x

A influência do "poder individual" no processo motivacional

Mesmo com todas as correntes da moderna administração convergindo para a questão da qualidade dos profissionais e as eternas discussões sobre o que motiva

19/08/2005 00:00:00

4 mil acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Mesmo com todas as correntes da moderna administração convergindo para a questão da qualidade dos profissionais e as eternas discussões sobre o que motiva um empregado, creio que a relação de poder dentro das empresas ainda é a mais forte.

Fala-se sempre que os líderes devem motivar. Como? Penso eu. Se a motivação não depende exclusivamente de ações externas?

Tenho observado no dia a dia, junto aos meus pares, que o processo motivacional é individualizado e sofre pequenas ou grandes influências durante cada hora de trabalho. E isso acontece, também, com quem tem cargos de gerência, uma vez que todos estão suscetíveis às emoções e talvez nesse momento Goleman tenha razão. Mas, paciência, Charles Chaplin já disse "não sois máquinas, homens és o que sois"...

Na realidade todos os gurus da administração parecem ter receitas prontas e muitas vezes que já deram certo, mas em determinado momento, em determinada empresa, em determinada cultura.

Um grande stress do mundo corporativo tem sido o cumprimento de metas. Ter um funcionário motivado nesse processo, invariavelmente depende de como ele vê o processo. Se for ambicioso e nesse processo ele terá chances de sucesso, tê-lo-emos motivado. Se não tem ambição e acha que o mundo deveria ser mais justo e menos competitivo, vê-lo-emo apático e na maioria das vezes sendo o "do contra".

Para alguns, remuneração não é tudo. Um bom ambiente de trabalho, com conforto e com os chamados salários indiretos, já é suficiente. Mas, outros já não pensam assim, conheço pessoas que querem "dinheiro no bolso". Cumprir metas é uma tarefa que lhe é remunerada, se não está a contento (a remuneração) ele não fará esforço para consegui-la.

O que quero para a minha vida é e será sempre, único de minha existência. Os belos textos que nos causam sensação de bem-estar ao lê-los são abruptamente esquecidos na rotina do dia a dia, quando percebemos que precisamos fazer o cumprir. E esse fazer não espera por horas de discussões filosóficas a respeito de quão importante é "para mim", realizar ou não, aquele trabalho.

Entre as escolas da administração estratégica, citadas por Mintzberg e outros, identifico a escola do Poder como a mais atuante ainda que "subliminarmente" no processo ao qual estou inserido. Afinal para essa escola "a formulação da estratégia parte de um processo de negociação". Essa negociação estaria relacionada ou a "grupos conflitantes dentro de uma organização ou pelas próprias organizações, enquanto confrontam seus ambientes externos". Não estaria eu aqui num conflito?

O que se tem é apenas uma coisa: tenho que fazer o melhor! Ilusão pensar diferente.

O que trago para um debate não é mudar o processo. Pois, em minha opinião "o mercado" tem sido o senhor absoluto com a sua "mão", nem tanto invisível, como citado por Adam Smith . O próprio PT se rendeu a essas questões, pois não há mágicas em economia. No entanto, há mágicas com pessoas. Como realizar essas mágicas, eis aí o cerne da questão.

Proponho uma revolução no pensamento tribal/primitivo que nos incute uma sensação de obediência a quem tem um cargo mais elevado. Ou mesmo, a quem tem o "poder". Como seria isso possível? Individualizando esse "poder", sem mascará-lo com ações "aparentemente bondosas", mas com explicações lógicas, sensatas, que justifiquem o porquê devemos estar sempre nos superando.

E a nós enquanto participantes, por livre arbítrio, desse processo, cabe-nos entender ou procurar entender esse processo de poder "intrínseco" e a partir daí compreender que a nossa felicidade, parte de dentro de nós. Não serão as outras pessoas que a trarão.

Pode parecer egoísta e talvez até o seja, mas nem sempre temos a vantagem de poder optar. E aí vem um daqueles ditados "faça do limão uma limonada". Mas proponho algo novo. Tente uma mágica: faça do limão, uma laranja, uma maçã, sei lá, uma fruta da qual você goste. Pelo menos, por você, você tentará ser feliz e aí acontecerá a grande mágica que os gurus, os grandes líderes tanto almejam: você está motivado. Mas, deixe claro, você se permitiu isso.

Carlos Nascimento
Economista
Contador
Especialista em Gestão de Negócios
Gerente de Administração no Banco do Brasil
Professor da Unisulbahia
can64@superig.com.br

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.

Ajude a divulgar o nosso Congresso de Contabilidade.

Inscreva-se e compartilhe

Salve a imagem e compartilhe em suas redes sociais.