x

CERTIDÃO

Certidão de antecedentes criminais

É possível a empresa exigir do empregado contratado a apresentação de certidão negativa de antecedentes criminais?

23/11/2023 21:00:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Certidão de antecedentes criminais

Certidão de antecedentes criminais Foto: Kampus Production/Pexels

Depende das funções que ele vai exercer. Há situações nas quais as atividades exercidas justificam a exigência da apresentação de certidão negativa de antecedentes criminais.

Segundo o TST ( Incidente de Recurso de Revista Repetitivo – Tema N° 0001,) seriam atividades, tais como:

  • Cuidadores de menores, idosos ou deficientes (enquadram-se instituições como creches, asilos e afins);
  • Motoristas rodoviários de carga;
  • Empregados domésticos;
  • Empregados da agroindústria que trabalham no manejo de ferramentas de trabalho perfuro cortantes;
  • Bancários e afins;
  • Trabalhadores que atuam com substâncias tóxicas, entorpecentes e armas;
  • Trabalhadores que atuam com informações sigilosas;
  • Vigilantes (exigido pela Lei 7.102/1983, no inciso VI, do artigo 16).

Nesses casos, entende-se que a certidão de antecedentes criminais do trabalhador é uma  informação relevante para a contratação, sendo assim, o documento poderia ser exigido sem ser caracterizado como ato discriminatório.Portanto, o empregador deverá agir com cautela antes de exigir esse tipo de atestado e, em caso de dúvida, é recomendado consultar o sindicato da categoria profissional para evitar algum problema futuro com a Justiça do Trabalho. Afinal, como não há uma legislação clara sobre o tema, alguns casos são discutíveis.

Leia mais sobre

O artigo enviado pelo autor, devidamente assinado, não reflete, necessariamente, a opinião institucional do Portal Contábeis.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.