Contábeis o portal da profissão contábil

22
Aug 2017
11:54
você está em:

Conteúdo » Artigos

O Fisco está de olho nas suas redes sociais

Você sabia que a Receita Federal está utilizando cada vez mais as redes sociais para auxiliar suas fiscalizações e autuações?

postado 18/04/2017 14:20:10 - 2.442 acessos

Você sabia que a Receita Federal do Brasil (RFB) está utilizando cada vez mais as redes sociais para auxiliar suas fiscalizações envolvendo o Imposto de Renda da Pessoa Física? Pois é! Desde o início do ano passado, diversas operações nas mídias sociais estão ajudando o Fisco a checar o real patrimônio dos contribuintes e a identificar operações fraudulentas envolvendo "laranjas".

E neste ano de 2017 tivemos mais uma novidade. A RFB passou a utilizar mecanismos de inteligência artificial para analisar os dados informados pelos contribuintes. Tal ferramenta está permitindo ao Fisco coletar, de forma automatizada e com mais agilidade, um volume maior de informações, as quais dão suporte e complementam as pesquisas realizadas pelos auditores especializados nesse tipo de trabalho (centenas de auditores receberam treinamentos para trabalhar com as redes sociais).

Diversas operações envolvendo "laranjas" - alocação de bens em nome de empregados domésticos, amigos ou parentes próximos, por exemplo - estão sendo desmanteladas por meio de identificação de vínculos de amizades, fotos e comentários em redes sociais. Alguns casos foram elucidados, por exemplo, por meio da coleta de vídeos de palestras realizadas por um Diretor - que negava ser o proprietário da empresa - aos funcionários ou por postagens em redes sociais de funcionários chamando o verdadeiro proprietário da empresa de "patrão".

Também estão na mira do Fisco os contribuintes que "ostentam" nas redes sociais, mas não declaram renda compatível com tal estilo de vida. A inclusão de dependentes fictícios (é isso mesmo, você não leu errado, existem contribuintes que "geram" filhos na tentativa de ludibriar o Fisco para pagar menos impostos) também é alvo da Receita, que vem diminuindo anualmente a idade mínima da obrigatoriedade da informação do número do CPF para os dependentes (12 anos em 2017).

Outra possibilidade de investigação via redes sociais, se dá nos casos em que o contribuinte está devendo para o Fisco, que analisa com auxílio dos perfis do usuário se o mesmo possui bens que eventualmente possam ser alvos de penhora para quitação das dívida.

Segundo informações da própria RFB, centenas de milhões de reais já foram recuperados somente devido a utilização dessa nova técnica.

PS: Não se esqueça que o prazo para transmissão da Declaração de Imposto de Renda da Pessoa da Pessoa Física (DIRPF) terminará no próximo dia 28 de abril.

Artigo enviado por
Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Artigos

WebContábeis Conteúdo contábil atualizado e de qualidade em seu site.

Desconto de 10% na mensalidade dos planos básicos de conteúdo.

conheça mais

Facebook


x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.06 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César