x
CONTEÚDO artigos

Home office

Comunicação com a equipe no home office: desafio e oportunidade

A comunicação com os colaboradores nunca foi tão fundamental e assumiu um papel ainda mais importante na quarentena

08/10/2020 08:25:15

815 acessos

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp

Comunicação com a equipe no home office: desafio e oportunidade

A comunicação com os colaboradores nunca foi tão fundamental. Em tempos de isolamento social e home office impostos pela quarentena, ela assume um papel ainda mais importante, não apenas no sentido de proporcionar planejamento, atualização e troca de ideias, mas também com relação ao estado emocional das pessoas que integram as organizações.

 Muitas empresas foram pegas de surpresa pela necessidade de home office e outras tantas não estavam preparadas para utilizarem esta modalidade 100% do tempo. A estrutura necessária em termos de equipamentos tornou-se a primeira preocupação das organizações, de forma compreensível. Mas ao longo do tempo, aperfeiçoar a comunicação com as equipes e, mais ainda, a comunicação individual com cada colaborador, mostrou-se igualmente essencial.

 Quando eficiente, a comunicação com a equipe melhora o fluxo de trabalho e o alinhamento da empresa como um todo. A nova realidade nos conduziu à utilização em massa de aplicativos de mensagens e softwares de conferências em vídeo para manutenção dos relacionamentos profissionais. Estes recursos, claro, já vinham sendo utilizados anteriormente, porém não com tanta relevância, e também não sendo a única opção possível, como é o caso agora. E eles trazem inúmeras vantagens, indiscutíveis.

 Reuniões de sprint e fechamento, salas de conversa para integração e informação de todos os profissionais da empresa têm sido bastante comuns, com comunicações essenciais gerais. Aos poucos, a rotina levou as empresas a buscarem soluções mais específicas, com contato individual ou compartilhado apenas para algumas áreas que necessitam trocar mais informações.

 Também aprendemos a compartilhar mais da nossa rotina, como o ambiente em que trabalhamos de casa, os ruídos e cenários específicos de nossa residência e parte de nossa intimidade, tudo isso contribuindo para maior exposição de cada um de nós, ao mesmo tempo em que nos tornamos mais isolados. Interrupções causadas por crianças e animais tornaram-se comuns e até aceitáveis.

 Muitos profissionais, principalmente em grandes cidades, moram sozinhos e estão isolados de suas famílias. Portanto, temos ainda que olhar com mais profundidade para o ser humano por trás do computador. A quarentena e o afastamento social têm feito disparar o número de casos de doenças, como depressão e ansiedade. Assim, as comunicações de trabalho por vídeo podem também cumprir o papel de verificar reações, linguagem corporal e demais atitudes que possam demonstrar o estado emocional do colaborador. É também papel da organização avaliar a equipe neste quesito, já que toda a transformação trazida pelo home office deixou uma linha tênue entre o lado pessoal e profissional.

 Neste contato mais profundo com nossos colaboradores, temos uma nova e grande oportunidade: estabelecer parcerias mais sólidas e relevantes. Com pequenas atitudes que vão além do fluxo de trabalho, é possível aumentar a sensação de pertencimento, fortalecer vínculos e proporcionar momentos de descontração e acolhimento.

 O aumento da produtividade tem sido aclamado como um dos principais benefícios do home office, mas a verdade é que a interação presencial é inerente ao ser humano. É possível que o cenário pós-pandemia contemple mais períodos de trabalho em casa do que anteriormente, com métodos híbridos de trabalho. Mas a verdade é que os períodos de convivência social e de comunicação aberta e presencial ganharão cada vez mais sentido.

 *Marcio Tamura é diretor do Grupo Atai

VER COMENTÁRIOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.