Contábeis o portal da profissão contábil

21
Feb 2017
13:30
você está em:

Conteúdo » Notícias

Restituição do ICMS de substituição tributária

É devida a restituição da diferença do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pago a mais no regime de substituição tributária para a frente se a base de cálculo efetiva da operação for inferior à presumida"

postado 01/11/2016 08:00:48 - 2.165 acessos

A recente decisão do STF trouxe reflexos positivos e diretos às empresas que praticam preços de venda inferiores ao exigido pelo fisco no regime de substituição tributária. Vejamos a tese do julgamento para fim de repercussão geral: "É devida a restituição da diferença do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pago a mais no regime de substituição tributária para a frente se a base de cálculo efetiva da operação for inferior à presumida". Temos visto, ao longo do tempo, que empresas reclamam da ânsia de tributar do Fisco, que generalizou o regime de tributação de substituição tributária em muitos segmentos econômicos. Também contestam que são adotadas Margens de Valor Adicionado (MVA) superiores à realidade do mercado para compor o preço presumido de venda. Assim, é resultante no aumento da carga tributária nas operações de compra e, consequentemente, no custo da mercadoria.
 
Com a decisão do STF, passa a ser permitido restituir o ICMS exigido na ocasião da compra desde que comprovado que o preço praticado no varejo é inferior ao presumido pelo fisco e que foi repassado pelo fornecedor quando da venda da mercadoria. Como reflexo, é possível reduzir o custo da compra e aumentar a competitividade podendo propor menor preço de venda.
 
É prudente que o empresário faça prévia simulação dos dados e valores, comparando a base presumida no cálculo do imposto (ICMS-ST) e o preço efetivo praticado na venda no varejo. Dos dados apurados teremos elementos necessários para a tomada de decisão. Entendemos que excepcionar apenas aquelas operações de venda que foram realizadas e que são inferiores às bases presumidas, sem avaliar a totalidade das operações poderá resultar em risco de contingência fiscal resultando em novo litígio que poderá novamente ser submetido ao Judiciário. O procedimento correto será a elaboração de planilhas onde será apurado o real valor global do reflexo da decisão em cada empresa.

Por Feliciano Almeida Neto

Fonte: Jornal do Comércio - RS

Notícia enviada por

ACOMPANHE NOSSAS NOTÍCIAS

Comentários

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

TOP ENVIO DE Notícias

Facebook


Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso. Página carregada em 0.05 segundos.

Site desenvolvido por
Julio Guimaraes | Rogério César