x

Empresarial

Comprar carteira de clientes para contabilidade: vale a pena?

Entenda se a compra de carteira de clientes vale a pena no seu negócio contábil, e também como você pode captar clientes realmente interessados no seu serviço com outras alternativas.

21/05/2019 11:30:24

3.361 acessos

Comprar carteira de clientes para contabilidade: vale a pena?

Muitos contadores acabam comprando carteira de clientes para não terem de se preocupar com a captação de clientes. Mas isso pode prejudicar muito o escritório contábil se não for feito com cuidado. Vou te explicar abaixo se vale a pena ou não para o seu negócio contábil fazer a compra de carteira de clientes e também algumas dicas e alternativas para impulsionar o crescimento do seu negócio. Confira:

Vale a pena comprar carteira de clientes?

Para escritórios menores, essa prática pode não ser muito favorável. Isso porque, se você não separar um bom tempo para atender cada um ou um profissional para fazer a seleção desses contatos, pode ter muitas dores de cabeça.

Clientes desalinhados: Nenhuma dessas pessoas pediu para trocar, por isso você poderá receber muitos contatos totalmente desalinhados com o seu negócio. É necessário se empenhar mais ainda para poder melhorar a relação com esses novos clientes.

Clientes desinteressados: A situação pode ser ainda mais complicada, sendo que você está investindo dinheiro em um grande número de perfis, sendo que alguns deles não demonstram nenhum tipo de engajamento com o seu negócio.

Fora do seu perfil: É quase impossível montar um perfil ideal para o seu negócio quando você compra uma carteira de clientes de outro escritório contábil. A visão dessa outra empresa era de outro público alvo quando a carteira foi criada. Outros perfis, outras naturezas jurídicas, outros ramos, etc.

Valor mais caro: A compra de carteira pode sair mais cara, sendo que muitos clientes dessa lista são "jogados fora". Em entrevista para Anderson Hernandes, o contador Ricardo Marqua contou que o custo médio para compra de carteira de clientes em seu negócio era de 7x1 a 12x1.

Qual a alternativa?

Existem muitas formas de captar clientes reais além da compra de carteira. E acredite, elas podem ser tão (ou até mais) eficazes quanto. Confira:

1. Monte uma estratégia completa: É necessário criar uma estratégia completa no seu negócio, que vai desde o estudo do perfil dos seus clientes ideais, até a segmentação do seu negócio em nichos contábeis, organização do atendimento e prestação do serviço.

2. Invista em Marketing Digital: Uma das melhores formas de captar e conquistar clientes realmente interessados é pelo marketing digital. As pessoas fazem uma busca na web e encontram o seu escritório, sem que você precise gastar muita verba para ter estratégias realmente eficientes.

3. Relacionamento com o cliente: Quando o relacionamento com seus clientes atuais é boa, as chances de eles indicarem o seu negócio para outras pessoas é ainda maior. Foque na fidelização de seus clientes, organize-se para garantir que ele continue na sua carteira e indique para novos contatos.

4. Pense na sua estrutura: Se seu escritório é pequeno, você deve pensar em como fará para atender todos os clientes. É melhor atender poucos, mas atender bem, do que tentar lidar com 500 clientes e acabar entregando um serviço de má qualidade.

5. Analise os dados: Esse trabalho deve ser contínuo. Por isso, analise os processos que você realizou até agora e estude o que pode ser mudado. Além disso, entenda também o que deu certo e pode ser repitido para aumentar a sua carteira clientes contábeis.

Ficou com alguma dúvida? Se você acha que a compra de carteira de clientes ainda é a melhor opção para o seu negócio, deixe nos comentários. Já se você acredita que o marketing contábil pode ajudar mais o seu escritório, vamos conversar para entender a situação da sua empresa contábil.

MATÉRIAS RELACIONADAS

RECEBA CONTEÚDO EM SEU EMAIL

cadastrar

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.