x

Tributário

O que é ECD, ECF?

Terceira parte do artigo "SPED: Amigo ou Vilão do Empresário Brasileiro?"

27/08/2018 10:34:09

61,2 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

O que é ECD, ECF?

Para iniciarmos os nossos estudos sobre as partes integrantes do projeto SPED, optei por começar nos registros mais importantes (e complexos) deste projeto: A ECD (ou Escrituração Contábil Digital) e a ECF (Escrituração Contábil Fiscal).

Ambos arquivos são de periodicidade anual e de responsabilidade federal, onde de forma conjunta representam a realidade contábil-fiscal de uma determinada organização durante um determinado exercício, porém suas semelhanças param exatamente neste ponto, tornando-se distintas e complementares acerca de seus objetivos e informações.

A ECD ou a chamada Escrituração Contábil Digital, foi o primeiro arquivo do Projeto SPED a ser implementado e obrigatório a partir do exercício de 2007, onde o seu principal impacto foi a substituição total de entrega (ou apresentação) dos registros físicos até então obrigatórios, onde o arquivo substituiu eletronicamente as informações dos seguintes Livros:

  • Livro Diário e seus auxiliares;
  • Livro Razão e seus auxiliares;
  • Livro Balancetes Diários, Balanços e fichas de lançamento comprobatórias dos assentamentos neles transcritos.

Quando foi introduzida como obrigação acessória, a ECD não atingia muitas empresas (inicialmente empresas do regime do Lucro Real) , porém com o decorrer do tempo, a Receita Federal, cumprindo o cronograma proposto no ato de sua instituição, foi ampliando a sua obrigatoriedade onde hoje (2018) todas as empresas, independente do regime tributário (Simples ou Normal) são obrigadas a realizar o envio.

A ECF ou a chamada Escrituração Contábil Fiscal, iniciou a sua obrigatoriedade no exercício de 2015 através da Instrução Normativa nº 1.422/2013,  e ao contrário do seu arquivo irmão (ECD) , a ECF tem como objetivo principal interligar os dados contábeis e fiscais que se referem a apuração do Imposto de Renda e da Contribuição Social, se limitando basicamente a transportar todos os valores apurados nestes dois tipos de tributos específicos.

O detalhe mais importante é que nesta modalidade de arquivo, boa parte dos registros da ECF são gerados tomando como base os próprios registros da ECD. Nesta integração de registros há o preenchimento e controle, por meio de validações, das partes A e B do Livro Eletrônico de Apuração do Lucro Real (e-Lalur) e do Livro Eletrônico de Apuração da Base de Cálculo da CSLL (e-Lacs), de forma a qual todos os saldos informados nesses livros também são controlados e, no caso da parte B, ocorre o controle dos saldos de um ano para outro.

A interligação destes registros pode ser evidenciada pelo período de entrega das obrigações: A ECD deverá ser entregue até o mês de Maio do ano seguinte ao ano-calendário, enquanto a ECF deverá ser entregue até Julho. Ambos os arquivos necessitam de um certificado digital (A1 – arquivo ou A3 token ou cartão) para serem enviados e transmitidos, ressaltando que em todos os casos de envio e transmissão de arquivos deverão ser realizados tendo um contabilista responsável pela sua geração e controle.

Por hoje é somente isso pessoal! No próximo artigo, vamos tratar a respeito dos arquivos de obrigatoriedade mensal (ICMS e Contribuições).

Abraços e até a próxima!


Perdeu algum artigo da série? Veja também:

SPED: Amigo ou Vilão do Empresário Brasileiro?
https://www.contabeis.com.br/artigos/4905/sped-amigo-ou-vilao-do-empresario-brasileiro/

O que é o SPED?
https://www.contabeis.com.br/artigos/4909/o-que-e-o-sped/



VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.