Economia

Valor Justo ou Reavaliação Patrimonial

A importância do Valor Justo (Reavaliação Patrimonial) para a maior credibilidade nas informações contábeis.

13/08/2018 08:45:40

3.208 acessos

Valor Justo ou Reavaliação Patrimonial

A Reavaliação Patrimonial utilizada por muitas empresas antes do ano de 2007, teve suas regras alteradas com a lei 11.638/07 e seus respectivos CPC´s.

As novas regras em vigor deixaram a opção para que as empresas que optassem por ter seus ativos reavaliados utilizassem o princípio do Valor Justo, que nada mais é que a Reavaliação regulamentada pela lei 11638/07, entretanto após a lei entrar em vigor, esse pratica pode ser realizada apenas uma vez, ou seja, após 2007 as empresas não poderão mais realizar de tempos em tempos a Reavaliação Patrimonial.

Apesar da limitação legal, as empresas por meio de inventários e reavaliações costumam realizar esses controles gerencialmente, pois uma vez não aceito pelo Fisco, nada impede gestores possam utilizar-se Demonstrativos Contábeis Gerenciais que relatam monetariamente informações da empresa o mais próximo da realidade possível.

Entretanto, o ajuste dos Ativos Imobilizados para valores inferiores aos registrados contabilmente ainda são permitidos legalmente por meio do Teste de Impairment ou teste de Recuperabilidade, a mesma legislação define essa pratica.

Diante disso, laudos devem ser redigidos por profissionais tecnicamente capacitados, sempre embasados em normas técnicas.

Walber Almeida Xavier de Sousa - Diretor da AXS Consultoria Empresarial (www.axsconsultoria.com.br), atua na Gestão Empresarial de empresas de pequeno e médio porte, nas áreas de Administração, Finanças e Controladoria. Graduado em Ciências Contábeis, Pós-Graduado em Contabilidade Gerencial e Controladoria e com MBA em Gestão Empresarial.

www.axsconsultoria.com.br

MATÉRIAS RELACIONADAS

RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL

cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.