x

A Democracia Surfando na Web

A internet é maravilhosa. Mas ainda pode ser mais. Nesta época percebemos nitidamente os transtornos que a logística necessária para implementar uma eleição

25/10/2006 00:00:00

1,8 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

A internet é maravilhosa. Mas ainda pode ser mais.
Nesta época percebemos nitidamente os transtornos que a logística necessária para implementar uma eleição acarreta ao país. Seja pela obrigatoriedade do voto ou de sua justificativa, seja pelo deslocamento de parte da população do local de moradia ao seu domicílio eleitoral ou ainda pela perda de um dia de descanso pela população, a verdade é que uma eleição traz inúmeros transtornos aos cidadãos, sem falar na obrigatoriedade que alguns tem de trabalhar para o Estado nesse dia, a troco de praticamente nada.
É realmente uma estranha democracia a nossa.
Do ponto de vista do Estado, uma eleição é praticamente um pesadelo. Gasta-se uma fortuna para planejá-la, implementá-la e acompanhá-la, manter a segurança, computar os resultados, divulgá-los. Há uma forma mais simples e barata para levá-la a cabo.
Em 2000 a Comunidade Européia lançou o projeto CyberVote destinado a permitir eleições "totalmente verificáveis e dentro de um respeito absoluto do anonimato dos votos e realizáveis a partir de terminais Internet fixos e móveis".
Aparentemente, esse assunto ainda suscita dúvidas entre os governos mundiais.
Mas pensemos em termos de Brasil. Nossas eleições já são automatizadas através das urnas eletrônicas. Isso permitiu um grande avanço nas apurações e divulgação dos resultados. Não há queixas quanto à sua honestidade e confiabilidade. Mesmo assim, as eleições brasileiras demandam gastos e deslocamentos imensos, que são praticamente desnecessários nestes tempos de internet.
O governo brasileiro se vangloria de possuir um dos melhores e-gov´s do planeta. Além de receber inúmeras declarações de pessoas físicas e jurídicas nas esferas federal, estadual e municipal, permite a emissão eletrônica de guias de recolhimento, além da emissão de certidões. O novo "produto" do e-gov brasileiro é a Nota Fiscal Eletrônica, atual menina dos olhos da fiscalização tributária.
Então, porque não somos pioneiros na execução de eleições pela internet? As vantagens são inúmeras, tanto para o cidadão, quanto principalmente para o Estado. Se acreditamos que somos capazes de garantir o sigilo e a confiabilidade eletrônicas necessárias à execução de atos legais e tributários, é óbvio que podemos fazer o mesmo com as eleições. Elas nem precisam ocorrer todas no mesmo dia. Pode se fazer uso da internet em qualquer lugar! Poderíamos votar através de torpedos de celular até! A imaginação sempre foi o limite das tecnologias.
O importante é propiciar que tal "obrigação democrática" seja o menos pesada e cara para nossa sociedade, já tão pressionada e onerada.

Henrique Montserrat Fernandez é Administrador de Empresas com pós-graduação em Análise de Sistemas e MBA em Tecnologia da Informação / E-management pela Strong/FGV. Com 28 anos de atuação profissional, trabalhou em empresas de médio e grande portes, tais como Grupo Bonfiglioli, Copersucar e SENAC, entre outras. Foi Gerente de Sistemas e Métodos da Zanthus, tradicional fabricante de Terminais Ponto de Venda, onde atuou por mais de seis anos. Foi também professor universitário na década de 90, além de possuir vasta experiência em treinamento empresarial. É especialista nas normas ISO 9000, sendo Lead Auditor pela Perry Johnson Inc., desenvolvendo, inclusive, softwares para essa área. Atual Diretor da Zamplex Consultoria, é autor do livro "Evitando a Falência - Garanta o Sucesso de Seu Negócio" (www.zamplex.com.br) e co-autor em "Os Mais Relevantes Projetos de Conclusão de Cursos MBAs 2002" da Strong/FGV Management, além de escritor de vários artigos sobre gestão empresarial.

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

?>