x
CONTEÚDO artigos

Tecnologia

Lixo Eletrônico - Reciclando por um Futuro Melhor

Responsabilidade e comprometimento ambiental, social, sustentável e conscientização social.

13/01/2020 09:55:01

986 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Lixo Eletrônico - Reciclando por um Futuro Melhor

Vivemos em um mundo onde os seres humanos são altamente dependentes dos equipamentos eletrônicos. Pode contar ai, em cada cômodo de sua residência você pode encontrar até 05 equipamentos eletrônicos, então por exemplo, na cozinha tem: geladeira, microondas, cafeteira, batedeira, mixer; já na sala tem: televisão, dvd, som, video-game, controle; e assim continua pela casa toda. Todo equipamento eletrônico passa pela técnica Obsolência Programada, criado por países capitalistas, no qual estipula uma vida útil aos equipamentos, forçando o individuo a consumir, gerando defeitos, tornando-os obsoletos, antigos, ultrapassados, e tudo acaba virando Lixo Eletrônico.

Brasil, lidera entre os países emergentes em descarte de lixo eletrônico, com exceção da China. Por ano cada brasileiro descarta 0,5 kg de lixo eletrônico (PORTAL EXAME, 2010). No ano de 2017 a quantidade de lixo eletrônico chegou a média de 50 milhões de toneladas. Podemos comparar essa quantidade ao peso do morro do Pão de Açúcar no Rio de Janeiro, que no período de 12 anos chegue estimado em 580 milhões de toneladas.

Quando o Lixo Eletrônico passa a ser descartado de maneira incorreta no meio ambiente, o leva a contaminação do solo, da água, do ar com metais pesados, substâncias tóxicas que afetam pessoas, animais e plantas. Chumbo, Cádmio, Cobre, Níquel, Bromo, presentes em pequenas quantidades nos equipamentos eletrônicos, substâncias que em contato com os seres humanos podem causar feridas nos órgãos internos, câncer, doenças respiratórias e até mesmo demências. Uma contaminação que pode andar por toda a nossa cadeia alimentar e chegar até as nossas casas, no nossos alimentos.

Os primeiros indivíduos a se contaminarem com essas substâncias são as pessoas que trabalham do lixo. Hoje no Brasil, isso é uma realidade infelizmente, além de viver uma vida precária, e não utilizam de equipamentos de seguranças EPI no recolhimento desse tipo de material.

Outra informação importante é que Lixo Eletrônico e altamente composto por Plástico, Metal, Vidro, materiais que demoram muito tempo para se decompor no meio ambiente. São equipamentos que acabam se tornando um "peso", um problemão, uma realidade pertinho dos seres humanos, presente no nosso dia-a-dia. Um caso a ser pensado com atenção, pois se trata do futuro de nossos filhos, netos, bisnetos, se trata da conservação do meio ambiente e de uma melhoria na qualidade de vida.

No processo de minha formação em técnico em administração, tive a oportunidade de realizar uma Pesquisa de Campo em Abril/2018no qual foi questionado entre os participantes o real conhecimento de lixo eletrônico que a sociedade possui. Foram entrevistados 264 pessoas na sede do SENAC Santos/SP, entre alunos, docentes e funcionários. Os dados dessa pesquisa podem ser multiplicados e tirar uma base estatística sobre o conhecimento da população sobre o tema:

  • 40% dos entrevistados tinham faixa etária de idade entre 21 a 30 anos, concluímos que essa parte dos entrevistados são “jovens” com bastante acesso a equipamentos eletroeletrônicos e que mais estão antenados as novidades de tecnologias.
  • No quesito nível de instrução, concluímos que ambos entrevistados são pessoas com acesso ao conhecimento e a informação em geral.
  • Havia uma pergunta na qual era questionado o nível de conhecimento sobre lixo eletrônico que o individuo tinha, e 61% disse que “Já Ouviu Falar”, mas nunca se aprofundou ou teve interesse sobre lixo eletrônico.
  • O quesito mais polêmico da pesquisa de campo era relacionado a quem é de dever a responsabilidade pelo tratamento e descarte do lixo eletrônico, e 38% respondeu “Indústria e Comércio”. Concluímos que o mais indicado é a aplicação da Logística Reversa, na qual o próprio fabricante fica responsável em recolher e devolver esses resíduos a cadeia produtiva.
  • No quesito local permanente de coleta de lixo eletrônico, 63% dos entrevistados responderam que não conhecem nenhum local fixo de coleta de lixo eletrônico na sua cidade, no qual já conclui que boa parte acaba descartando resíduos eletrônicos no lixo comum, poluindo o meio ambiente.
  • No quesito anterior, 37% responderam que conhecem sim um local de coleta permanente de lixo eletrônico, e com base no sim, tinham que responder o próximo quesito no qual questionava os participantes se mesmo eles sabendo um local de coleta permanente de lixo eletrônico, se procuravam descartar corretamente, e 60% disse que não procura descartar corretamente.

Esse último quesito conclui que mesmo o individuo sabendo um local de coleta permanente de lixo eletrônico em seu bairro, na sua cidade, acaba não descartando o lixo eletrônico corretamente, por muitas vezes é justificado por falta de condições, comodidade, interesse, conhecimento e até mesmo informação. Dai vem a importância de trazer essa consciência para a população.

Você ai que possui algum equipamento eletrônico que se tornou um Lixo Eletrônico, pense com carinho, não o descarte de maneira incorreta no meio ambiente. Procure em seu município um lugar sério que faça o descarte correto no meio ambiente!

Se você estiver na Baixada Santista, no estado de São Paulo, pode procurar pelo "Centro de Reciclagem de Lixo Eletrônico" da Fundação Settaport. No qual você pode agendar a retirada do equipamento eletrônico pelo telefone (13) 3221-2546 ou ir pessoalmente na Av. Conselheiro Nébias, nº85, Paquetá, Santos, SP.

Mais informações sobre Lixo Eletrônico entre no site http://lixoeletronicofundacao.blogspot.com/

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.