x

ARTIGO DE ECONOMIA

Os difíceis, mas imprescindíveis, acordos multilaterais

Neste artigo, o especialista comenta sobre os acordos comerciais entre países e blocos econômicos.

08/12/2023 13:30:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
Os difíceis, mas imprescindíveis, acordos multilaterais

Os difíceis, mas imprescindíveis, acordos multilaterais

O acordo comercial entre países e blocos é importantíssimo, mas a sua concretização enfrenta obstáculos consideráveis. Renunciar a benefícios obtidos artificialmente, seja por meio de impostos, seja por meio de subsídios, é uma tarefa árdua, especialmente quando grupos de interesse exercem pressão sobre governos.

Recentemente, o presidente francês, Emmanuel Macron, manifestou oposição ao acordo entre União Europeia e Mercosul. Macron justificou esse posicionamento afirmando que o modelo em discussão não pode ser defendido diante dos agricultores europeus comprometidos com metas de descarbonização. 

Ele argumentou que esses agricultores não aceitariam a redução de tributos para produtos oriundos de regiões que não compartilhem com essas metas.  Em resposta, o presidente Lula mencionou a postura historicamente protecionista da França, mas ressaltando que essa posição é minoritária entre os demais países europeus.

Esse episódio ilustra as resistências internas que comprometem a efetivação de acordos: o bloco europeu busca abrir as fronteiras do Mercosul para os próprios produtos industrializados, que têm vantagens comparativas, enquanto reluta em reduzir subsídios à agricultura, menos eficiente comparada à brasileira. A justificativa da “descarbonização” é usada como argumento, refletindo as complexidades das negociações.

Essa resistência, contudo, resulta em ineficiência econômica. Em uma abertura comercial, há ganhadores e perdedores, mas, em geral, os ganhos superam as perdas, proporcionando um resultado benéfico à sociedade como um todo. No entanto, a pressão política, muitas vezes, prevalece, especialmente quando os perdedores têm maior poder de lobby e influência econômica, como é o caso dos agricultores europeus. 

A face negativa dessa conjuntura reside na cooptação do Estado pelo setor privado. Interesses de grandes empresas, frequentemente, sobrepujam o bem coletivo, prejudicando principalmente os mais vulneráveis. Essa conversão não apenas compromete a criação de riquezas no curto prazo, como também mina o crescimento de longo prazo, ao canalizar recursos para projetos menos eficientes e deteriorar a produtividade.

Lidar com essa pressão no âmbito democrático é desafiador, mas necessário para garantir o interesse coletivo. Infelizmente, a viabilidade do promissor acordo entre a União Europeia e o Mercosul está ameaçada nessas condições. No fim, todos perdem, a menos que haja uma vontade política decisiva do outro lado do Atlântico, uma perspectiva que, até o momento, parece distante. 

Leia mais sobre

O artigo enviado pelo autor, devidamente assinado, não reflete, necessariamente, a opinião institucional do Portal Contábeis.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.