x
CONTEÚDO artigos

Cultura Contábil e Modernidade

As expressivas transformações ocorridas no fim do século XX exigiram nova forma de observar a educação em geral, e, especialmente, a exigível no campo da

25/05/2007 00:00:00

2,3 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

As expressivas transformações ocorridas no fim do século XX exigiram nova forma de observar a educação em geral, e, especialmente, a exigível no campo da Contabilidade.

A queda do muro de Berlim provou que os regimes de Estados guiados pela autocracia e demagogia estavam falidos.

Por outro lado se comprovava através dos grandes bolsões de miséria que mercados não se resolvem por si mesmos e que a especulação desenfreada e cruel sustenta a má distribuição da renda.

O progresso da ciência, somado às duas grandes falácias referidas mostrou que uma terceira opção se fazia necessária.

Entendeu-se que o bem estar das Nações deve buscar-se em uma prosperidade de caráter humano e que uma cultura específica deveria ser implantada sobre as cinzas do socialismo fanático e do capitalismo canibal.

As ciências, pois, da área humana passaram a receber maior atenção e embora o mundo não tenha ainda uma consciência global, necessário é abrir caminho para que esta venha a ocorrer dentro de uma macro-ética, esta passando pelos procedimentos do progresso das células sociais (de empreendimentos dos seres humanos).

Sinaliza tal tendência o fato de no ano de 1999 a Organização das Nações Unidas, em publicação específica, haver apresentado o que se deveriam admitir como linhas gerais da educação dos Contadores, estes como importantes artífices e responsáveis pela construção de uma "nova era de prosperidade como bem estar dos povos".

Para tanto ofereceu um currículo vasto, abrangendo os ângulos principais que deveriam formar a base educacional de um profissional da Contabilidade.

Considerou a nova realidade do mundo e também que a atual política de mercados estava a requerer uma preparação especial para essa importante profissão.

Reclamou não só a necessidade de informações de melhor qualidade, mas, pelo currículo apresentado, evidenciou a relevante importância da consultoria e assessoria às empresas, por parte dos contadores.

Afirmou, categoricamente que tais profissionais deveriam ter visão além das fronteiras de seu país e que todo o mundo na atualidade estava a necessitar de qualidade cada vez maior dos serviços especializados da área contábil.

A publicação da ONU evidenciou, clara e ostensivamente, que o profissional da Contabilidade é imprescindível ao desenvolvimento econômico, social e até político de qualquer nação e que isto exige uma formação cultural vigorosa e assistência especial a eles, quer por parte dos governos, quer das instituições de classe.

Destacou, pois, como matérias educacionais as que abrangeriam não só casos particulares, mas, também de ciências correlatas e até gerais.

Nas matérias específicas foi enfatizada a necessidade dos conhecimentos nas áreas de técnicas informativas, fluxos, custos, auditoria, análise, planejamento e modelos para decisões estratégicas.

Nas matérias correlatas e gerais destacaram as relativas ao Direito comercial, tributário e civil, Economia geral e de mercados, Administração geral e financeira, Estatística, Matemática geral e financeira, Relações Humanas, Organização e Ética.

A publicação concentrou-se em detalhar currículos e o fez em quase 100 páginas, podendo-se, oferecendo uma idéia da extensão e quantidade de matérias envolvidas.

Ressaltou a necessidade de cursos universitários com vasta especialização e entendeu como imprescindível a qualificada graduação (extensão universitária, mestrado e doutorado), como, também a permanente atualização do conhecimento, em razão do caráter evolutivo acelerado das matérias.

A publicação da Organização das Nações Unidas foi dividida em duas grandes partes: a primeira dedicada a Linhas Gerais para sistemas nacionais de qualificação dos Contadores e a segunda ao Currículo Global para a Educação profissional dos Contadores.

Na referida parte segunda a matéria foi disciplinada nos seguintes itens: 1) Conhecimentos de Organização e Negócios; 2) Informação Tecnológica e 3) Contabilidade e conhecimentos correlatos.

Os três itens descritos subdividiram-se em Módulos.

No item de Organização e Negócios os módulos foram: Economia, Métodos quantitativos e estatísticos, Política de Negócios e Estruturas organizacionais, Funções e praticas administrativas, mercadologia nacional e internacional e estratégia administrativa.

No item de Informação Tecnológica um só modulo apresentou e esse se dedicou a tal Informação.

No item terceiro, Contabilidade e Conhecimentos Correlatos, o mais vasto, os módulos se estenderam aos currículos de: Contabilidade básica e preparação de demonstrações em face de normas internacionais, Contabilidade superior, relatórios contábeis de nível superior, conceitos básicos de administração, Contabilidade Gerencial, Planejamento, Controle e Decisão, Tributos, Leis comerciais, Fundamentos teóricos, Teoria Superior da Contabilidade e Finanças de negócio e Administração Financeira.

O importante documento deu destaque a uma forte conotação teórica para sustentar as aplicações do conhecimento contábil e uma preocupação vigorosa em uniformizar a educação contábil em todo o mundo, dando, à mesma, uma abrangente preparação.

Coincidentemente ou não, no mesmo ano de 1992, o Conselho Federal de Educação, finalmente, emitiu Resolução alterando a linha dos cursos de Ciências Contábeis (esta que por décadas era ensejada).

Ocorre que a realidade nesses últimos anos sofreu modificações e o denominado "Processo de Bolonha", hoje em implantação em toda a Comunidade Européia, deu passos à frente, integrando a especialização, ou seja, fazendo de bacharelado, mestrado e doutorado todo um sistema de formação cultural, como se unidade fosse, sem as muralhas que no Brasil, se tem imposto a tal procedimento.

O procedimento dos europeus visou a facilitar, em vez de dificultar (como tem ocorrido) todo um curso de aperfeiçoamento, este deveras necessário à formação e atualização permanente dos contadores.

Aperfeiçoamentos não devem ser coisas atadas a um cartelismo, nem devem ser tidos como privilégios de grupos, mas, sim, algo a todos acessível, pois, só desta forma terão caráter de qualidade a serviço das nações.

Se nossa pretensão é realmente a de não estar na contramão da história, necessário é desatar os nós que ainda emperram a evolução do progresso cultural no Brasil, ensejando que uma cultura deveras universitária prevaleça, sem subserviência e com portas realmente abertas.

Prof. Antônio Lopes de Sá

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.