x
CONTEÚDO artigos

O fim do empresário da contabilidade ou o início de uma nova época?

Recentemente um leitor, empresário contábil que cursa especialização, indagou a respeito dos obstáculos e oportunidades para os escritórios contábeis na atualidade. Será que é o fim?

20/01/2013 20:34:30

2,8 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O mundo vem passando por uma série de grandes transformações, o que tem trazido novos obstáculos para diferentes áreas. Ao refletir sobre isso para iniciar este artigo, me lembrei de um acontecimento no mundo do vinho.
Numa época imprecisa, pois apesar de insistente pesquisa não consegui saber, uma doença atacou videiras da França, maior produtor mundial de vinho. A doença provocada pelo fungo Botrytis cinérea apodreceu toda a uva de uma região. Acredito que, naquela ocasião, esse fato foi motivo de grande desânimo dos produtores de vinho, que se viram frente a uma grande desgraça e enorme prejuízo e teriam, portanto, um ano de dificuldades.
 
Alguém conseguiu transformar aquele obstáculo em oportunidade, pois hoje, o melhor, mais caro e disputado vinho licoroso é produzido com a uva atacada pelo fungo Botrytis cinérea, que antecipa o processo de amadurecimento. Este fungo faz um pequeno furo na casca, que libera a água e deixa a uva murcha e feia, mas concentra o açúcar dentro dela. Esse ataque foi batizado de “podridão nobre.”
 
Dentre os diversos obstáculos enfrentados pelo empresário contábil no desempenho da profissão nos conhecidos escritórios de contabilidade, resumi em dois os mais expressivos: a necessidade de constante atualização e a gestão do negócio.
 
De acordo com o Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT) são 6,1 normas tributárias por hora útil, que somam mais de 800 por mês. Para conhecimento e boa orientação aos clientes é necessário estudá-las e manter-se constantemente atualizado, para o que a participação em cursos, palestras e outros treinamentos torna-se fundamental. Sem dúvidas, não é um processo fácil e nem traz conforto ao empresário contábil que tem a grande preocupação de não errar, pois há sempre o risco de indenizar o cliente por prejuízos causados por engano na informação.
 
Aproveito este momento para sugerir a contratação do seguro de responsabilidade civil. De acordo com a pesquisa efetuada pelo Sescon/SP em 2012 e divulgada no 23º Encontro das Empresas de Serviços Contábeis do Estado de São Paulo (EESCON), apenas 23% dos empresários associados possuem o seguro (“Pesquisa de preços e serviços praticados pelas organizações contábeis do Estado de São Paulo – setembro 2012”, página 18).
 
O segundo obstáculo, que alguns empresários já perceberam e tem buscado se preparar para superar refere-se à gestão da empresa contábil. Observa-se que o contador contribui significativamente para gerar informações para a gestão das empresas de seus clientes, no entanto pouco tem feito para melhorar a gestão da sua própria empresa. Em conversas com colegas que desabafam sobre o aviltamento dos honorários, infelizmente é normal ficarmos sem respostas quando perguntamos o que é feito para definir o preço ao cliente, qual é o valor da hora trabalhada, qual o lucro líquido praticado e qual o lucro ou prejuízo de cada cliente. Muitos outros controles são necessários para a gestão de uma empresa contábil, tais como o da produção dos colaboradores e do tempo consumido em cada cliente.
 
Alguns empresários ocupam o seu dia de trabalho e, às vezes noite adentro e o final de semana com ocupações operacionais (apurar tributos, conciliação de contas e preenchimento de obrigações acessórias ao governo). São poucos os que investem na administração do seu negócio.
 
Os que conseguem superar estes dois obstáculos descobrem que é possível ter lucro, assim como os produtores de vinho, que enxergaram uma oportunidade no fruto atacado e arrasado por um fungo, posteriormente transformado em um produto nobre e de alta lucratividade. Certamente não estamos vivendo o fim da empresa contábil, mas o princípio de uma nova e promissora época.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.