x

ARTIGO DE ECONOMIA

A mãe de todas as reformas: a abertura comercial

Neste artigo, o especialista comenta sobre a abertura comercial entre os países e o que revelam os índices a respeito do tema.

01/03/2024 13:30:01

  • compartilhe no facebook
  • compartilhe no twitter
  • compartilhe no linkedin
  • compartilhe no whatsapp
A mãe de todas as reformas: a abertura comercial

A mãe de todas as reformas: a abertura comercial

O renomado economista brasileiro Edmar Bacha enfatiza a liberalização comercial como a chave primordial para transformações profundas. Diante da atual reestruturação das cadeias produtivas globais, impulsionada pelo conflito comercial entre Estados Unidos e China, é evidente que a moderna Indústria requer total integração nessas redes para um crescimento sustentável. Apesar das resistências, essa integração se torna urgente num país que enfrenta uma perda relativa de força e uma estagnação na produtividade.

Dados alarmantes ressaltam a necessidade premente de se abordar o tema. Segundo o Centro de Estudos de Integração e Desenvolvimento (Cindes), em 2020, apenas nove países mantinham tarifas médias de importação não agrícolas mais elevadas que o Brasil. 

O grupo também alerta para tarifas excessivas sobre insumos e bens de capital, perpetuando o uso de equipamentos ultrapassados e onerosos e prejudicando o crescimento e o emprego. As elevadas tarifas de importação exacerbam a desigualdade, especialmente no acesso aos produtos. 

Ao tributar itens estrangeiros, muitas vezes superiores e mais acessíveis, o governo obriga os mais pobres a adquirir mercadorias de menor qualidade e custo elevado, promovendo uma transferência de renda dos menos favorecidos para os mais ricos. Aqueles que têm acesso a viagens internacionais, geralmente pertencentes às classes mais altas, podem adquirir esses bens a preços mais baixos no exterior, intensificando a disparidade econômica. 

É claro que uma redução abrupta das tarifas não é viável. O ideal seria uma diminuição gradual, planejada e acompanhada por um amplo programa governamental para aprimorar o ambiente de negócios, em colaboração com a sociedade civil. 

Uma Reforma Tarifária deve visar diversos objetivos, dentre eles, a redução das tarifas médias de importação, tanto para produtos quanto para serviços, com foco na diminuição dos custos de importação de bens intermediários e de capital. Além disso, simplificar tarifas e procedimentos de importação é fundamental para estimular a economia, mitigando os obstáculos enfrentados pelos empresários.

Outro aspecto fundamental é reconhecer que, frente à abertura comercial, haverá setores vencedores e perdedores, embora o balanço geral seja positivo para a sociedade. O governo deve implementar programas robustos de apoio aos setores e trabalhadores afetados, oferecendo acesso à requalificação e projetos de reinserção no mercado de trabalho.

Em suma, a Reforma Tarifária no setor externo deve ser prioridade no Brasil, visando melhorar a produtividade, o emprego e a renda. Entretanto, para efetivar a reforma, é essencial superar as resistências políticas e econômicas, contando com o apoio urgente da sociedade civil.

Leia mais sobre

O artigo enviado pelo autor, devidamente assinado, não reflete, necessariamente, a opinião institucional do Portal Contábeis.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ARTICULISTAS CONTÁBEIS

VER TODOS

O Portal Contábeis se isenta de quaisquer responsabilidades civis sobre eventuais discussões dos usuários ou visitantes deste site, nos termos da lei no 5.250/67 e artigos 927 e 931 ambos do novo código civil brasileiro.