Contábeis o portal da profissão contábil

15
Aug 2018
11:38
DIA 13 SEGUNDA

O Maior Evento Online Brasileiro de Contabilidade

Gratuito 100% online

VEJA AS PALESTRAS DE HOJE

DIA 13 SEGUNDA

13 a 17 de agosto de 2018

www.conbcon.com.br

O Maior Evento Online Brasileiro de Contabilidade

100% online Gratuito
Gabriel Manes

Gabriel Manes

Tecnologia

Como conquistar produtividade, satisfação do cliente e crescimento

Vanildo Veras

Vanildo Veras

Empreendedorismo

Excelência ou sorte, eis a questão

Fátima Roden

Fátima Roden

Tributário e Trabalhista

Alterações a partir de 2018 em relação ao ISS e ISS fixo no Simples Nacional

Divane Alves

Divane Alves

Normas Contábeis

Normas Contábeis - Surgimento e Aplicação

Fernanda Rocha

Fernanda Rocha

Empreendedorismo

Contabilidade Consultiva: o Caminho da Riqueza e da Prosperidade

Marcelo Voight Bianchi

Marcelo Voight Bianchi

Gestão Empresas Contábeis

Empresa Contábil: Um Grande Negócio do Século XXI

Adriano Vermolhem

Adriano Vermolhem

Gestão Empresas Contábeis

Marketing Digital na prática para Escritório Contábeis

Domingos Vasco

Domingos Vasco

Tributário e Trabalhista

Aspectos Legais e Gerais do eSocial

Cláudio Miranda

Cláudio Miranda

Formação Profissional

Turnover de pessoal e qualidade de vida no trabalho nas Empresas de Auditoria Externa

Gilberto Cunha

Gilberto Cunha

Empreendedorismo

Quero comprar de você

Alizete Alves

Alizete Alves

Tributário e Trabalhista

16:00 - eSocial - Impactos e ações para uma entrega de sucesso

Mauro Negruni

Mauro Negruni

Tributário

Resultados do novo modelo da DCTFWeb

Fernando Almeida

Fernando Almeida

Formação Profissional

Como elaborar um projeto de pesquisa?

Vinicius Roveda

Vinicius Roveda

Tecnologia

Transformação do mercado contábil: de 2015 a 2020

José Luiz Fondacaro

José Luiz Fondacaro

Tributário e Trabalhista

Fim do Emissor do Cupom Fiscal - E Agora?

Rogério Fameli

Rogério Fameli

Gestão Empresas Contábeis

Marketing Digital de Performance e Captação de Clientes de Contabilidade

Gilmar Duarte

Gilmar Duarte

Gestão Empresas Contábeis

Honorários Contábeis: Segredos da precificação

Isis Abbud

Isis Abbud

Empreendedorismo

Contadores conseguem inovar?

Christiano Santos

Christiano Santos

Normas Contábeis

CPC/IFRS 17 Contratos de Seguros

Hélio Donin

Hélio Donin

Tecnologia

Contabilidade e as ferramentas tecnológicas da atualidade

Paulo Vaz

Paulo Vaz

Gestão Empresas Contábeis

Contabilidade Digital e on-line: Aspectos de Estratégicos

Simoní Pechebela

Simoní Pechebela

Tributário

Código GTIN validação e obrigatoriedade aplicada a NF-e e NFC-e

PERDEU AS PALESTRAS DE ONTEM? CLIQUE AQUI

MAIS PALESTRAS DE HOJE

« »

Economia

Salário mínimo, Vilão ou Mocinho ?

Breve ponto de vista argumentado sobre o erro de aumento do Salário mínimo em pleno momento de crise financeira.

24/01/2018 11:32

2.739 acessos

Salário mínimo

História

Salário mínimo é o menor valor que um trabalhador pode receber de quem o contratou, estipulado por lei, é alterado anualmente com base no custo de vida da população, ou seja, no quanto a pessoa gasta para a sua sobrevivência. Criado no século XIX na Austrália e na Nova Zelândia, no Brasil o salário mínimo surgiu no século XX na década de 30, com a promulgação da Lei de nº185 em janeiro de 1936 e decreto de lei em abril de 1938. Nesta época existiam 14 salários mínimos diferentes, sendo que na capital do país, o Rio de Janeiro, o salário mínimo correspondia a quase três vezes o valor do salário mínino no Nordeste. A primeira tabela do salário mínimo tinha um prazo de vigência de três anos, mas em 1943 foi dado o primeiro reajuste seguido de  outro em dezembro do mesmo ano, e os aumentos eram calculados para recompor o poder de compra do salário mínimo. A unificação total do salário mínimo aconteceu em 1984. Embora o valor mínimo seja estabelecido por lei, vários trabalhadores não recebem nem à um terço do valor do salário mínimo, isso se deve a exploração feita por alguns empregadores.

Minha Visão

Economicamente falando vivemos e um círculo econômico, onde os empregados trabalham em troca de um valor monetário para custearem as suas necessidades e assim por diante até o valor entrar na empresa que os emprega e os pagarem novamente, isso ocorre mensalmente.

O empresário que tem um mínimo de planejamento,  poderia montar seu plano financeiro da seguinte forma (apresentação bem sucinta):

Empresa: Indústria fabricante de refrigerante:

Mês 01/19x1 = Venda total de 100.000 garrafas de refrigerante a R$ 2,00

(+)  Venda total = R$ 200.000,00 = 100%

(-) Custos totais = R$ 90.000,00 = 45%

                • Custos outros = R$ 54.000,00

                • Custos Mão de Obra Total = R$ 36.000,00

(-) Despesas totais = R$ 30.000,00 = 15%

(-) Impostos totais no produto = R$ 50.000,00 = 25%

(=) Lucro líquido = R$ 10.000,00 5%

 

Venda Unitária

(+)  Venda total = R$ 2,00 = 100%

(-) Custos totais = R$ 0,90 = 45%

                • Custos outros = R$ 0,54

                • Custos Mão de Obra Total = R$ 0,36

(-) Despesas totais = R$ 0,50 = 25%

(-) Impostos totais no produto = R$ 0,50 = 25%

(=) Lucro líquido = R$ 0,10 = 5%

 

Até aqui está tudo normal, más aí vem aquele aumento do salário mínimo, não só ele, temos os acordos coletivos onde aumenta-se não apenas o salário base, más o vale transporte, o vale refeição, pois todos os níveis da economia, primário, secundário e terciário, devem ajustar suas REMUNERAÇÕES conforme nova convenção coletiva e lei do salário mínimo.

Vamos avançar no tempo e colocar 14 anos de aumento que dá 1.262,86% ({[(954,00-70)/70]x100}) de aumento do Salário mínimo desde a invenção do Real menos a inflação acumulada de 438% desde a invenção do real, resultando em  824,86%.

Como o empresário projetaria seu lucro, claro que o custo será passado ao consumidor, pois a porcentagem de retirada é fixa.

No produto unitário poderia ser assim:

 (-) Custos totais = R$ 3,51 = 45%

                • Custos outros = R$ 0,54

                • Custos Mão de Obra Total = R$ 2,97 = (R$ 0,36 x 824,86%)

(-) Despesas totais = R$ 1,69 = 25%

(-) Custos e Despesas do produto = R$ 5,20 = 70%

(-) Impostos totais no produto = R$ 1,85 = 25%

= Custo e Despesas totais com imposto previsto sobre o produto = R$ 7,05

(=) Lucro líquido pretendido = R$ 0,10 (mantendo o lucro em 10 centavos por garrafa)

Preço sugerido da garrafa de refrigerante = R$ 7,15.

Viram ? Aumentou-se o preço do refrigerante em R$ 5,25, em contra partida diminuiu o valor da Moeda Real, agora usem esse raciocínio para todos os alimentos, para todas  as indústrias, comércios e serviços. Esta é a Inflação gerada pelo Governo, ao meu ver, o valor das coisas deveriam diminuir por causa da lei de Oferta e Demanda (Capitalismo) não o salário mínimo que deveria aumentar (Socialismo).

 Claro que se eu estiver errado por favor me ajudem.

 

 

Escrito por

Lucas Moraes

Gerente de Contabilidade

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César