MOMENTO CONTÁBEIS

Calendário do Esocial alterado|Pequenas empresas gerando empregos|Grandes novidades tecnológicas

Contábeis o portal da profissão contábil

15
Oct 2018
07:51

Tributário

As Subvenções Concedidas Pelos Estados E O Pacto Federativo

Alteração bastante benéfica às sociedades empresárias, pois, anteriormente cabia a reflexão se a subvenção sob análise era para investimento ou custeio, hipótese em que era computada para determinação do lucro real.

22/03/2018 14:44

2.011 acessos

Pacto Federativo Subvenções

A contragosto do Poder Executivo Federal, o Congresso Nacional derrubou o veto presidencial, e foi promulgada a parte da Lei Complementar n. 160/2017 que alterou a Lei n. 12.973/2014 para determinar que os valores correspondentes a crédito presumido de ICMS serão considerados subvenção para investimento, não impactando na determinação do lucro real do contribuinte.

Essa alteração é bastante benéfica às sociedades empresárias, pois, anteriormente cabia a reflexão se a subvenção sob análise era para investimento ou custeio, hipótese em que era computada para determinação do lucro real, logo sofrendo a incidência da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido-CSLL, e do Imposto de Renda Pessoa Jurídica-IRPJ, tributação que se reflete no importe de 34%, sendo 9% de CSLL, 15% de IRPJ e 10% de Adicional de IRPJ.

Contudo, é sabido que a lei é sempre posterior aos fatos sociais que a ensejaram, logo, adverte-se que a discussão não é nova, momento em que certamente paira sobre a mente do contribuinte mais atento o seguinte questionamento: “E toda a tributação de CSLL e IRPJ já realizada nos exercícios passados?”.

A resposta, muito feliz por sinal, pode surpreender alguns contribuintes, pois independentemente da classificação, subvenções para investimento ou para custeio, os valores correspondentes a crédito presumido de ICMS, jamais poderiam ter impactado no lucro real dos contribuintes ensejando a tributação de CSLL e IRPJ.

Acontece que tais valores não se subsumem a exação dos tributos incidentes sobre o lucro da empresa, em um olhar mais técnico, verifica-se que o crédito presumido de ICMS, nem de longe se consubstancia no signo jurídico presuntivo de riqueza perseguido pela CSLL e pelo IRPJ, pois conforme a Regra-Matriz de Incidência Tributária desses gravames, o que será oferecido à tributação é o lucro.

Em verdade, a discussão só existe graças à malfadada interpretação do fisco, que em profundo equívoco, tenta fazer crer que por ocasião do recolhimento, diga-se grosseiramente, “a menor” de ICMS, tal diferença significaria lucro para o contribuinte.

Entretanto, por óbvio que a melhor concepção jurídico-tributária sempre digladiou em sentido contrário, pois são muitos os argumentos que fundamentam a não incidência daqueles tributos sobre o valor do benefício fiscal concedido pela Unidade Federada, conforme adiante se elencam alguns deles.

Inicialmente, há que se destacarem os contornos semânticos dos signos jurídicos: lucro, lucro líquido e lucro real. Sem o aprofundamento que o tema mereceria, tais “fases” da determinação do resultado contábil da empresa, nem de longe se confundem com o benefício fiscal do imposto estadual, pois a tese fazendária, do “recolhimento a menor” simplesmente não existe na contabilidade da empresa.

Ocorre que na formação de preço de venda, o contribuinte ao realizar seu planejamento tributário e financeiro, formula o preço de seus produtos e serviços já considerando a carga tributária que realmente será absorvida, inclusive, levando em conta o benefício fiscal, tanto no que se refere ao ICMS quanto dos demais tributos, logo, tal “recolhimento a menor” não se aperfeiçoa, tendo em vista que o crédito presumido de ICMS, em verdade, representa um crédito fictício lançado na escrituração contábil para perfectibilizar com o lançamento fiscal.

Da análise jurídica sistemática, aquela que considera do texto constitucional aos atos administrativos, a incidência pretendida pela fazenda também não se sustenta. Observe-se que a União ao tributar a renúncia fiscal realizada pelo Estado/DF viola o pacto federativo, princípio norteador da Constituição da República preceituado em seu artigo 18, caput, bem assim, o princípio constitucional e tributário da imunidade recíproca, o qual determina que os entes políticos não tributarão a renda uns dos outros, artigo 150, VI, “a”, da CF/88.

Ainda na seara das garantias dos contribuintes, percebe-se a abrupta violação do princípio da capacidade contributiva, pois se os valores correspondentes aos créditos presumidos de ICMS não revelam o signo jurídico lucro eleito como base de cálculo dos tributos sob análise, exigi-los, constitui aquela tributação desarrazoada que o legislador constituinte visou afastar, revestindo o tributo cobrado pelo vício da inconstitucionalidade.

De sorte, a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça-STJ já se consolidou no sentido da argumentação acima exposta, bastando, dessa forma, que o contribuinte vá ao Poder Judiciário exigir a observância de seu direito líquido e certo de restituir a tributação à maior realizada a título de CSLL e IRPJ nos últimos cinco anos.

Escrito por

Juliano Lourenço

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César