MOMENTO CONTÁBEIS

Tabela de IR sem reajuste | Revisão no EPC | Piso salarial da sua categoria

Contábeis o portal da profissão contábil

19
Sep 2018
20:03

Tributário

ICMS - EC 87/2015: Quais os cuidados necessários para o cálculo do DIFAL aplicado nas operações destinadas a não contribuintes?

Neste artigo tratarei tão somente de aspectos relacionados ao cálculo do DIFAL e que merecem toda a atenção do contribuinte.

24/08/2018 08:27

2.001 acessos

DIFAL DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA

A partir da EC 87/2015, a CF/88 passou a contemplar o cálculo do DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS (DIFAL) nas operações e prestações INTERESTADUAIS destinadas a NÃO CONTRIBUINTES do ICMS.  

Neste artigo tratarei tão somente de aspectos relacionados ao cálculo do DIFAL e que merecem toda a atenção do contribuinte:

1) O fato do destinatário não possuir inscrição estadual não determina sua condição. Necessário quanto à operação praticada observar o conceito de contribuinte conforme determina o art. 4º da LC 87/96:

Art. 4º: Contribuinte é qualquer pessoa, física ou jurídica, que realize, com HABITUALIDADE ou em VOLUME que caracterize INTUITO COMERCIAL, operações de circulação de mercadoria ou prestações de serviços de transporte interestadual e intermunicipal e de comunicação, ainda que as operações e as prestações se iniciem no exterior.

NOTA: Se as vendas ao Fornecedor são efetuadas em quantidade que exceda o que seja razoável ao seu próprio consumo, cabe o alerta.

É o caso, por exemplo, da venda de 1.000 computadores para uma Pessoa Física ou em quantidade pequena para uma Pessoa Jurídica, porém que se realize com frequência.

2) Serão consideradas operações internas e, portanto, NÃO CABERÁ O CÁLCULO DO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS, as operações com mercadorias entregues a consumidor final não contribuinte no território do Estado de origem;

NOTA: Na hipótese em que o cliente fica responsável pela retirada das mercadorias, independentemente de estar domiciliado em outro Estado; a operação será considerada como INTERNA.

3) Os remetentes optantes pelo Simples Nacional não estão sujeitos ao cálculo do DIFAL para não contribuintes em virtude da concessão pelo STF de medida cautelar na ADI nº 5.464.


NOTA: Porém, cabe ressaltar que o STF irá apreciar a matéria e esta SUSPENSÃO às empresas do Simples Nacional NÃO É DEFINITIVA.

4)  Nas saídas INTERESTADUAIS destinadas a não contribuintes, a alíquota adotada pelo remetente será a interestadual (revogada a aplicação da alíquota interna para esses casos);

5) É imprescindível para o cálculo:

a) Verificar a alíquota de destino praticada para o NCM do produto;

b) Verificar se há no destino a previsão de cobrança do Fundo de Combate à Pobreza (FCP) para o NCM indicado.

NOTA: Para as operações destinadas a não contribuintes, o cálculo e recolhimento caberá ao remetente que deverá observar a legislação da unidade federada de destino do bem ou serviço.

6) O cálculo do DIFAL referente ao FCP (caso seja aplicável) deve ser efetuado de forma separada.

Sobre a Base de cálculo da operação será aplicada:

a)  Primeiramente a diferença entre a alíquota de destino e alíquota interestadual (sem o acréscimo do Fundo de Combate à Pobreza);

b) Posteriormente a alíquota do FCP que poderá chegar a até 2%.

7) No ano de 2018 o valor do ICMS correspondente a diferença entre a alíquota de destino e alíquota interestadual será partilhada entre Estados de Origem e Destino da seguinte forma:

a) 20% para o Estado de origem (deste valor poderão ser deduzidos, quando admitidos pela legislação, os créditos relativos às operações anteriores);

b) 80% para o Estado de destino (não cabe dedução de nenhum tipo de crédito).

NOTA: a partir de 2019 não haverá mais a partilha do ICMS devendo o valor do DIFAL ser recolhido integralmente para o Estado de destino.

8) Não fará parte do cálculo da partilha mencionado no item anterior, devendo ser recolhidos integralmente para o Estado de destino:

a) O FCP; e

b) O serviço de transporte.

9) Nos serviços de transporte não será calculado o DIFAL quando o transporte for efetuado pelo próprio remetente ou por sua conta e ordem (cláusula CIF);

10) Serão considerados para o cálculo do DIFAL os BENEFÍCIOS FISCAIS concedidos pelo Estado de destino DESDE QUE APLICÁVEIS às operações destinadas a CONSUMIDOR FINAL.

Exemplo: se houver no Estado de destino uma redução de base de cálculo que seja permitida, inclusive, para as operações destinadas ao consumidor final; a legislação que conceda tal benefício devera ser considerada para o cálculo.

NOTA: A redução de base de cálculo poderá fazer com que a carga tributária efetiva do Estado de destino seja inferior à alíquota interestadual, NÃO CABENDO, nesse caso o cálculo do DIFAL.

11) Os benefícios fiscais concedidos pelo Estado de origem nas operações interestaduais não serão considerados para o cálculo. A alíquota interestadual praticada será sempre a alíquota estabelecida pelo Senado Federal (4%, 7% ou 12%).

NOTA: Ainda que haja uma isenção do Estado de origem, o cálculo será efetuado com a alíquota interestadual e será devido ao Estado de origem a partilha correspondente aos 20% (em 2018).


Por: Wellington Santos
Linkedin: https://www.linkedin.com/in/wellington-dos-santos-724193b7/

Escrito por

Wellington Santos

o 18 anos de experiência na área fiscal/tributária. o Experiência em segmentos variados como indústria, atacado e varejo. o Objetivo: Consultoria tributária preventiva. o Análise de riscos e contingências fiscais. o Revisão de processos e conduta para eliminação de riscos. o Capacitação profissional. Debates, palestras e cursos na área fiscal/tributária.

MATÉRIAS RELACIONADAS

Receba Novidades

receba novidades sobre o site e o fórum de contabilidade em seu e-mail

x

CADASTRE-SE
GRATUITAMENTE

e faça parte da maior
comunidade contabil
da internet brasileira

x

Faça parte da maior
comunidade da internet
brasileira
, e receba nosso
conteúdo gratuitamente

CADASTRE-SE GRÁTIS

ENVIAR

Ao se cadastrar, você aceita os termos de uso do portal Contábeis.

CADASTRE-SE COM AS REDES SOCIAIS

x

OLÁ ROGÉRIO

vocÊ sabia que você pode
enviar artigos pelo site ?

x

digite seu email ao lado
para receber a senha
em sua caixa de entrada.

RECUPERAR MINHA SENHA

ENVIAR
x

Parabéns!

Veja os próximos passos
para aproveitar tudo o que
preparamos para você.

x

Cadastro efetuado com sucesso !
Enviamos para seu e-mail os procedimentos para confirmação de seu cadastro.
Ele será concluído depois que você fizer a confirmação via e-mail.

Caso não tenha recebido:

* Aguarde mais alguns minutos.
* Verifique sua pasta de spam (ou lixo eletrônico).
* Solicite o reenvio da mensagem de confirmação clicando aqui.

Prezados(as) senhores(as), o Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussoes dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro. Ao acessar este site você concorda com os Termos de uso.

Site desenvolvido por
Julio Guimarães | Rogério César