e dinheiro.

Ao emprestar seus recursos financeiros o agiota sabe que deve pulverizá-los nos clientes para diminuir a possibilidade de perder grandes somas, porém, por comodidade, infringe esta regra com facilidade. Quanto maior a carteira de clientes, mais difícil trabalhar, então à medida em que pega confiança num cliente vai aumentando o limite de crédito, tanto por insistência do tomador, como pelo conforto de trabalhar, até que chega o momento em que os compromissos deixam de ser honrados com a mesma regularidade. O desespero começa a bater!

O consultor que possui altos honorários, mas concentrado num só cliente, pode ficar sem trabalho a qualquer momento. O eletricista, pedreiro ou encanador autônomo que decide fixar contrato com apenas uma construtora também pode, a qualquer momento, ter o contrato cancelado e encontrar dificuldades, devido ao baixo conhecimento no mercado, para voltar a trabalhar de imediato.

Os ovos devem ser bem distribuídos em diversos cestos para que num eventual tombo a perda torne-se pequena, a ponto de preservar o negócio apesar da ruína.

Costumo perguntar aos colegas empresários da contabilidade se são melhores os grandes honorários ou os pequenos. Muitos dizem que preferem os grandes, mas será que proporcionam mais segurança. Para exemplificar tomemos uma empresa contábil que possui faturamento mensal de R$ 20.000,00, composto por apenas um cliente fiel há 10 anos. Este faturamento dá a tranquilidade de honrar todas as despesas e ainda sobra lucro satisfatório ao proprietário. Em determinado momento este cliente poderá entrar em grande dificuldade financeira e até quebrar, ou concluir, por vários motivos, que é preciso trocar de contador: alguém da família resolveu atuar no ramo da contabilidade, o consultor orientou buscar outro profissional que cobre menos e faça mais, a empresa cresceu muito e resolveu ter um contador interno etc.

Se a sua empresa contábil possui apenas um cliente empenhe-se para buscar mais um, mesmo que os honorários não representem mais que 1 ou 2% do total. Aos poucos a carteira de clientes estará distribuída, por exemplo, 50% com apenas um cliente e os outros 50% com dez ou mais clientes. Esta situação é bem mais confortável do que 100% da receita estar nas mãos de um único cliente.

Um dos indicadores econômicos que acompanho mensalmente são os honorários médios, cuja conta é bastante simples: honorários totais divididos pelo número de clientes. Veja como fica este indicador com base no exemplo citado acima:

 

            Faturamento total: R$ 40.000,00

            Número de clientes: 11

            Honorários médios = R$ 40.000,00 / 11 = R$ 3.636,36

 

Vejamos outra empresa que possui o mesmo faturamento de R$ 40.000,00 mensais de honorários, cuja carteira é composta por 105 clientes. Fazendo a conta (R$ 40.000,00 / 105) chega-se à média de honorários de R$ 380,95 por cliente. Qual é o modelo de empresa que mais lhe agrada, considerando que o faturamento bruto seja o mesmo: com apenas um cliente, com 11 clientes ou com 105 clientes? 

Concordo que num cenário de segurança duvidosa é mais cômodo trabalhar com apenas um cliente. No entanto, a viabilidade de continuidade de qualquer negócio é consolidada quando os ovos (faturamento) são distribuídos em mais cestos (clientes).

Calcule como estão distribuídos os honorários na sua empresa. Caso conclua que o faturamento médio é mais baixo do que o de seus colegas, comemore! Quando me refiro a honorários pequenos, estes obviamente devem gerar lucratividade, pois os grandes honorários normalmente exigem muito mais trabalho, ou seja, maiores custos. Os pequenos apresentam honorários menores, mas também custos bem mais baixos.

Faça o controle do tempo aplicado nos clientes. Talvez você descubra que os clientes menores podem gerar lucros melhores que os grandes, além de trazer maior segurança, pois perder um cliente pequeno afeta menos o seu negócio.

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

WebContábeis Conteúdo contábil atualizado e de qualidade em seu site.

Desconto de 10% na mensalidade dos planos básicos de conteúdo.

conheça mais

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.07 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César