x
CONTEÚDO artigos

A crescente responsabilidade do Contador no mercado internacional

Levantamento realizado nos EUA e publicado em jornal de grande circulação*, revelou que: 9,1% das empresas americanas com necessidade de adequação à Lei Sarbanes

28/06/2005 00:00:00

4,6 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Levantamento realizado nos EUA e publicado em jornal de grande circulação*, revelou que: 9,1% das empresas americanas com necessidade de adequação à Lei Sarbanes Oxley de junho de 2002, apresentaram como principais ofensores de suas deficiências internas, os ambientes de controles. O estudo vai mais além, informa que as principais falhas vinham da área de contabilidade de operações de leasing (22,5 % dos casos) e das práticas e políticas contábeis ( outros 18,2 %) .

Sabemos que o universo de empresas nacionais que operam na NYSE (Bolsa de Valores de Nova York), tem até o ano de 2006 para se adaptarem à referida Lei que por sua vez exige a criação de mecanismos de auditoria e segurança, incluindo a criação de comissões encarregadas de supervisionar a totalidade das atividades e operações das empresas.
Diante desse cenário, creio que se fossemos traduzir o papel do contador em uma só palavra chave, teríamos o conceito de transparência, ou seja, uma maneira de garantir o ambiente de controle e informações completas sobre processos contábeis, responsabilizando cada envolvido e buscando sempre as boas práticas de governança corporativa.
Lembro do tempo em que os auditores externos para emissão de seus pareceres, limitavam-se a solicitar aos contadores os demonstrativos financeiros das empresas com as respectivas documentações suporte, no máximo um breve trabalho de ínterim para fundamentação, onde aplicavam o conceito de materialidade e basicamente estava feito a trabalho. Atualmente, entendo que isso é uma prática cada vez mais distante, principalmente no que diz respeito à participação do contador nesse contexto. Com a Lei, os contadores devem buscar as facilidades técnicas permitidas no dia a dia organizacional, utilizando-se da transparência, associada à legislação em vigor que determina a regra de controle fiscal e contábil.
Tudo isso não para por ai, entrou em vigor no início do mês a lei européia "Prospectus Directive", nos 25 países da Comunidade Européia equivalente a Sarbanes Oxley. Tal lei também afeta os emissores brasileiros de ações e títulos de dívida naquela região, onde nos contadores teremos novas responsabilidades diante da nova regulamentação.

Logo, aconselho os interessados a se prepararem desde já, apesar da "Prospectus Directive" adiar o cumprimento por estrangeiros. A mudança mais importante que afeta os emissores externos é a obrigatoriedade de publicação de balanços no modelo internacional, conhecido por IFRS, a partir dos números de 2007. É possível que nós contadores tenhamos um trabalho de comparação tão árduo quanto o de adaptação à rígida lei corporativa Sarbanes-Oxley.

É lógico que as normas internacionais são muito divergentes das brasileiras. Há diferenças na contabilização de ativos, passivos e de fluxo de caixa, mas observem que cada vez mais, estamos deixando de lado os saudosos tempos dos volchers e das fichas kardex em detrimento do planejamento estratégico contábil minucioso e bem elaborado. O contador de hoje tem de estar totalmente alinhado com o plano de negócios de sua empresa, devendo buscar nos meios acadêmicos, institucionais e científicos novas práticas e conceitos de trabalho quer nacionais e/ou internacionais como forma de agregar valor ao negócio, precavendo-se inclusive para o futuro da profissão.

* valor online - 13/06/05
Douglas B. Rodrigues
dbrodrigue@ig.com.br

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.